The Witcher 3 na Switch comparado com a PlayStation 4

Ciriamente promissor.

The Witcher 3 foi confirmado oficialmente para a Nintendo Switch e promete ser um dos mais desafiantes ports para a híbrida consola da Nintendo. A conversão está a cargo da Saber Interactive, conhecida pelo seu trabalho em Halo e Halo 2 Anniversary Editions, colaborando com a CD Projekt RED, enquanto a casa mãe se concentra em Cyberpunk 2077. Mas o quão bem poderá correr um dos mais exigentes jogos da geração num processador Tegra X1 da Switch? O que foi revelado no início da semana é fascinante.

Serão precisos muitos ajustes inteligentes para transitar um jogo desta magnitude para a híbrida da Nintendo - a começar pela resolução. A CDPR confirmou desde logo que o jogo vai operar a 720p dinâmica na dock e a 540p em modo portátil. Ao analisar o pequeno vídeo vemos 1280x720 como máximo e 896x504 como mínimo. O mais surpreendente é que 720p nativa parece ser o resultado mais comum.

Em termos do quão aproximados estão os visuais em relação a outras consolas, capturei a versão PS4 Pro para as comprar, mas as conclusões serão ainda limitadas e preliminares. Apenas temos 30 segundos de gameplay in-engine e algumas PNGs de alta qualidade. Apesar de vermos o modo dock, não é preciso dizer que fica aquém da versão PS4, que corre a 1080p nativa.

Primeiro olhar a The Witcher 3 na Switch e um olhar inicial a Panzer Dragoon!

Tendo em conta a complexidade do jogo e o hardware da Switch centrado no mobile, as primeiras impressões sugerem um feito impressionante. O único problema é a qualidade do anti-aliasing, claramente em low. Jogar em modo portátil poderá ser a melhor forma de avaliar as forças da versão Switch - apesar da queda na resolução, o ecrã mais pequeno geralmente mitiga as reduções na fidelidade.

As quedas nas definições são evidentes: a distância de visão para vegetação e personagens foram reduzidas e o ambiente está menos preenchido. Comparando uma das imagens da CDPR em Toussaint com a versão PS4 revela transparências de baixa qualidade na relva e menor densidade. O detalhe do mundo está mais perto das definições low do PC, enquanto a qualidade das texturas também foi significativamente reduzida - como esperarias tendo em conta que os programadores apenas têm 3.5GB de RAM para usar na Switch. O detalhe nas texturas no chão também foi reduzido, possivelmente um facto de filtro anisotrópico reduzido e menos amostras, devido ao menor número de pixeis.

Por fim, a resolução das sombras e SSAO também sofreram cortes. Resumindo, a versão Switch tem um aspecto mais leve e parece que a oclusão ambiental - a sombra entre objectos - foi removida completamente ou está limitada, o que faz sentido.

SwitchPlayStation 4
The Witcher 3 na Switch sofreu cortes em áreas importantes, especialmente na densidade da vegetação. O jogo correrá ainda a 720p dinâmica, enquanto na PS4 corre a 1080p.
SwitchPlayStation 4
O mapeamento de texturas corre numa definição inferior, repara na roupa de baixa resolução no corpo no centro.
SwitchPlayStation 4
Agora tens uma imagem da expansão Blood and Wine na Switch. Mais uma vez, temos folhagem e detalhe nas sombras removidos da cena.
SwitchPlayStation 4
As mudanças na iluminação também são evidentes, mas a geometria da banheira é similar à da PS4.

Crucialmente, o detalhe principal - a base do mundo - está presente. É um milagre, tendo em conta que o jogo final ocupará perto de 32GB de armazenamento. A versão PS4 ocupa mais de 60GB, o que demonstra a escala do desafio que a Saber enfrenta. Mesmo os prometidos 32GB vão além do habitual tamanho dos cartuchos dos jogos Switch; poderá instalar o jogo no cartão e exigir um download extra, para as expansões, mas ainda não sabemos. A escala do projecto ultrapassa tudo o que vimos na Switch, até à data.

Cada corte e mudança são necessárias para a performance. Será fascinante ver como a Saber vai equilibrar rácio de fotogramas e qualidade visual. O trailer corre a 30fps, presumivelmente o alvo para o jogo. O vídeo não é bom para falar de performance em termos de tempo de fotogramas, mas toda a sequência corre com apenas pequenas variações.

É entusiasmante o quão desafiante este port para a Switch é: os requisitos CPU e largura de banda da memória puxam pelas consolas de actual geração e ao contrário dos ports de Doom e Wolfenstein, a Saber Interactive não pode baixar o rácio de fotogramas de 60fps para 30fps. Terá de o correr com a mesma performance da PS4 e Xbox One. O RED Engine também é exigente para a GPU; temos alguma ideia dos cortes, mas até onde terá a Saber de ir em algumas áreas, como Novigrad e Crookback Bog, para permanecerem operacionais na Switch? Junta tudo isto à necessidade de reduzir o tamanho do jogo para metade e tens uma das mais ambiciosas conversões da geração.

Publicidade

Salta para os comentários (22)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Final Fantasy 7 Remake já está nas mãos dos jogadores

Apesar da Square Enix ter dito que existiriam problemas de stock.

Não esperes novidades de GTA 6 tão cedo

Um rumor afirmava que o jogo seria anunciado esta semana.

Jogos do PS Plus de Abril revelados mais cedo

Dois jogos excelentes de géneros diferentes.

Passatempo Predator: Hunting Grounds - Aqui estão os vencedores!

Vão receber códigos de 12 meses do PS Plus.

Também no site...

Comentários (22)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários