Assassin's Creed: Origins mantém os moldes da série - Antevisão

Já experimentámos o novo capitulo da saga.

Quando a Ubisoft anunciou que a saga Assassin's Creed ia ficar a descansar em 2016, isto depois de sucessivos lançamentos anuais, foi a decisão mais acertada. Apesar do sucesso da saga, a saturação e a fadiga já estavam instaladas e, a única solução para salvar a série, era atribuir-lhe umas merecidas férias. Na E3 2017 o descanso acabou oficialmente para Assassin's Creed. Tal como os rumores já apontavam, a Ubisoft está a desenvolver um novo capítulo no Egipto chamado Assassin's Creed: Origins, onde vamos descobrir as origens da irmandade dos assassinos.

Até aqui está tudo bem, afinal, há muito que os fãs andavam a pedir que a série voltasse ao passado e o Egipto era um dos locais favoritos por explorar. Apesar do aspecto promissor, e da qualidade visual que o mundo apresenta, não ficamos completamente convencidos quando tivemos a oportunidade de experimentar uma demonstração na Xbox One X. A demonstração esteve dividida em dois segmentos: em primeiro podíamos experimentar durante 15 minutos o mundo aberto, e no final havia 10 minutos para combater numa arena, que visava destacar o combate.

Na verdade, acabámos por experimentar a demonstração duas vezes, no entanto, da segunda vez decidimos explorar outra quest assinalada no mapa que, além de ser mais longa, nos levava a explorar mais locais do mapa e a mostrar melhor a experiência de Assassin's Creed: Origins. Há que referir que é difícil formar impressões concretas de um jogo desta escala com um primeiro contacto tão limitado, daí a nossa decisão de experimentar a demonstração novamente para formarmos uma melhor impressão deste novo capítulo.

É no deserto que a demonstração começa, em cima de um cavalo. A apresentação é impecável bem como a recriação do antigo Egipto. Desde o deserto tivemos que andar um pouco para encontrarmos uma pequena vila perto do rio. Uma barra situada na parte superior é o nosso indicador para pontos de interesse como missões principais e sidequests e, tal como em Assassin's Creed anteriores, Origins não parece ter falta de actividades para fazer.

Apesar do descanso de dois anos, a fórmula tradicional de Assassin's Creed ainda está presente. Somos um assassino e podemos facilmente trepar a maioria das estruturas do mapa. Desta vez temos ao nosso dispor um arco e flecha bem como uma águia que podemos chamar a qualquer momento para analisar o mapa de um ponto de vista superior e marcar os adversários a guardar uma fortaleza. No fundo, é uma mecânica que já vimos em outros títulos da Ubisoft como Ghost Recon: Wildlands, em que em vez de uma águia temos um drone com a mesma utilidade.

Esta é a maior desilusão neste Assassin's Creed. O novo título não faz nada de surpreendente. Tudo o que vimos até agora já foi implementado em outros jogos do mesmo género, e embora não esteja longe de ser um jogo terrível, esperava-se mais da série, principalmente depois do hiato de dois anos que supostamente serviria para reavalizar a série. Não tenho dúvidas que Assassin's Creed: Origins tem a capacidade para agradar aos fãs da série, já para não falar que a oportunidade de explorar o antigo Egipto é aliciante, contudo, falta-lhe frescura.

No combate a situação é semelhante. Se jogaram For Honor, então certamente já perceberam que o combate de Assassin's Creed: Origins segue os mesmos moldes. É um tipo de combate mais pautado, focado na defesa e ataque nos momentos certos. Não é um combate tão fluído como nos anteriores e com inimigos tão frágeis. A adição de elementos RPG, como um sistema de níveis e de loot de equipamento, dita que terão dificuldade em enfrentar inimigos com um nível superior a vocês.

"Tudo o que vimos até agora já foi implementado em outros jogos do mesmo género"

Há pequenos detalhes que são novidade na série. Em particular, o arco e a flecha podem ser usados para colocar os adversários a arder. Se encontrarem alguma fogueira ou candeeiro, podem aproximar a flecha para incendiá-la e atirá-la contra os adversários. Mais ainda, também podem combater em cima dos cavalos, seja com a espada ou com o arco e flecha. Depois, há outras coisas que não tivemos a oportunidade de observar em detalhe, como a evolução da árvore habilidades, que tem influência no combate, e também o impacto do sistema de loot na progressão.

Apesar de faltar a sensação de frescura, Assassin's Creed: Origins tem charme e ainda preserva a sensação de aventura e exploração da série. É importante referir que esta versão mostrada pela Ubisoft está na fase alpha, portanto, ainda há coisas a melhorar até ao lançamento da versão final, agendada para 27 de Outubro. Um dos produtores assegurou-me que o combate será mais polido e que outros erros serão corrigidos, isto quando lhe perguntei como estava a correr o desenvolvimento. Mesmo assim, apesar de jogar demasiado pelo seguro, não há como negar o bom aspecto do jogo. Para quem gosta de jogos em mundo aberto e com grandes mapas, é promissor.

Salta para os comentários (7)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Minecraft Dungeons review - Diablo cúbico

Um jogo de entrada para o género dos dungeon crawlers.

"O número de AAA gigantescos vai diminuir", afirma Kojima

Acredita que jogos vivos serão mais sustentáveis.

Mais de 10 milhões de pessoas descarregaram as ofertas Play at Home

Uncharted: Nathan Drake Collection e Journey foram oferecidos em Abril pela Sony.

Também no site...

Comentários (7)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários