PlayStation VR "é o desenvolvimento dos jogos que está em questão"

Simon Benson apresentou a tecnologia no Barcelona Games World.

Após um grande período de amadurecimento e desenvolvimento (Project Morpheus), a Sony vai finalmente tornar a realidade virtual, real. A partir do dia 13 de Outubro, qualquer utilizador de uma PlayStation 4 poderá adquirir o equipamento que proporciona uma nova experiência no "gaming". Embora não seja inédito a concretização deste modelo, as tentativas anteriores de exploração da realidade virtual nunca resultaram em grandes sucessos. Com a PlayStation VR a Sony pretende oferecer um dispositivo a um preço competitivo, capaz de se transformar num fenómeno para as massas, da mesma forma que o fez no passado com outros dispositivos como o Move ou a câmara da realidade aumentada, o EyeToy.

No decurso do evento Barcelona Games World, pudemos assistir a uma apresentação da PlayStation VR com Simon Benson, director do grupo de tecnologia imersiva e essencialmente o grande responsável pelo design e desenvolvimento do sistema de realidade virtual da Sony. Com a tecnologia da realidade virtual a Sony moveu-se pelo prisma da imersão, isto é, oferecer um novo ambiente a quem joga, como se o jogador estivesse no centro e por dentro da acção. O conceito por detrás do PlayStation VR é tornar a tecnologia compatível com os jogos desenvolvidos pelas produtoras de software.

O envolvimento na realidade virtual configura-se como um passo lógico, baseado nos diferentes tipos de realidade dos jogos PlayStation: jogos realistas, situados no futuro ou em planetas alienígenas, muitos jogos que descrevem mundos abstractos. A realidade virtual serve de entrada e visita a estes mundos, uma possibilidade de os experimentar de forma diferente, sem perder de vista o social.

1
O Sony HMZ-T1 permitiu a exploração de vídeos no modo realidade virtual.

Em 1994, com a PlayStation (PSX), a Sony entra no jogo social, oferecendo um catálogo de destacados jogos em 3 dimensões. As duas portas para comandos da consola original permitiam jogar em comunidade. Do mesmo modo, a realidade virtual posiciona-se como parte da sala de estar, para que todos os jogadores possam partilhar a experiência. Os outros jogadores poderão ver o que está a jogar quem está a usufruir do modo realidade virtual. No modo espelho ou "mirror", 3 jogadores podem jogar em conjunto, através da TV, enquanto um outro joga no sistema VR.

A Sony tem história no desenho e desenvolvimento destes mostradores. O Sony Glasstron fazia realidade aumentada e um pouco de realidade virtual. Possui um aspecto ergonómico e é uma criação de 1996. Em 2011 a Sony produziu o Sony HMZ-T1, uma espécie de leitor de vídeos em forma de realidade virtual, para seguir no sofá e que se destacou por inspirar o modo cinemático (permite ver um filme ou um jogo como na realidade virtual). A Sony aprendeu imenso com este passo. O actual acessório de RV é fácil de ajustar à cabeça. É acessível, podendo ser usado por qualquer um, tenha ou não óculos. Está desenhado para se usar em qualquer tipo de cabeça, podendo ser partilhado com facilidade. O sistema de ópticas é do mais avançado, superando qualquer aparelho de realidade virtual actualmente no mercado.

"A Sony tem história no desenho e desenvolvimento destes mostradores"

Em 2003, através do EyeToy, a Sony introduziu o sistema que permite interagir com os jogos, através da realidade aumentada. Desenvolvido como dispositivo para a PlayStation 2, passou à PS3 e PS4. A Sony tirou proveito das câmaras para cobrir as pessoas que interagem com elas. Em 2010 seguiu-se o PS Move e com ele um nível superior de detalhe em movimento da mão. O Move é uma tecnologia relevante mesmo hoje, podendo ser usado na PS4 e no sistema de realidade virtual como controlador com alto nível de qualidade.

2
Com o sistema PlayStation VR a Sony pretende facultar tecnologia avançada a preço acessível, confortável e capaz de guiar a produção de jogos a um novo nível.

Em 2010 a Sony iniciou o desenvolvimento de protótipos, explorando a realidade virtual. Toda a experiência acumulada em tecnologia com "tracking" e captura de movimentos revelou-se na produção destes periféricos que antecedem a realidade virtual. Ao mesmo tempo, os jogos em 3D encontram tecnologia estereoscópica na PS3, através do 3D proporcionado pelos televisores, produzindo uma experiência mais imersiva.

Para o PlayStation VR a Sony desenvolveu um visor oled de 120 Hz para não sobrecarregar o olho humano e para que seja cómodo. A 120 Hz, a Sony desenvolveu um sistema mais rápido, o dobro dos outros sistemas existentes no mercado, oferecendo altas taxas de movimentos por segundo. O sistema é compatível com a PS4 e o futuro modelo Pro, previsto para Novembro. Não é obrigatória a sua utilização no modelo Pro, embora melhore a experiência, podendo proporcionar uma utilização mais cómoda. Simon Benson, salienta no entanto que a experiência pode ser diferente de pessoa para pessoa.

O preço é um dado importante e os € 399 euros correspondem a um produto com qualidade e também o mais acessível do mercado. A Sony pretende oferecer um produto para milhões e nesta vaga inicial de jogos previstos para a fase de lançamento (até 50 jogos), conquistar o interesse das produtoras de software. É uma nova época do jogo imersivo que começa a 13 de Outubro, pois não é só o "hardware" que está em questão, é também o desenvolvimento futuro dos jogos.

Publicidade

Salta para os comentários (1)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (1)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários