Frente-a-frente: BioShock 2

Capturar Rapture.

Lançado um ano após a versão Xbox 360, privado de algum do seu esplendor visual, afectado por um blur feio, e apresentando DLC exclusivo pelo qual tinhas que pagar mesmo apesar da longa espera, é justo dizer que os jogadores PlayStation 3 não tiveram muita sorte nas mãos da 2K Games no que ao lançamento tardio do Bioshock original diz respeito.

Todo o conteúdo do jogo estava lá, e suficiente do DNA cru de Bioshock estava lá para o tornar numa experiência que valia a pena por si só, mas comparada com a versão Xbox 360 original do jogo, foi uma desilusão. Desta vez, a 2K fez esforços para acertar. Não existe um atraso de um ano entre versões, e nas primeiras impressões, parece que a equipa de desenvolvimento esteve bem em replicar o aspecto do jogo em ambas as plataformas.

Por isso vamos começar por vos guiar para uma Galeria de imagens dos três formatos, antes de continuar para o vídeo de comparação entre consolas:

A 2K acertou em muitos dos fundamentos. Qualidade das texturas, filtro das texturas e iluminação estão todos "taco a taco" entre a PS3 e Xbox 360. Existe uma certa pronunciada diferença nas cores entre os dois jogos de consola, mas parece que a versão 360 tem uma palete mais profunda e rica, mas surge à custa da perda de uns pretos. A resolução é 720p nativos, com o que parecer ser um extremamente subtil blur nas arestas de alguma descrição em ambas as versões de consola.

Passamos para os testes de frame-rate e o que vemos é uma vitória seguramente conclusiva para a versão Xbox 360 de Bioshock 2. Existem três testes diferentes no seguinte vídeo: o primeiro confronto com uma Big Sister, incluindo a sequência de introdução, seguido de duas sessões de combates intensivos da secção Pauper's Drop e do início de Siren Alley. A ideia aqui é testar um número de situações diferentes que devem colocar algum esforço no motor Unreal Engine modificado que a 2K usa no jogo.

A boa notícia para os jogadores Xbox 360 é que o frame-rate está espantosamente firme nos 30FPS. O jogo opera com o que podemos chamar de "suave" v-sync, no qual a consola segura o frame-rate a 30 para uma imagem consistente, mas depois larga o v-sync se o frame-rate cair para manter o movimento fluído. Nos testes em cima, apenas 1.5% retirado das consolas foram frames quebrados. Quando aparecem, consegues notar, mas é dificilmente um problema. Pensem em Resident Evil 5, com menos tearing para terem uma ideia de como funciona.

A PlayStation 3 por seu lado opera de forma muito diferente, e de novo Resi 5 é a comparação mais próxima: corre completamente em v-sync com triplo buffer para arrancar. O resultado é que no "modo de frame-rate bloqueado" não o vai ver quebrar, nunca. O pior é que o frame-rate pode e vai baixar frequentemente, especialmente em combates intensos. Tendo triplo buffer, a latência geral no controlo é de forma constante ligeiramente mais silenciada do que na Xbox 360, mas a resposta é consideravelmente pior quando os frames estão a descer. De novo, este elemento de performance é sentido de forma muito similar a Resident Evil 5.

O que é interessante é que os ecrãs de opções de Bioshock 2 - de novo, tal como o seu predecessor - tem uma funcionalidade que te permite retirar o bloqueio no frame-rate. E é aqui que as coisas ficam loucas para os jogadores Xbox 360.

A consola Microsoft desliga o v-sync e foca-se completamente em renderizar o maior número de frames possível. O resultado é a presença virtualmente constante de tearing: uma gigantesca quantidade de 61% do sinal da consola a 60Hz consiste em frames quebrados nestes testes, e a resposta do comando varia dramaticamente dependendo do frame-rate. A PlayStation 3 é mesmo bizarra. Na maior parte continua v-synced (uns virtualmente não perceptíveis 0.1% de frames quebrados aqui, todos eles perto do fundo do ecrã, quase impossíveis de serem vistos), mas a variação gigantesca no frame-rate introduz algum horrível tremor e uma desagradável variação na resposta do comando.

Salta para os comentários (45)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (45)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários