Monster Hunter 3

Caçador procura novos territórios. Poderá despertar o mesmo furor japonês?

À medida que deixamos o Japão, Monster Hunter perde gás, mas a Capcom, em conjugação de esforços com a Nintendo, quer mudar isso já, tendo apostado num ciclo de vida de 5 anos para dar relevo à série. Monster Hunter Tri, exclusivo da Nintendo Wii representa por isso um sério contributo para alcançar as melhores expectativas.

No ocidente ou para além das águas territoriais nipónicas, a série ainda é uma espécie de ser desconhecido, encontrando assento junto de pequenos nichos, com um significado bem claro nos grupos conhecedores da série e que, na prática, concertam planos para caçar uma série de criaturas colossais. No país do sol nascente o significado da série é abismal, sobretudo na portátil PSP, tendo Monster Hunter Freedom sido um exclusivo responsável por uma injecção brutal de receitas no saldo bancário da Sony.

Compreende-se à luz da especificidade do mercado. Para os jogadores japoneses o apelo de Monster Hunter Freedom nem recai sobre a capacidade de desfrutar de combates on-line. Habituados a viajar constantemente em transportes públicos, as consolas portáteis representam uma alternativa privilegiada para passar o tempo e não só o jogo penetra nesse âmbito de utilização como os seus proprietários podem desfrutar das vantagens do “multiplayer” local para extrair melhor proveito.

1
A compatibilidade com o Wii speak facilitará os desafios on-line.

Tendo a Capcom lançado outras versões da série também para a Playstation 2 pensou-se que o salto da série em sistemas domésticos seria dado na PS3, tendo sido mesmo apontado como exclusivo PS3, beneficiando da tecnologia emergente e de todos os desafios que lhe estão associados. No entanto os produtores mudaram de ideias e optaram pela consola da Nintendo, alegando, em síntese, os novos mecanismos de controlo como pretexto para a escolha da Wii, ainda que seja utilizável (e por muitos preferido) o sistema de operações clássico.

Outras razões que justificam esta incursão podem ser encontradas no imenso parque instalado de sistemas Wii e também pela forte presença que o sistema tem no Japão, mercado prioritário e decisivo para a progressão da série, sobretudo depois de ganha a confiança das mulheres viciadas na versão portátil, muitas delas detentoras da máquina da Nintendo. Além disso os responsáveis do jogo acreditam que a exclusividade de MH3 na Wii contribuirá para um aumento da utilização do on-line do sistema, sobretudo nos mercados ocidentais.

Desde o lançamento no território japonês em Agosto de 2009, MH3 subiu sempre nas tabelas de vendas até estabilizar no terceiro título “thirdparty” Wii mais vendido. Nas filas do primeiro dia alinhavam-se dois tipos de clientes; aqueles que queriam comprar um novo jogo para o sistema e outros que compravam o “bundle”, consola e jogo. No que respeita ao nosso território será interessante apurar, após o lançamento, os efeitos que a chegada de MH3 terá nas tabelas de vendas da Wii. Em princípio não será pela chegada de MH3 que a Wii passará a vender mais, embora possa conhecer súbitos impulsos.

2
A Capcom puxou pelas capacidades da Wii, apresentando neste MH3 um grafismo cuidado.

Não obstante o forte empenho em marketing e divulgação da Capcom e Nintendo em publicitar e promover MH3, esta série chega até nós fora do círculo do “mainstream”, sendo para muitos uma série perfeitamente desconhecida. Por isso o mais provável é que os actuais proprietários da Wii comprem o jogo, havendo dentro deste grupo os que conhecem muito sobre a série, outros menos conhecedores e, por fim, uma franja que a desconhece em absoluto, entrando no universo Monster Hunter muito por força do sentido de descoberta e também, da exclusividade que lhe está associada.

Em termos de conteúdos a dissecar, MH3 transportará os caçadores por desertos e pelo fundo do mar (agora o coração do jogo ao ponto de permitir ataques a criaturas operando uma movimentação no espaço de 360º), secções essas habitadas por uma pluralidade de monstros, havendo 18 novas criaturas para caçar, algumas mais raras, merecendo destaque o gigante Lagiacrus. Os produtores sentiram a necessidade de reprogramar, voltar a desenhar o jogo e reconstruir a experiência, agora numa plataforma doméstica, voltada para um ritmo de jogo mais pausada e compatível com o interesse daqueles jogadores que chegam a casa e procuram uma experiência mais relaxante.

Estes e outros pormenores iremos divulgar aqui muito brevemente na nossa crítica a MH3. Depois do lançamento só o tempo dirá se os utilizadores ocidentais darão continuidade ao sucesso de MH no Japão. Trata-se de um pesado investimento da Capcom, um desafio que agora arranca, acalentando a esperança de acabar com o desconhecimento da série que ainda pende sobre muita gente.

Publicidade

Salta para os comentários (16)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (16)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários