Sou um confesso fã de consolas, dos seus jogos e de toda a cultura que as rodeia. Dos PCs...nem por isso. Durante anos dei-lhes uma oportunidade mas instalações, configurações, drivers, conexões, updates de hardware e "requisitos mínimos" deixavam-me os nervos à flor da pele. Detesto jogar no PC, não só por estas razões mas também porque, verdade seja dita, as minhas séries e géneros favoritos só se encontram nas consolas.

No entanto, gosto sempre de conhecer a outra face da moeda e encontrei quem ame o jogo no PC. Talvez demasiado. Dá pelo nome de pedro19, é português, e encabeça um movimento global, criado no reddit, familiar a muitos dos nossos leitores: a "gloriosa" PC Master Race.

São muitos os preconceitos ligados a este movimento por isso decidi tirar a limpo do que se trata realmente.

ATENÇÃO: Procedam com cautela, especialmente se, como eu, forem fãs de consolas.

a
Porquê tanta comparação com as consolas? Há aí alguma coisa reprimida?

Eurogamer:

Vocês são uma comunidade dedicada a vangloriar o jogo no PC. De onde veio essa ideia?

Pedro19: A expressão "PC Master Race" é da autoria do Yatzee, reviewer do The Escapist. Usou-a de forma irónica e até vexatória para se referir à "comunidade PC", no estilo cómico que o caracteriza. Em Abril de 2011 peguei nela e alterei-lhe o significado original, criando um subreddit sério dedicado à glória que é jogar (e não só) no PC. Já existia um sentimento colectivo entre a comunidade PC de que deveria lutar contra as diversas desvantagens e mentiras espalhadas e aceites sem questão por grande parte dos gamers de consolas (e pelos interesses que esse mercado serve), bem como a glorificação das vantagens do PC, mas foi connosco que realmente se pôde organizar.

"A expressão "PC Master Race" é da autoria do Yatzee, reviewer do The Escapist"

Eurogamer:

Estavas à espera que o movimento que criaste se tornasse tão grande?

Pedro19: Atualmente, temos mais de 25 milhões de hits por mês e quase 250.000 membros. O nosso curador do Steam é o 8.º mais popular em todos o mundo, num total de mais de 13.000 curadores. Penso que este crescimento se deveu à nossa acção ao espalhar informação factualmente correcta sobre o PC e consolas. Muitas pessoas "converteram-se" devido a isso.

Eurogamer:

Converteram-se? Como numa religião?

Pedro19: Coloco "converteram-se" entre aspas porque na prática pertencer à PC Master Race é o contrário disso. Não temos dogmas e escolhemos com base na informação. Temos alguns temas recorrentes mais na brincadeira ou circlejerk, como a referência ao Gabe Newell (que tratamos carinhosamente por GabeN), mas somos um grupo sério dedicado às claras vantagens que o PC tem sobre dispositivos de jogo e trabalho inferiores, cuja única e discutível vantagem é uma restrição artificial estabelecida com o intuito de espremer o dinheiro dos jogadores.

b
Não são uma religião mas se fossem, Gabe Newell seria o deus dos saldos.

Eurogamer:

Onde vês a comunidade PC Master Race a expandir-se nos próximos anos?

Pedro19: Queremos aumentar e melhorar a comunidade. Em breve contamos lançar um canal no YouTube, melhorar o nosso grupo no Steam e dinamizar o curador. Temos algumas equipas paralelas que ajudam os utilizadores a escolher PCs e partes para os mesmos e outras que organizam informação na wiki do nosso subreddit, uma das mais visitadas em todo o site. Acabámos de lançar também a nossa primeira t-shirt oficial e contamos lançar outros produtos.

Eurogamer:

Existem mais portugueses ativos na comunidade ou achas que o PC é uma plataforma com pouca expressão no nosso país?

Pedro19: Já me deparei com alguns portugueses que vou reconhecendo pelos usernames, mais ou menos óbvios. Costumam ficar agradavelmente supreendidos quando descobrem que sou um conterrâneo. A maior parte da comunidade é dos Estados Unidos mas temos também uma forte representação de utilizadores da Europa central, Escandinávia e ilhas britânicas. A plataforma PC no nosso país sempre foi forte mas é capaz de ter perdido alguma força nos últimos anos.

"A plataforma PC no nosso país sempre foi forte mas é capaz de ter perdido alguma força nos últimos anos."

Eurogamer:

Muitos membros da PC Master Race são acusados de arrogância, elitismo e perseguição aos jogadores de consolas. Não tens medo que a comunidade fique mal vista?

Pedro19: A maioria das pessoas que não gostam de nós não se deram ao trabalho de ver realmente o que somos. Organizamos com frequência acções de apoio a caridades e à luta contra o cancro (em Novembro vamos participar na caminhada de apoio ao Hospital Oncológico Infantil de St. Jude). Não discriminamos com base em specs, idade, género, raça, ou sexualidade. Em teoria, nem sequer é necessário possuir um PC para pertencer à PC Master Race; basta reconhecer que o PC é objectivamente superior às consolas de todas as formas possíveis.

Eurogamer:

Mas não notas uma certa arrogância nessa declaração?

Pedro19: Não, porque é a verdade objetiva e a nossa comunidade está pronta para ajudar os jogadores de consola a escolherem melhor. As acusações de elitismo ou arrogância não passam de uma interpretação incorreta das características de "circlejerk" de que falei, como a referência aos jogadores de consola como "camponeses sujos", quando tal é apenas uma brincadeira (ou uma metáfora, admita-se). Além disso, é normal que uma pessoa que possa factualmente corroborar as vantagens do seu sistema seja mal visto por quem, por culpa própria ou não, está preso a um sistema que lhe dá uma experiência inferior e mais cara a curto prazo, como é o caso dos jogadores de consolas. Quando as pessoas se apercebem do erro que cometeram, preferem acusar quem tenta informá-los em vez daqueles que os enganaram em primeiro lugar com mentiras como "30 fps por segundo é melhor do que 60! É mais cinemático!" ou "pagar mensalidade para jogar online é bom! Toma lá dois jogos que não escolheste!". A chave da paz é o conhecimento e a nossa missão passa por divulgar as inegáveis vantagens do PC. Se alguém foi insultado ou perseguido por jogar numa consola, peço desculpa por isso.

f
- Arrogância? Nah, nem um pouquinho... (imagem criada por Saejinoh).

Eurogamer:

Desculpas aceites. Fala-nos mais dessas inegáveis vantagens do PC que mencionaste.

Pedro19: Podia ficar aqui o dia todo a falar disso. À excepção das limitações artificiais (leia-se, jogos exclusivos que correriam melhor em PCs e que, aliás, foram feitos em PCs) não há nada que uma consola consiga fazer que um PC não faça melhor. Um PC até se pode clonar a si próprio, usando outro monitor e fazendo tudo duas vezes. Funciona com qualquer TV ou monitor, funciona com qualquer comando, tem serviços online totalmente gratuitos, maiores e melhores. Pode ser usado para trabalho, educação e entretenimento. Tem jogos muito mais baratos e que podem ser melhorados e modificados. Tem MUITO mais jogos disponíveis (5000 deles exclusivos e com a lista sempre a crescer), milhares de jogos gratuitos e pode emular a maior parte dos outros sistemas criados, incluindo consolas. É mais fácil de reparar, é modular, compatível com praticamente tudo, pode ser actualizado e tem uma relação preço-qualidade superior às consolas. O frame rate e a resolução são superiores (uma placa gráfica decente atinge facilmente os 60fps e 1080p enquanto nas consolas da “nova” geração isso é uma miragem).

c
Com jogos com este aspecto, será que os jogadores de consolas se importam assim tanto com os 1080p?

Eurogamer:

Falas numa melhor relação qualidade-preço mas esse nível de fidelidade gráfica não exige um considerável e regular investimento financeiro? Com uma consola ficas mais de meia década sem te preocupares com isso.

Pedro19: Se as consolas actuais já foram lançadas com hardware ultrapassado, daqui a meia década as diferenças vão ser ridículas. Se o objectivo for uma fidelidade gráfica apenas um pouco superior às consolas, não é preciso gastar muito. Mesmo que o objectivo seja uma máquina de jogos poderosa, a curto prazo fica mais barato. Basta ver os obscenos preços dos jogos para consolas e os equivalentes no PC. Não raras vezes, os descontos chegam a 75% ou mais em jogos recentes! Nas consolas isso é motivo de notícia e espanto, como aconteceu recentemente com o GTA San Andreas HD na Xbox 360, um jogo com 10 anos.

"Se o objectivo for uma fidelidade gráfica apenas um pouco superior às consolas, não é preciso gastar muito. Mesmo que o objectivo seja uma máquina de jogos poderosa, a curto prazo fica mais barato."

Muitos pensam erradamente que é necessário gastar €1.000 ou mais num PC capaz de fazer tudo o que referi mas isso é um erro. Já não vivemos nos anos 90 e o hardware hoje em dia é mais barato do que alguma vez foi. Não é difícil fazer um PC que ultrapasse a performance de qualquer das novas consolas pelo mesmo preço ou pouco superior porque as consolas não passam de PCs antigos com sistemas operativos restritivos. Aliando isso ao facto de ser uma máquina capaz de fornecer uma experiência superior a todos os níveis, não sobram grandes razões para não se optar pelo PC. Grande parte da população tem um PC, por isso porque não investir uns trocados e transformá-lo numa máquina que seja várias vezes superior a qualquer consola? Só isso torna a poupança real e imediata.

Eurogamer:

E a acessibilidade? Configurar um PC não é tão fácil quanto ligar uma consola à tv...

Pedro19: Conduzir um WRC não é tão fácil quanto guiar uma Ape 50.

Eurogamer:

Ahem...ok? E o factor social? Não conta? Não é exactamente num PC que as pessoas pensam quando querem jogar em casa com os amigos ou a família.

Pedro19: Talvez não seja mas o PC é a definição de "social". Online gratuito, mais jogadores por servidor, compatibilidade entre diferentes gerações de hardware e software e LAN-Parties. Quanto ao chamado "jogo de sofá", com party games e afins, o PC também o faz e melhor. Basta ligar um cabo HDMI ao televisor. Até se pode usar um comando da PS4, um da Xbox One e um da Wii U. Toda a família pode divertir-se.

Claro que não temos nada contra quem chegue a casa e jogue Mario Kart na Wii U com uns amigos depois de uma jantarada. É divertido. Mas quando é para jogar a sério e usufruir do melhor que a tecnologia tem para oferecer, a escolha não pode ser outra que não o PC.

e
Ok, o PC é uma plataforma social.

Eurogamer:

Que exclusivos do PC são capazes de converter o maior dos fanboys das consolas?

Pedro19: Jogar jogos de consola em emuladores com resolução e definição gráfica muito superior ao hardware nativo e com qualquer tipo de comando conta? E pegar num jogo e altera-lo de tal forma com mods que se torna um jogo diferente, também conta? Que tal DOTA 2 ou League of Legends? Talvez Starcraft 2, se gostarem de estratégia em tempo real, um género praticamente exclusivo dos PCs. Se preferirem a estratégia por turnos, que tal um Europa Universalis IV ou Civilization V? As séries Arma e Total War? Centenas de tipos de simuladores ? MMOs? Team Fortress 2 (sei que tecnicamente não é exclusivo mas não é sequer o mesmo jogo que nas consolas)? E que tal jogar um FPS com rato? Joga-lo de outra forma é ridículo. Não faltam escolhas (cerca de 5000 exclusivos, como já referi).

Eurogamer:

: De facto, o RTS sempre foi um género quase exclusivo do PC mas o mesmo pode ser dito sobre JRPGs, jogos de plataformas, de música ou simuladores automóveis em relação às consolas. Não acreditas que cada plataforma tem as suas forças?

Pedro19: Não faltam jogos desses géneros e se não existem mais é por escolha das editoras, já que todos os jogos são feitos em PC. Um RTS é "exclusivo" PC porque é impossível jogá-lo com os comandos das consolas. A ideia de "exclusivos" não nos agrada especialmente. Por nós, os jogos sairiam em todos os sistemas, plenamente adequados às suas capacidades. Claro que, nesse caso, muitos não poderiam ser jogados em consolas devido às suas limitações. Um bom exclusivo de uma consola é como um Ferrari que só pode ser conduzido num pântano.

d
Halo Wars é um dos raros casos de RTS numa consola.

Eurogamer:

O que achas das consolas da nova geração (Wii U, PlayStation 4 e Xbox One)?

Pedro19: Acho que foram a machadada final na triste realidade que é o hardware das consolas. Tornaram-se realmente PCs ultrapassados (e com o passar do tempo mais estarão) com um sistema operativo limitado que junta as habituais queixas que os utilizadores têm dos PCs sem trazer praticamente nenhuma das vantagem deles.

"Um bom exclusivo de uma consola é como um Ferrari que só pode ser conduzido num pântano."

Eurogamer:

Comprarias uma?

Pedro19: Não vejo razões para isso.

Eurogamer:

E se o Half-Life 3 fosse anunciado como um exclusivo para consolas?

Pedro19: Isso roça o impossível mas a situação não se alteraria. Um ou outro jogo bom não é razão lógica o suficiente para comprar um sistema desses, especialmente sendo os PCs totalmente retrocompatíveis e continuando os jogos bons a poderem ser jogados nele. Podes jogar Monkey Island, Diablo 1 ou Baldur's Gate num PC de 2014. Quando compras uma consola, e com raras excepções, estás a deixar de poder jogar os bons jogos das consolas antigas, a não ser que tenhas a casa cheia de consolas ou, claro, as emules num PC.

Eurogamer:

Não existe nenhum exclusivo para consolas que gostasses de jogar?

Pedro19: Existia, mas estou actualmente a jogá-lo num emulador enquanto respondo às tuas perguntas e faço streaming a 1080p no meu 2.º monitor. Ao mesmo tempo, estou a descarregar alguns DLCs grátis para os jogos da minha biblioteca do Steam e que nas consolas não existem ou custam €9.99.

Eurogamer:

Qual a tua consola favorita de todos os tempos, mesmo que a jogues em emuladores?

Pedro19: Nenhuma em especial, mas a Nintendo 64 tem alguns títulos divertidos e podia cair de um 3.º andar que ainda funcionava.

Eurogamer:

Durabilidade à parte, houve algum jogo na consola que te tenha marcado?

Pedro19: Marcado especialmente não, mas o Mario 64 é um ótimo jogo.

g
Ufa, safaste-te!

Eurogamer:

Para terminar, devo dizer-te que a comunidade Eurogamer é maioritariamente composta por jogadores de consolas. Que mensagem lhes queres deixar para ponderarem aderir ao PC?

Pedro19: Visitem a nossa comunidade e coloquem as vossas dúvidas. Estamos prontos a ajudar-vos e a trocar opiniões convosco. Venham ver como podem usufruir da tecnologia actual a preços bem inferiores daquilo que julgam. Não estamos aqui para vos obrigar a deitar as vossas consolas ao lixo mas para tentar dar-vos acesso à informação que merecem sobre a forma como a indústria limita o avanço da tecnologia que nos beneficia a todos.

Publicidade

Sobre o Autor

Joel Monteiro

Joel Monteiro

Colaborador

Amante de design de videojogos nos poucos tempos livres. Escreve quinzenalmente na Eurogamer Portugal sobre a indústria e criatividade.

Mais artigos pelo Joel Monteiro

Comentários (125)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Últimas

Publicidade