Confronto: Dead Space 2

Margem de terror.

Xbox 360 PlayStation 3
Tamanho do disco 6.3GB (disco um), 6.4GB (disco dois) 13.8GB (incluindo Extraction com 3.46GB)
Instalação 6.3GB (disco um), 6.4GB (disco dois) -
Suporte Surround Dolby Digital Dolby Digital, 5.1LPCM, 7.1LPCM

Temos elaborado artigos de Confronto há quase quatro anos. Durante esse tempo temos visto muitos lançamentos com enormes diferenças técnicas que afectam a experiência de jogo, e temos percorrido centenas de títulos nos quais uma plataforma pode ter vantagens técnicas marginais uma sobre a outra. No entanto, é raro surgir um jogo no qual as versões Xbox 360 e PlayStation 3 estão tão aproximadas que é quase impossível dizer qual é qual visualmente.

Burnout Paradise foi um jogo desses, assim como o seu sucessor não oficial, Need for Speed: Hot Pursuit. Também foi o agradável, se bem que limitado, Dante´s Inferno da Visceral Games. Dead Space 2, no entanto, é o mais recente e talvez o maior exemplo de conformidade multi-plataformas que vimos com a Xbox 360, PS3 e mesmo PC com todos a providenciar a mesma, extremamente brilhante experiência.

Elementos de comparação demonstram o quão aproximados estes jogos se parecem. Existem duas galerias de imagens a percorrer desta vez - uma selecção de duplo formato PS3 e Xbox 360 juntamente com uma oferta de triplo formato que também inclui o jogo PC. Para começar, vamos olhar para as duas versões de consola.

Existe aqui uma constituição similar à do Dead Space original: ambas as versões Xbox 360 e PlayStation 3 do jogo apresentam um framebuffer a nativos 720p mas sem anti-aliasing. Apesar de existirem alguns jaggies visíveis, a esquema de cor silencioso do jogo, combinado com a natureza da sua incrível iluminação, significam que a qualidade geral da apresentação é excelente.

O anti-aliasing não lida bem com uma constituição de renderização totalmente diferida e é exactamente isso que Dead Space e a sua sequela usam. Motores tradicionalmente "avançados" tem alguns sérios problemas quando alcançam uma certa quantidade de luzes dinâmicas em qualquer cena: a abordagem diferida significa que centenas de fontes de luz podem surgir na cena.

Enquanto muitos jogos usam esta técnica (ou uma variante de luz por pré-passagem como visto em Blur ou GTA IV para referir dois), Dead Space é uma série na qual a iluminação dinâmica e sombras são altamente cruciais ao design do jogo e como se desenrola. Sem renderização diferida, Dead Space simplesmente não seria o mesmo jogo. A sequela aumenta a parada significativamente, com um leque de ambientes significativamente mais variado, para não mencionar muito mais cor.

O primeiro Dead Space foi um projecto multi-plataformas bem sucedido, mas houveram algumas áreas nas quais podíamos ver inexplicáveis descidas no rácio de fotogramas na PlayStation 3. Claramente a Visceral está a puxar pela sua tecnologia ainda mais com o novo jogo, portanto como se portam os dois lançamentos de consola de um ponto de vista de performance? Antes do Natal, o nosso confronto da demo PS3/360 sugeriu que fora algumas flutuações menores no rácio de fotogramas que eram praticamente imperceptíveis ao olho humano, os dois jogos eram mesmo virtualmente sem diferenças.

Agora, com o jogo completo na nossa posse, podemos correr mais análises, começando com uma comparação de cenas idênticas. Este teste permite-nos ver como o motor lida de uma perspectiva de performance quando a mesma exacta carga está a ser colocada em ambos os sistemas.

Não existe nada aqui a não ser a estranha, imperceptível queda na performance que sugere que uma versão de Dead Space 2 tem qualquer tipo de vantagem tangível sobre a outra. Os testes de motor como estes podem ser reveladores, mas também é justo dizer que nestas situações os designers de jogos tem completo controlo sobre o que está a acontecer no ecrã e podem optimizar de acordo. Também é o caso que por vezes esses elementos nas cut-scenes são inferiorizados in-game (ver Resident Evil 5, no qual contamos pelo menos três modelos para Chris Redfield) ou nas quais efeitos como a qualidade de sombras são aumentados.

O nosso segundo teste é seleccionar clips da mesma área do jogo em ambas as plataformas. Enquanto não temos os respectivos motores a criar as mesmas exactas cenas como no vídeo anterior, ao longo da análise temos uma perspectiva decente do curso geral de jogo – isto é provavelmente mais importante para o comum jogador.

Outro teste passado com sucesso. Novamente vemos diferenças menores no rácio de fotogramas, mas nada que realmente separe as duas versões do jogo: Dead Space 2 tem o mesmo aspecto, e corre de forma igual. Podem comprar qualquer lançamento seguro com o conhecimento que estão a ter um jogo magnífico.

Existem outras diferenças. De uma perspectiva de embalagem, o lançamento PS3 vem num único disco Blu-ray, enquanto que o jogo Xbox 360 vem em dois discos. No passados vimos que isto é frequentemente para acomodar sequências de vídeo, mas ao longo do nosso percurso em Dead Space 2 tornou-se claro que FMVs eram muito poucas: a Visceral precisou desse espaço para elementos puramente do jogo. Como acontece, o actual impacto na troca de discos é mínima caso escolham comprar o jogo na Xbox 360. Dead Space 2 é uma experiência linear, por isso apenas precisas de trocar de discos durante o capítulo sete.

Similar a Medal of Honor, a embalagem PS3 inclui um bónus gratuito – um que tem muito mais valor do que a ligeiramente decepcionante remasterização de Medal of Honor: Frontline HD. O on-rails shooter, Dead Space Extraction, avaliado com 8/10 na sua versão Wiié incluído gratuitamente. É um bónus excelente – e um mimo para donos do PlayStation Move. Apesar dos visuais não se compararem à opulência vista em Dead Space e na sua sequela, transporta-se na mesma muito bem para resolução HD.

Voltando a Dead Space 2, a PlayStation 3 também beneficia de opção de som surround melhoradas, com opções de 5.1 e 7.1 descomprimidas disponíveis. Este é um jogo cuja atmosfera é enormemente melhorada com um bom sistema de som surround, e enquanto a mistura 360 é na mesma sensacional, existe uma sensação adicional de profundidade à experiência auditiva ao usar as opções de áudio HDMI 1.3 da PS3.

Então claramente, com todos estes factores incidentais em equação, a versão PlayStation 3 do jogo assume-se como uma proposta tentadora. No entanto, ainda existe o lançamento PC para terem em conta.

Publicidade

Salta para os comentários (31)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (31)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários