O novo vídeo de Cyberpunk 2077 está bestial - mas a demo da Gamescom foi melhor

E ainda: o nosso primeiro vislumbre das características ray traced do PC.

Um ano após a estreia de gameplay, a CD Projekt RED mimou os visitantes da Gamescom 2019 com uma nova peça da acção de Cyberpunk 2077, com o Digital Foundry no local para assistir. A falta de material na época impediu-nos de partilhar muitos dos nossos pensamentos, mas a boa notícia é que a CDPR lançou um vídeo de 14 minutos mostrando parte - mas certamente não todo - do conteúdo, após o evento. O que temos aqui continua a impressionar, mas é um pouco surpreendente ver uma apresentação que fica aquém das demos da Gamescom ou da E3 que vimos pessoalmente.

Algumas pessoas queixaram-se da falta de detalhes e definição na mais recente demo, apesar da CDPR fornecer um vídeo codificado em 4K aos servidores do Youtube e parece haver uma explicação para isso: aos nossos olhos e contagem de pixels, as novas imagens estão a correr a uma resolução de 1080p antes de ser escalada para 4K. No entanto, continua ainda a operar a 30 fps.

É um pouco estranho, já que vimos o jogo a correr em tempo real num LED massivo ou ecrã LCD, de forma semelhante à mostra da Gamescom 2018 - que estava a correr a 4K nativos. Apesar de não podermos fazer contagem de pixels com certezas, a nossa mostra estava claramente a correr numa resolução muito mais alta. Curiosamente, a queda na resolução no vídeo tem um grande impacto na qualidade geral da apresentação.

A nitidez e detalhe na arte de Cyberpunk 2077 é um dos melhores recursos do jogo, mas por trás de uma pesada cadência de pós-processamento e anti-aliasing temporal, o feed do vídeo a 1080p não se aproxima da precisão que vimos. Se existe pouco furor em torno do novo vídeo, parte disso deve-se a cortes severos no conteúdo. De forma semelhante à demo do ano passado, os participantes do evento puderam experimentar uma hora do conteúdo - e a mostra de 14 minutos que temos aqui não lhe faz justiça.

John Linneman e Alex Battaglia do DF discutem o novo vídeo de Cyberpunk 2077 e a sua experiência de assistir a toda a demo na Gamescom 2019.

Dito isto, Cyberpunk 2077 possui alguns upgrades visuais face à demo do ano passado, quer estejas a usar uma GPU com ray tracing activado ou não. Por um lado, a qualidade dos reflexos foi vastamente melhorada. O look do jogo não parece conter ray tracing, debruçando-se apenas nos reflexos screen-space - vistos em The Witcher 3 mas que curiosamente foram omitidos da demonstração de Cyberpunk do ano passado, que parecia depender da iluminação directa e mapas de cubos para aproximar o efeito. O SSR na nova demo possui uma boa aparência em poças e metais e parece ser relativamente robusto - o que é um feito e pêras tendo em conta as implementações que temos visto (Resident Evil 2 Remake, por exemplo).

Um segundo tipo de reflexos parece também estar activo - uma técnica renderização-para-textura que obriga a CDPR a re-renderizar a cena de uma outra perspectiva antes de a colocar em superfícies espelhadas. É uma forma pesada e cara de produzir reflexos precisos e, obviamente, não são usados em todas as superfícies reflectoras, mas impressionam onde foram colocados. Foi-nos dito que esta demo está a correr numa RTX 2080 Ti com características do ray tracing activadas - por isso, se os reflexos não forem acelerados pelo hardware, como foi implementado o DXR? A abordagem é reminiscente do trabalho da 4A Games em Metro Exodus, onde o RT é usado para um efeito mais intenso das fontes de luz - algo bom para néon, um componente chave da arte de Cyberpunk.

O que isto significa é que a luz directa e que parte desses focos tem um efeito muito mais preciso sobre a iluminação do mundo do jogo, desde enormes anúncios néon até aos enfeites de LED na gola de V. O próprio céu também é tratado como uma fonte de luz, levando a alguns resultados belos.

Se uma única RTX 2080 Ti é realmente capaz de fornecer recursos visuais a 4K com recursos ray tracing activados a 30 fotogramas por segundo razoavelmente sólidos (notamos algumas quedas menores - mas lembra-te de que estamos longe do lançamento), a perspectiva geral do desempenho de Cyberpunk 2077 é bastante boa. E com isso em mente, esperamos realmente que o estúdio considere adicionar mais efeitos ray traced. Control da Remedy realmente estabeleceu o padrão com a sua abordagem 'por camadas' do suporte ao RT. Todos os recursos estão disponíveis, mas para executá-los a todos é necessário um hardware monstruoso aqui e agora - mas e no futuro? Bem, quanto mais rápido o hardware do PC, mais viáveis esses recursos se tornam. De facto, a CDPR já tem experiência nisso: a Nvidia HairWorks teve um impacto drástico no passado, mas certamente é viável no hardware actual.

De uma forma geral, Cyberpunk 2077 continua tão impressionante hoje quanto na sua estreia, e os seus refinamentos técnicos são obviamente bem-vindos. Mas, por extensão, isto significa que a maior questão de todas permanece sem resposta - quão bem poderá um jogo desta complexidade ser executado nas consolas da geração actual? A demo mais uma vez destaca um imenso nível de escala, detalhe e densidade que associaríamos a um jogo da próxima geração. Num mundo onde The Witcher 3 corre na Switch, tudo é possível; mas independentemente disso, mal podemos esperar para conferirmos o jogo em todos os formatos.

Publicidade

Conteúdos relacionados

Final Fantasy 7 Remake chegará mais cedo às lojas

Actualização: Data em Portugal será respeitada.

Novo wallpaper de Cyberpunk 2077 mostra rixa no metro

Já alteramos o nosso fundo de ecrã.

NieR Replicant ver. 1.22474487139 anunciado

Remaster do original para PC, PS4 e Xbox One.

Final Fantasy 7 Remake já está nas mãos dos jogadores

Apesar da Square Enix ter dito que existiriam problemas de stock.

Também no site...

Comentários (15)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários