Motorstorm RC - Antevisão

Já jogámos o novo festival para a PS Vita.

De todas as bancas disponíveis no evento de apresentação da Playstation Vita, que tive o prazer de cobrir na passada semana em Londres, aquela destinada a Motorstorm RC era sem dúvida a mais povoada, e na qual os jornalistas demoravam mais tempo. Enquanto esperava pela minha vez na fila, dei por mim a pensar - 'Ok, é normal toda esta euforia, o jogo é novidade'. Mas não é apenas isso. Se fosse um Motorstorm tradicional não me parece que tivesse o mesmo impacto, sim é certo que o jogo continua com o aspeto tradicional da série, os menus, os veículos e os ambientes são imediatamente familiares. Só que existe uma diferença de fundo… são carros telecomandados e controlados numa espécie de vista de pássaro isométrica (bird's eye).

Quem é que se lembra de ter um carro telecomandado (Niko) quando era criança? Ok, se são demasiado novos para se lembrarem desses tempos, quem é que se lembra de Micro Machines? A célebre franquia da Codemasters que conheceu o sucesso durante a década de 90. No caso Português em particular, na consola Mega-Drive da Sega. Maravilhosa nostalgia de Micro Machines 2: Turbo Tournament, talvez o mais famoso por introduzir o J-Cart, um cartucho que incluía duas portas de controlo para permitir partidas de até quatro jogadores em ecrã dividido.

Para concretizar, pareceu-me uma boa decisão da Evolution Studios. Não só encontraram uma fórmula adequada e que tem em conta a geração do "público Playstation", como essa mesma fórmula funciona lindamente num formato portátil, pelo menos na minha opinião (sim, sou daqueles raros casos que acha que jogos como Uncharted não são para portáteis, corridas de Niko´s são).

A jogabilidade é naturalmente diferente dos Motorstom anteriores, e muito similar ao estilo arcade de Micro Machines. A direção dos carros telecomandados é "solta", o que faz com que sejamos capazes de efetuar as curvas mais apertadas de forma fluída e sempre a grande velocidade. Isto adequa-se perfeitamente ao design das pistas, todas com muitas curvas, mas com bastante largura para que tenhamos espaço para as manobras e ultrapassagens. Os dois analógicos da Playstation Vita proporcionam um controlo bastante intuitivo, especialmente tendo em conta que controlámos carros telecomandados. Lembram-se dos comandos com duas alavancas usados para manobrar estes brinquedos? Na Vita é a mesma coisa, um analógico acelera e trava, o outro controla a direção. Faz todo o sentido neste caso.

A câmara sobre as pistas não está posicionada diretamente de topo com vista horizontal sobre o solo. Ao invés, assume uma posição mais isométrica, diagonal, que permite ao jogador ver sempre grandes pedaços da pista. Possibilita o antecipar da ação, assim como ver a prestação dos adversários com uma maior amplitude. Adicionalmente, ao carregar no triângulo é possível alternar entre três profundidades de câmara, mais perto ou mais afastado do carro conforme preferirem.

As pistas em concreto estarão disponíveis em 16 traçados, dentro de quatro tipos de localizações claramente inspiradas nos títulos anteriores da série Motorstorm. São deliberadamente desenhadas para proporcionar partidas rápidas, onde conhecer cada pedaço da pista ao pormenor se tornará uma obsessão, para que possamos conseguir o melhor tempo. Motorstorm RC encontra grande suporte nas plataformas sociais, o que aliás será um dos focos da nova portátil da Sony. Podemos partilhar os nossos melhores tempos no Facebook, ou até mesmo receber notificações cada vez que alguém bate um dos nossos tempos.

Salta para os comentários (6)

Sobre o Autor

Aníbal Gonçalves

Aníbal Gonçalves

Redator  |  Darthyo

MMOs e RPG são com o Aníbal. Aliás existe um rumor na redação que a sua primeira casa é o World of Warcraft. Mas às vezes também o vemos a fazer uns exercícios. Não é mau de todo.

Conteúdos relacionados

Rumor: Ghost of Tsushima a caminho do PC?

Capa do jogo remove referência "Only on PlayStation".

Sony quer vender mais de 22.6 milhões de PS5 no próximo ano fiscal

Quer bater record da PlayStation 1 que dura há 24 anos.

Obsidian perde director de áudio para a PlayStation

"Sempre quis trabalhar para a PlayStation", disse Justin E. Bell.

Também no site...

Comentários (6)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários