Death Stranding: Director's Cut - uma experiência PS5 maravilhosamente concebida

Uma actualização que vale bem o dinheiro.

Um dos jogos mais originais da anterior geração, o foco de Death Standing em travessias e entregas em detrimento de combate foi uma alternativa bem-vinda ao conceito de mundo aberto - e foi também um dos jogos mais bonitos na PlayStation 4. Portanto, para onde é que a Kojima Productions se dirigiu nesta inevitável atualização para a PS5? A resposta é o Director's Cut, que oferece uma gama de opções, melhorias e conteúdo adicional. Fica descansado, neste caso, o valor de £5/$10 que pagas por esta atualização é bem valorizado.

Claro que esta não é a primeira vez que Hideo Kojima revisita os seus jogos - lançamentos que remontam a Snatcher, Policenauts e os três primeiros jogos Metal Gear Solid, todos receberam relançamentos semelhantes no passado. Death Stranding: Director's Cut é essencialmente Death Stranding: Subsistence ou Substance, se preferires. Novos elementos como o campo de tiro, por exemplo, oferecem muito mais do que aquilo que o nome sugere - isto é efetivamente equivalente às missões VR daqueles três primeiros relançamentos Metal Gear Solid. Há também novas sequências narrativas e áreas a explorar, juntamente com uma renovação subtil para o próprio mundo aberto.

No entanto, em termos de aproveitamento da potência da PS5, estão disponíveis várias opções. Estão disponíveis modos de qualidade e desempenho - ambos visando 60fps - enquanto ambas as opções podem também ser emparelhadas com uma apresentação de 21:9 ultra panorâmico. Por defeito, o jogo inicia no modo desempenho em formato 16:9, o qual corre com uma resolução de 1800p, com upscale para 2160p. Em termos de qualidade de imagem, parece comparável ao modo de renderização checkerboard da PS4 Pro - mais nítido em algumas áreas, mais suave em outras, mas semelhante. Obviamente, a principal melhoria é a taxa de fotogramas, que é agora de 60fps, e no modo de desempenho está inteiramente bloqueado pela minha experiência. O modo de qualidade também está disponível, elevando a resolução para 2160p - pelo que é de facto muito nítida - mas há uma penalização de desempenho. Ambos exibem uma ligeira suavidade sugerindo algum tipo de reconstrução (embora seja difícil de dizer), mas difere das características de renderização checkerboard utilizadas na PlayStation 4 Pro. Nas cinemáticas e combate é possível observar a queda da taxa de fotogramas dos 60fps, na sua maioria para os 50s, mas também para os 40s mais altos. Consideraria isto uma excelente opção para suporte de visualização de taxa de atualização variável, se e quando esta função chegar à PlayStation 5.

O vídeo explicativo da Digital Foundry de Death Stranding: Director's Cut para a PlayStation 5.

Finalmente, há o modo ultra panorâmico que se revela mais interessante do que o esperado. Basicamente, o jogo utiliza barras pretas na parte superior e inferior do ecrã enquanto expande o campo de visão dentro da área visível. A resolução efetiva ao usar este modo é de cerca de 3840x1643 (se cortar as barras pretas) - isto é quando se usa o modo de qualidade em conjunto com o ultra panorâmico. Parece corresponder à experiência ultra panorâmica da versão PC mas, obviamente, não há forma de produzir resoluções ultra largas numa PS5, pelo que terás essas barras pretas no topo e na base. Quando se utiliza um ecrã OLED, no entanto, não é grande coisa, pois estas áreas parecem completamente pretas e o FOV extra é bastante bem-vindo. Felizmente, podes experimentar estes modos enquanto jogas - é possível alterá-los a partir do menu de opções em qualquer altura. Para além dos casos mais extremos (ver o vídeo para um exemplo), o ultra panorâmico em modo de qualidade funciona a 60fps, pelo que na minha experiência não há qualquer necessidade de voltar ao modo de desempenho.

As diferenças gráficas nos modos para além da resolução e os formatos de visualização são essencialmente inexistentes, é o mesmo jogo - mas ainda é melhorado em relação à PS4 e à PS4 Pro. Em primeiro lugar, a distância LOD parece ligeiramente melhorada e há detalhes mais distantes visíveis, mas o processo de produzir comparações lado a lado também realça como os criadores ajustaram o design do mundo aberto, talvez para racionalizar a importante experiência de travessia. O meu palpite é que a Kojima Productions tem algum tipo de telemetria nas rotas utilizadas pelos jogadores e talvez tenha optado por afinar o mapa com base nestes dados, ou talvez os artistas quisessem simplesmente retocar o desenho do mapa. Seja como for, é a maior diferença que encontramos. A água também parece ter sido ligeiramente refinada na PlayStation 5.

As comparações com o PC são interessantes: a versão para PC tem algumas opções adicionais não disponíveis na consola, tais como uma excelente implementação DLSS que produz detalhes sub-pixel cristalinos em elementos como a folhagem, bem como algumas opções LOD mais elevadas, mas o que eu quero realmente notar é o cuidado e a qualidade que Kojima Productions tem aplicado em cada lançamento. Essencialmente, ao contrário da Horizon: Zero Dawn, Death Stranding teve um lançamento fenomenal no PC com muitas opções, grande desempenho e sólido suporte para a plataforma. O facto de terem feito mais uma versão personalizada do jogo com ainda mais funcionalidades diz muito sobre o cuidado que investiram no projeto - há uma abordagem à medida de cada plataforma e eu realmente respeito isso.

