Depois da previsão de ontem, a Famitsu confirma que Super Smash Bros. Ultimate vendeu mais de 1.2 milhões de unidades físicas no Japão.

Lançado a 7 de Dezembro em todo o mundo, Super Smash Bros. Ultimate é o novo exclusivo Switch da Nintendo e promete tornar-se num dos mais populares jogos para a consola híbrida.

As previsões indicavam mais de 1.3 milhões de vendas e Super Smash Bros. Ultimate ficou muito perto.

As informações avançadas pela Famitsu confirmam 1,238,358 unidades físicas vendidas entre 7 e 9 de Dezembro no Japão.

Esta é a maior estreia num jogo Nintendo Switch e a maior estreia na série Super Smash Bros. no Japão.

O entusiasmo em torno deste lançamento era imensa e nas semanas que antecederam a sua chegada às lojas, as vendas da Nintendo Switch dispararam no Japão, mas esta semana a consola registou um dos seus melhores valores.

Foram vendidas 278,313 unidades da consola Nintendo Switch, cerca de 2.6x o valor da semana anterior, o que revela bem a popularidade da consola em semana de Super Smash Bros. Special (nome de Ultimate no Japão).

Este novo exclusivo da Switch recebeu o selo de Obrigatório na nossa análise e recebeu diversos elogios.

"Super Smash Bros. Ultimate é mais do que um sensacional brawler cujas bases simples são apenas a porta para um gameplay dinâmico e com surpreendente profundidade, é uma celebração da Nintendo e da indústria Japonesa num formato híbrido. Transportar um jogo desta qualidade contigo dá todo um novo sentido ao formato portátil. A qualidade gráfica poderá não dar a sensação de um jogo totalmente novo, mas o World of Light, os Spirits, o modo Smash, Classic e Mob Smash asseguram que a diversão não terminará tão cedo. É um caso sério de diversão na tua Nintendo Switch."

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão