Ei lá, tantos jogos, tanto para escrever e tão pouco tempo para conseguir abordar absolutamente tudo. É justo que se diga que o escritório está quase a pingar literalmente códigos, porque simplesmente não existe mão de obra suficiente para dissecar tudo em conjunto com o trabalho diário no Digital Foundry. Assim, com este gigantesco frente-a-frente número 22, iremos abordar seis dos melhores e mais interessantes recentes lançamentos, com o objectivo de olharmos em pequenos artigos os restantes, conforme o tempo permitir.

Como sempre, o texto é acompanhado de imagens comparativas, e os vídeos h264 com qualidade perfeita - todos vindos de uma perda mínima das portas HDMI da Xbox 360 e PlayStation 3. Numa revisão rápida pelas apresentações do passado, os vídeos a 632x500 são história. Eles fizeram um trabalho excepcional antes da transição para o HD da EGTV, mas agora com os 720p ao nosso dispor, os vídeos da velha guarda pareciam algo supérfluos em exigências.

A apresentação a uns 720p completos, são agora incorporadas no próprio artigo, similarmente ao artigo do DF Diferenças Bayonetta PS3 e 360: simplesmente carrega em ver ecrã inteiro no player de vídeo e irás ver o vídeo em formato total, ou usa o link para a EGTV para veres numa janela maior.

Para os jogos a seguir, a escolha desta vez recaiu para uma maior variedade:

Como sempre poderão esperar um frente-a-frente número 23 com uma quantidade de coisas frescas dos jogos da "época de férias", em Dezembro, mas não te esqueças: Novembro será um mês em "pacotes". Primeiro teremos o triplo formato da Gearbox, Borderlands, depois iremos ver o excelente Bayonetta da Sega. Depois disso, todas as apostam irão se virar para o Modern Warfare 2, e Assassin's Creed II.

Para ser franco, será algo épico. Estejam presentes.

Queremos agradecer aos colegas do Digital Foundry, MazingerDUDE e Alex Goh pelos seus contributos neste artigo.

Il-2 Sturmovik: Birds of Prey

Mesmo que não tenhas muito interesse na versão hardcore PC que este simulador deriva, mesmo assim tem muita coisa que irás gostar da versão consolas de Il-2 Sturmovik: Birds of Prey, seja ele o visual verdadeiramente impressionante, a grande variedade de missões ou a pura atenção aos detalhes.

Curiosamente, o elemento dogfighting tem muito em comum com o muito criticado, mas curiosamente divertido jogo da Ubisoft, o Blazing Angels, com um botão da câmara que centra no teu inimigo e te permite ires atrás dele com relativa facilidade. É um grande mecanismo que a Ubisoft bizarramente deixou de lado, quando a equipa de desenvolvimento passou para o HAWX.

No que diz respeito à conversão houveram decisões interessantes com respeito às duas versões. Em termos de aparência dos jogos, a produtora Gaijin Games parece ter tido um inferno de empenho para alcançar a paridade das plataformas, e podes ver neste vídeo como eles foram bem sucedidos:

O Il-2 consegue debitar uma quantidade enorme de detalhes. Na verdade, o principal objectivo da produtora parece ter sido tentar manter a qualidade da imagem o mais alto possível, e ao mesmo tempo assegurar que as duas versões parecessem praticamente iguais. Ambos os jogos correm a 720p nativos, mas mais uma vez existe diferentes abordagens em termos de suavização das margens: o habitual 2x MSAA na 360 e o sempre omnipresente quincunx na PS3.

Então, tendo em conta que a última técnica leva muitas vez à redução do detalhe da textura, como podem as duas versões parecerem praticamente iguais? Este parece ser o caso em que ao MSAA da versão da Xbox 360, é adicionado um subtil blur para procurar imitar a aparência do QAA na PS3. Neste caso, o jogo é tão rico em detalhe que parece não haver nenhum défice da qualidade de imagem de forma geral - é um grande lançamento.

No entanto, consegue-se notar em certos locais algumas diferenças. O sistema de iluminação da Xbox360 tem um efeito bloom de quando apontas para o sol, que curiosamente está ausente, ou pelo menos não se nota tanto na PS3. Talvez o mais relevante para uma decisão de compra seja o nível de desempenho. O objectivo em ter uma imagem com a melhor qualidade possível contem sérias ramificações para o frame-rate. Ambas as versões caem drasticamente em termos de frames, e com tear em ambos.

Em termos do total de frames que descem, a medida parece ser uma queda para baixo dos 14FPS(!) em ambas as consolas, quando a coisa começar a ficar muito, muito ocupada - i.e. quando precisas de visuais e também da resposta do controlo. A versão da Xbox360 parece estar limitada no máximo aos 30FPS, enquanto que a versão da PS3 é completamente ilimitada - o nosso melhor "pessoal" foi perto dos 50FPS. No entanto, isto causou num horroroso tear (rasgo na imagem), (mais de 50% vindo da PS3 consiste em frames rasgados). Está também presente na versão Xbox360, mas raramente visivel, portanto seria a versão que eu pessoalmente comprava.

Publicidade

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Mais artigos pelo Richard Leadbetter