Modo Qualidade PS5Modo Desempenho PS5Modo Qualidade PC DLSSPS4 Pro
Neste conjunto de imagens de comparação, ambos os modos de qualidade PS5 são comparados com o PC no seu melhor e com a PS4 Pro.
Modo Qualidade PS5Modo Desempenho PS5Modo Qualidade PC DLSSPS4 Pro
Neste conjunto de imagens de comparação, ambos os modos de qualidade PS5 são comparados com o PC no seu melhor e com a PS4 Pro.
Modo Qualidade PS5Modo Desempenho PS5Modo Qualidade PC DLSSPS4 Pro
Neste conjunto de imagens de comparação, ambos os modos de qualidade PS5 são comparados com o PC no seu melhor e com a PS4 Pro.
Modo Qualidade PS5Modo Desempenho PS5Modo Qualidade PC DLSSPS4 Pro
Neste conjunto de imagens de comparação, ambos os modos de qualidade PS5 são comparados com o PC no seu melhor e com a PS4 Pro.

Isso estende-se ao suporte do comando. Como um jogo PS5, Death Stranding inclui suporte para o DualSense e as suas características estão entre as minhas preferidas, até ao momento. Em primeiro lugar, a tensão do gatilho torna-se mais ou menos difícil de puxar, dependendo do tamanho da sua carga e de outros fatores. Coloca uma enorme quantidade de coisas nas tuas costas e é necessário mais esforço para estabilizar Sam - mas utiliza um exo-esqueleto que reduz a tensão. As hápticas são também excelentes para espelhar a sensação do terreno, as condições meteorológicas e as cinemáticas. A sensação é fantástica e está entre os melhores jogos da plataforma a este respeito. Mas o comando não é a sua única opção. Death Stranding também suporta o rato e o teclado, tal como a versão PC. Tens acesso total à interface e aos controlos do PC e o jogo pode ser facilmente trocado entre eles. Podes até combinar controlos DualSense com a entrada do rato, se assim o desejares. Tal precisão não é super necessária para um jogo como este, mas é fantástico ver tais opções no jogo.

Há, no entanto, um aspecto do jogo que considero merecer algumas críticas e que é a opção da transferência dos dado guardados. Muitos jogos fizeram progressos a este respeito, como o Ghost of Tsushima, onde foi super rápido e fácil, mas Death Stranding é um passo atrás. Em primeiro lugar, é necessário carregar a versão PS4 do jogo utilizando a gravação que se pretende transferir. Em seguida, deves permanecer num terminal de entrega, trazer o menu para cima e selecionar a opção de exportação. Contudo, é crucial que, se tiveres alguma encomenda em aberto, não o podes fazer. Podes, claro, cancelar a maioria das encomendas mas não podes retirá-las todas - no meu caso tinha a construção de uma estrada pendente que ainda não tinha terminado, apesar de ter chegado ao fim do jogo. Assim, para completar a exportação, teria de investir tempo na PS4 para terminar esta tarefa antes de poder exportar, o que pode levar algum tempo. A questão é - dependendo do estado dos teus ficheiros de gravação, podes precisar de jogar a versão PS4 durante algum tempo antes mesmo de poderes exportar a tua gravação para utilizar na PS5. Tem isto em mente se estiveres a planear transportar a tua gravação, porque pode ser frustrante.

Além disso, Death Stranding continua a ser um jogo brilhante e a versão PS5 é, de uma maneira geral, excelente. Os visuais e o desempenho são ambos melhorados em relação à PS4, as novas opções e conteúdos são bem-vindos e o próprio jogo continua a ser apelativo. Na minha cobertura original, notei que Death Stranding tenta resolver questões fundamentais com o design de jogo de mundo aberto e mantenho isso hoje. Basicamente, cria a jogabilidade a partir de travessias - o espaço entre pontos de passagem torna-se desafiante e interessante de uma forma que normalmente não é nos jogos do mundo aberto e eu aprecio isso. Death Stranding não é perfeito e nem todas as ideias chegam na perfeição, mas é uma produção fascinante e recomendo vivamente que seja verificada.

Salta para os comentários (5)

Sobre o Autor

John Linneman

John Linneman

Senior Staff Writer, Digital Foundry  |  dark1x

An American living in Germany, John has been gaming and collecting games since the late 80s. His keen eye for and obsession with high frame-rates have earned him the nickname "The Human FRAPS" in some circles. He’s also responsible for the creation of DF Retro.

Conteúdos relacionados

Metroid Dread terminado em menos de 90 minutos

Corre a toda a velocidade Samus.

Os 10 melhores jogos da PS5, segundo o Metacritic

Em primeiro lugar não está um exclusivo.

Guardians of the Galaxy review - diversão limitada

Ação e aventura que entretém, mas com problemas à mistura.

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários