Jogo de primeira geração na Xbox 360, Just Cause de 2006 da Avalanche Studios exibiu uma tecnologia de mundo aberto impressionante deitada abaixo por uma jogabilidade repetitiva. Avancem três anos e meio e a sequela está connosco, melhorada em todas as áreas, recheada de "conteúdo" e simplesmente deliciosa de jogar. Além disso, não é mais um exclusivo Xbox 360 nas consolas. Existe uma versão PlayStation 3, completa com as suas próprias funcionalidades únicas.

Na correria antes da GDC tivemos tempo suficiente para um rápido olhar às demos Xbox 360 e PS3, mas um longo, mais aprofundado olhar às versões finais de ambos os jogos revela um leque de diferenças entre as duas versões, que vamos examinar em grande profundidade neste artigo. Antes que nos esqueça, existe também uma versão PC, com a Avalanche disposta a mostrar que estão a levar a plataforma a sério com uma implementação do novo motor de Just Cause que aumenta de forma impressionante, para acomodar equipamentos de nível base para jogos até aos monstruosos multi-GPU i7.

Para começar: é altura de apresentar o habitual leque de comparações. Isso seria uma muito agradável galeria comparativa de formato triplo (com a versão PC naturalmente nas definições máximas), ao lado de uma série de vídeos comparativos. Aqui está o primeiro, apresentando a Xbox 360 contra a PlayStation 3. Ter em conta que podem haver pequenas variações na iluminação e nuvens devido ao sistema de hora do dia que o jogo emprega.

Estes vídeos comparativos raramente nos dão muito na forma de diferenças facilmente notórias, mas desde já podem ver que a versão Xbox 360 do jogo "rasga" enquanto que a versão PS3 não. No entanto, o seu rácio de fotogramas é claramente mais baixo em alguns casos. E o que é aquilo de faltar uma TV numa das sequências cinematográficas? Espero que seja um pequeno erro.

Outras diferenças mais facilmente aparentes levam-nos para a instalação e carregamento. Just Cause 2 na PS3 tem uma instalação obrigatória de 1.1GB no disco, enquanto que a opcional instalação NXe na Xbox 360 pesa uns razoáveis 4.1GB. Por via de comparação, uma instalação Steam completa no PC são uns similarmente ligeiros 4.8GB. Tempos de carregamento na PS3 são claramente mais rápidos do que a versão base Xbox 360 do jogo (não que o carregamento em si seja muito um problema), com a instalação NXE a equilibrar as coisas.

Parece haver pouco em termos de melhorias sobre o surgir inesperado de objectos caso instalem o jogo. O sistema de leitura constante de dados da Avalanche funciona muito bem em ambas as consolas e a única altura em que parece ter qualquer espécie de impacto é nas sequências cinematográficas onde ângulos de câmara dramáticos e cortes rápidos podem mostrar alguma retracção. Nestas situações, a versão base 360 parece mais veloz, mas talvez e nada surpreendente a versão PC ofusque ambas. É uma comparação interessante, mas não muito relevante para a jogabilidade na qual a força do motor está em manter um mundo de jogo coerente com grandes distâncias visíveis: algo que consegue com distinção em todas as versões.

Vamos ao desempenho, e altura para actualizar algumas das observações do nosso rápido olhar à demo. Pouco mudou sobre os nossos pensamentos quanto à versão Xbox 360 do jogo. Continua a parecer praticamente uma montagem base com dois impulsionadores, bloqueada aos 30FPS a tempo inteiro, com o rasgar a ser introduzido quando o rácio de fotogramas baixa. No artigo da demo dissemos que o rácio de fotogramas na versão PlayStation 3 de Just Cause está desbloqueado. Agora não temos tanta certeza pois o desempenho está quase sempre muito perto dos 30FPS, com o estranho "bónus" de um ou dois fotogramas a aumentar a média - quase como se um personalizado sistema de impulsionador de fotogramas estivesse a ser usado.

Aqui está a análise num leque de vídeos retirados das mesmas áreas dentro do jogo. A Xbox 360 corre mais suave mas pode rasgar de forma notável e capaz de distrair, enquanto que a PS3 tem mais problemas de performance mas sem absolutamente nenhum rasgar.

É interessante notar que a versão PS3 chega a perder muitos fotogramas durante as sequências cinematográficas. O porquê de o desempenho ser tão baixo é um mistério - talvez se deva a algum tipo de efeito de iluminação ou textura de pele que se mostre difícil de lidar para o RSX? É importante salientar que as diferenças de desempenho nas sequências cinematográficas não são de forma alguma representativas da experiência de jogabilidade, e isso é claramente óbvio tendo em mente o resto dos vídeos.

Existe também algo estranho sobre o renderizar na PS3 para Just Cause 2 que não conseguimos propriamente desvendar que tem um impacto na qualidade geral da imagem. A versão Xbox 360 tem um efeito de nódoa de movimento baseado na câmara activada por pré-definição, e similarmente à versão PC pode ser desligado no menu de opções. Na PS3 não existe tal opção, sugerindo ausência de nódoa de movimento, mas existe um estranho artefacto no seu lugar que parece estar ligado ao movimento.

Publicidade

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Mais artigos pelo Richard Leadbetter