Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Xbox 360 vs. PS3 Frente a frente: Round 21

Wolf, BF1943, Virtua Tennis, Juarez, GI Joe, Fight Night, UFC, Overlord II.

G.I. Joe

Dan Pearson(Redactor da EG.net) não estava muito entusiasmado com esta ligação de um mau filme com um jogo quando escreveu a análise para a Eurogamer.net, é um jornalista que mal conheço e perdeu o tempo a entrar em contacto comigo para dizer que este foi um dos piores jogos que já jogou em 20 anos (um aviso que caiu em saco roto, já que eu joguei Dark Castle na Mega Drive e Road Fighter na NES).

Independentemente disso, a sua terrível fama foi suficiente para me deixar curioso e claramente G.I. Joe consegue viver para as expectativas no que diz respeito ao valor que tem como um projecto de multi-plataforma. Mesmo que tenham existido conversões piores na PS3 já mencionadas em Frente a Frentes anteriores, não existiram assim tantas e certamente não foram assim muitas num passado recente.

É uma outra situação onde o vídeo em HD faz um melhor trabalho a evidenciar as diferenças, mas para que fique registado, o trabalho feito na PS3 é de uma péssima qualidade. Enquanto que os criadores mantiveram a resolução a 720p, conseguiu fazê-lo a custo da qualidade das texturas e da falta de v-sync. A fraca qualidade das texturas é profundamente terrível para a imagem (e mesmo as personagens foram afectadas), e quando combinado com o anti-aliasing Quincunx resulta num jogo significativamente pior quando comparado com a 360.

Não me vou alongar neste jogo, já que tenho certeza que as pessoas que o jogaram não me vão agradecer por lhes relembrar disto, mas basta dizer que G.I. Joe se contenta com a percepção da qualidade de uma ligação mediana com um filme e não deixa de surpreender ver uma companhia como a Electronic Arts publicitar tanto este jogo nos últimos dias.

Fight Night Round 4

Do ridículo ao sublime. O falhanço da EA em G.I. Joe contrasta com os últimos lançamentos da companhia, onde aumenta as expectativas tanto em termos de qualidade dos seus jogos assim como o trabalho de conversão.

Fight Night Round 4 não desilude em praticamente nenhum aspecto, e essa situação assim se mantém seja na Xbox 360 seja na PlayStation 3. Sim, de um nível puramente analista existem vantagens técnicas em jogar o jogo na consola da Microsoft, mas não há nada na consola que vá favorecer uma versão em relação à outra já que em termos de jogabilidade a experiência é igual. As parecenças, assim como as subtis diferenças, podem ser vistas nos vídeos, particularmente em alta definição.

Os factores cruciais no sucesso desta conversão já foram comentados no Digital Foundry relativamente à demo da Xbox e na versão PS3. Durante o jogo, a frame-rate está bloqueada nos 60FPS, e nesse aspecto não há qualquer diferença entre ambos os jogos.

Além disso, a qualidade de imagem do jogo é igual. A única diferença vem das técnicas usadas no anti-aliasing em cada versão, tendo a Xbox 360 usado o topo de gama com 4x em anti-aliasing. Tal como a PS3 usou no seu último jogo de luta, é implementado o Quincunx em 2x do anti-aliasing. Isto dá ligeira vantagem em suavizar as margens com a diferença de que toda a textura é desfocada. A diferença é verificável, mas não é assim tão notória que torne este factor num problema maior relativamente ao visual do jogo.

Outras vantagens no desempenho da versão Xbox 360 estão limitadas às frame-rates superiores nas sequências fora da acção principal: uns sólidos 30FPS na consola da Microsoft com flutuações ligeiramente abaixo disso na PS3 (ainda que mantenham o v-sync activo). Mas no que realmente interessa - no jogo em si - ninguém ficará desapontado.

Sobre o Autor

Richard Leadbetter avatar

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Comentários