Wolfenstein 2 tem um dos melhores níveis num FPS - Antevisão

Simulador de cadeira de rodas.

A conferência E3 2017 da Bethesda não foi muito longa, mas pelo menos, deu-nos Wolfenstein 2: The New Colossus. A Bethesda tem feito um excelente trabalho em adaptar os clássicos da id Software para a modernidade. A caminhada começou com Wolfenstein: The New Order, um jogo que quando foi lançado em Maio de 2014 o descrevemos como "um diamante em bruto que prova que o universo de Wolfenstein pode ser prolífero". Depois, no ano passado, observamos o renascimento de DOOM, que conseguiu vincar com a sua jogabilidade fluída e frenética, e eis que agora surgiu a continuação de Wolfenstein.

O trailer de revelação foi longo e estranho, mas depois de experimentar o primeiro nível na versão PC, posso dizer que fiquei convencido e com vontade de jogar a sequela. O nível que tive a oportunidade de jogar, que parece ser o nível de abertura, é um dos melhores, e um dos mais criativos que já vi num jogo de tiros na primeira pessoa. Mas antes de mais, se não conheces Wolfenstein, trata-se de um jogo que decorre numa realidade alternativa em que os nazis levaram a melhor na Segunda Guerra Mundial e eventualmente conseguiram dominar o globo graças ao seu poderio militar, subjugando todas as outras nações.

Com Wolfenstein: The New Order ficamos a conhecer BJ Blazkowicz (ou Terror-Billy), um membro da resistência. A história de Wolfenstein 2 é uma continuação directa do anterior, e se não jogaste o primeiro, poderás ficar um pouco à nora. O nível abre com um assalto de Frau Engel ao zeppelin onde BJ Blazkowicz está a recuperar dos seus ferimentos. Apesar dos acontecimentos no jogo anterior, os Nazis continuaram a dominar o globo e a odiável Frau Engel, uma das personagens que está de volta, está em caça aberta a BJ Blazkowicz. Cheio de ligaduras e de dores, neste primeiro nível o protagonista terá que rivalizar com o McGiver e escapar aos nazis com muito pouco.

Normalmente, os jogos de tiros colocam-nos numa posição de poder. Temos uma espingarda automática nas mãos, granadas e os adversários não passam de carne para canhão. No entanto, Wolfenstein 2 descarta essa norma. BJ Blazkowicz nem se consegue por de pé, mas não está pronto para desistir imediatamente e recorre a uma cadeira de rodas para se deslocar. É nos pequenos pormenores que Wolfenstein 2 se destaca. Como seria de esperar de alguém que está aleijado, BJ Blazkowicz não consegue controlar bem a cadeira de rodas. Andar para a frente (ou recuar)e rodar a cadeira para os lados são acções lentas.

"Wolfenstein 2 parece bastante polido e estável, o que é um bom sinal"

Com movimentos limitados, sem podermos correr ou saltar, temos que progredir a não morrer num nível com um soldado nazi em cada esquina. Ainda por cima, a nossa vida está constantemente a descer, aumentando o pânico e sensação de estarmos indefesos, e a munição não é abundante. Andar numa cadeira de rodas a matar nazis com uma pistolinha parece quase uma cena de um filme da série B, mas confesso que adorei. Em parte é por causa da jogabilidade fantástica. A sensação que as armas dão é positiva, e apesar de não passar de uma demonstração, Wolfenstein 2 parece bastante polido e estável, o que é um bom sinal.

Frau Engel
Frau Engel é excelente para o papel de vilão. Ficarão a odiá-la em apenas alguns segundos.

Por outro lado, a história amarra-nos logo à cadeira. É uma daquelas histórias às quais não ficamos indiferentes. É impossível não odiar os nazis dada a forma como estão representados no jogo, e com BJ Blazkowicz extremamente incapacitado, mas ainda assim disposto a lutar para salvar a sua mulher que está grávida, não conseguimos deixar de sentir compaixão. Ficamos imediatamente do lado dos heróis, principalmente porque Frau Engel é uma personagem extremamente fácil de odiar. Há que dar mérito pela sua brilhante caracterização e pela actriz que lhe empresta a voz (Nina Franoszek).

De cada vez que Frau Engel aparece, só nos apetece entrar dentro do mundo do jogo e dar-lhe um par de estalos! Desta vez esta mulher malvada vem acompanhada da sua filha. Seria de esperar que fosse outro diabinho, mas a filha de Frau Engel é o contraste da mãe. Ligeiramente obesa e com um tom dócil, tenta convencer a sua mãe a não ser cruel, o que obviamente dá para o torto. Frau Engel goza com o peso da sua própria filha e no final obriga-a pegar num machado e a apontá-lo ao pescoço de uma das personagens. Não sabemos como acaba esta situação intensa, mas uma coisa é certa, este nível deixou-nos com vontade de jogar mais e de saber o que acontece a seguir

Esta curta, mas intensa e gratificante, experiência com Wolfenstein 2: The New Colossus convenceu-nos que esta sequela merece existir e é digna da tua atenção. Surpreendentemente, o lançamento já está marcado para 27 de Outubro. Ficamos à espera para continuar a acompanhar a história de BJ Blazkowicz e para colocar um fim no império dos nazis.

Publicidade

Salta para os comentários (32)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Metro Exodus - Quais as melhores armas do jogo?

Explicamos-te ainda como personalizar e limpar as tuas armas.

Metro Exodus - Todas as localizações dos Postais

Descobre a localização dos 21 postais em Metro Exodus.

Metro Exodus - Onde procurar todos os Diários

Onde encontrar as 71 páginas de Diário em Metro Exodus.

Comentários (32)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários