Xbox Series X - análise à energia e temperaturas: o quão eficiente é a próxima geração?

Boas notícias para a Microsoft e AMD.

Quando a Xbox Series X foi apresentada no The Game Awards em Dezembro de 2019, o tamanho e formato da consola surpreenderam. Ao entregar o que acredita ser a consola mais poderosa da próxima geração, a Microsoft reescreve as regras, produzindo um design estilo mini-torre, pensado para maximizar a performance e arrefecimento. A decisão recompensou? Com as unidades nas mãos dos jornalistas, começaram a surgir notícias que a consola aquecia imenso. Por isso, o quão quente fica e quanta eletricidade gasta a Series X? As respostas são positivamente surpeendentes.

O embargo terminou e posso partilhar os meus pensamentos gerais sobre a máquina. Já falei sobre a as excelentes funcionalidades da retrocompatibilidade, mas agora posso falar sobre mais coisas. Começando com o design industrial, existe uma revolução silenciosa no design, com ênfase na palavra 'silêncio'. A Series X é tão silenciosa ao ponto de usar métricas de ruído ser inútil pois as acústicas da consola misturam-se com o ruído de fundo do meu escritório e sala. Basicamente, está no mesmo nível que a Xbox One X e talvez melhor ainda, o que a torna no meu padrão de ouro para o design de consolas. A Series X consome mais energia, mas o formato assegura que o ruído não é problema.

O tamanho e formato da caixa são diferentes, mas parece na mesma uma consola. Tem basicamente a mesma altura que a One X, mas é ligeiramente mais larga. Podes colocá-la na vertical ou horizontal, mas penso que na vertical é a melhor forma. O ar quente sobe por natureza por isso poderá existir uma vantagem no arrefecimento ao fazer isto. Além disso, acredito que fica melhor.

As medidas sobre consumo e temperatura na Xbox Series X.

As atuais restrições na cobertura à consola impedem-nos de falar da interface, que até poderá mudar até ao lançamento, basicamente é atual à mais recente atualização para todas as consolas Xbox One e se estás contente com a performance na Xbox One X, é ainda melhor na nova consola. O acesso ao enorme salto na CPU e performance do armazenamento consegue uma experiência praticamente sem latência. A interface corre a 1080p e maximiza a 60fps, mesmo que a consola esteja definida para 120Hz. A Series X é uma consola 4K e uma interface abaixo da resolução nativa tira um pouco do brilho à qualidade da apresentação, jogos abaixo da resolução nativa não são grande problema na era da super-sampling temporal, upscaling IA e conversão dinâmica de resolução, mas quase todos os jogos entregam uma interface nativa, simplesmente porque converter esses elementos não fica com bom aspeto. O mesmo se aplica à interface da consola e esperamos ver melhorias. Atualmente, o foco da Microsoft está em entregar o máximo de memória utilizável aos programadores.

Uma última nota antes de passar para o consumo e temperatura, sim, a Xbox Series X apresenta 802GB de espaço utilizável no seu SSD, contra os 781GB da Xbox One X. Anteriormente, especulei que o sistema usa compressão para alcançar isto, usando talvez os motores de descompressão do hardwaren o SoC. A Microsoft diz-me que a interface foi otimizada para a Series X e usa o aglomerado CPU Zen 2 para a descompressão, reservando os blocos hardware para os jogos. Ainda assim, oferecer mais espaço aos utilizadores e entregar a Quick Resume é um feito impressionante e a expansão de 1TB da Seagate não precisa albergar o SO, significando que tens 920GB utilizáveis.

Além disto, o foco vai para os jogos e de momento, não temos muitos. Já falamos de Dirt 5 e Yakuza: Like a Dragon e brevemente falaremos de Gears Tactics e Gears 5, mas para este artigo, queria focar-me no quão poderosas e eficientes estas novas consolas podem ser. Temos lógica de silício do que nunca antes, combinada com relógios superiores e, no papel, isso é a receita para uma máquina quente e barulhenta. A boa notícia é que isto não é o caso. Na verdade, a eficiência é altamente impressionante com um consumo energético muito inferior ao que esperava.

O modo padrão de Yakuza: Like a Dragon corre a 1440p60 e consome entre 140 a 160 watts, com raros picos acima de 170W, o que mostra a Series X a gastar tanto quanto a Xbox One X. DiRT 5 tem um consumo geral superior, na maioria na casa dos 160W, mas pode ir além de 170W. Na verdade, tentei os 3 modos de performance e obtive resultados muito similares, mesmo a 120Hz. Estes resultados são muito inferiores ao que esperava e deixa-me a questionar a necessidade de revolucionar o design das consolas com um formatmo muito maior e interiores impressionantes se gastas o mesmo que a Xbox One X?

power
211 watts em Gears 5 foi o máximo que conseguimos na consola. PAra contexto, a Series X é vendida com uma fonte de 315W.
Consumo de energia Xbox Series X Xbox One X
Consola desligada 0-2W 0.5W
Dashboard 42W 48.5W
Rise of the Tomb Raider (Pico) 151W 170W
Dead or Alive 6 (Pico) 165W 177W

Experimentar Gears 5 responde à questão. O sistema Smart Devliry entrega uma versão melhorada do jogo que tira proveito da capacidade da nova consola. Sim, pode ser uma 'atualização' a um jogo existente, mas aproveita a nova arquitetura RDNA 2 e as suas funcionalidades, incluindo a variable rate shading. Num jogo como Gears 5, pensado para aproveitar o equipamento usado, a carga sobre o sistema é muito maior e reparei que o consumo ia acima dos 200W, com picos de 211W. Podes confiar na The Coalition para liderar no que diz respeito a puxar pela nova consola.

É um bom resultado para um jogo de lançamento e acredito que consoante a geração amadurecer, veremos um maior uso do sistema e poderá ser necessário usar mais da capacidade de 315W. No entanto, atualmente, Gears 5 é um bom teste para analisar as temperaturas. Encontrei uma cena que mantinha a consola acima dos 200W e usei a câmara térmica, onde descobri uma distribuição interessante das temperaturas ao longo da nova consola.

Podes ver que o núcleo metálico do processador e placas southbridge são o centro do calor e uma temperatura de 48-49 graus na carcaça da consola, sente-se morna quando tocas, mas não quente. A parte de baixo da consola está fria quando tocas nela, especialmente em torno da drive ótica, que está à temperatura ambiente. A unidade está desenhada para afunilar ar frio da base, levando-o ao longo da consola para depois o extrair pelo topo e é aí que encontras o maior centro de calor da consola, iluminando de forma espetacular a câmara térmica. Aqui, registei um máximo de 62c, mais quente do que qualquer outra consola que já testei, mas não surpreende pois esta é a consola mais poderosa que já teste. Toca no topo da consola e sentes o ar a escapar. Com em qualquer outra consola, tens de te assegurar que o ar quente pode escapar, por isso, manter a Series X num espaço fechado é má ideia.

Podes mesmo sentir o calor a escapar, mas tenho a certeza que os relatos que usar uma Series X vai aquecer a tua casa são observações sem sentido pois podemos dizer a partir do medidor de consumo energético que o consumo máximo foi 210W. Este um aumento incremental na saída de calor comparado com a Xbox One X, mas isto não é nada comparado com um PC de topo. Uma RTX 3080 vai facilmente acima dos 320W e sem ter em conta o resto do equipamento. E quanto ao armazenamento Seagate 1TB ficar desconfortavelmente quente, testei isto ao copiar dados de e para o disco durante 20 minutos e registei ficar morno ao toque com um máximo de 49c. Mais uma vez, nada preocupante. Os tempos de transferência permanecem consistentes, significando que o disco não estava a sobreaquecer ao ponto da performance ser afetada.

A Xbox Series X é maior do que a grande maioria das consolas, mas é na mesma uma consola e o seu tamanho extra e design inovador servem para lidar com as maiores exigências do consumo energético sobre anteriores gerações. Mais importante, o design recompensa. A Series X é para todos os propósitos silenciona e lida com sucesso com o excesso de calor. A dissipação de calor exige um local pelo qual o calor possa escapar, isso é óbvio, por isso não coloques a Series X, ou até mesmo qualquer outra consola moderna, num espaço fechado.

Voltando ao consumo energético, a tabela em cima destaca o básico. Em termos de picos, as comparações com a One X são fascinantes, num teste feito num cutscene a 4K30 em Rise of the Tomb Raider, a Series X é claramente mais eficiente do que a One X. No entanto, a revelação é Dead or Alive 6. Consegue o dobro da performance e ainda assim consome menos energia do que a One X. É impressionante. Também reparei que no modo de reinício instantâneo, a Series X consome cerca de 29W, o suficiente para desligar a minha máquina.

Penso que existe um outro destaque aqui, a Series X na sua carga máxima consegue uma performance que foi comparada à da RTX 2080 e faz isso com a sobrecarga adicional do conjunto CPU Zen 2 com uma carga máxima de apenas 211W, baseado nos jogos que temos disponíveis até à data. Isto anteve coisas boas para as novas GPUs RX 6000 da AMD, que os rumores dizem apresentar até 80 unidades computacionais acima de 2GHz, comparado com as 52 UCs a 1.825GHz da Series X.

Vejo boas notícias nestes resultados. Primeiro, não tens de te preocupar com o consumo energético ou temperaturas da Series X, é mais exigente do que as consolas que já temos, mas fica a sensação que a solução térmica é muito mais robusta do que necessário quando o consumo energético geral (pelo menos o que vimos até agora) está apenas um pequeno passo acima da Xbox One X, apesar do grande salto na performance. O consumo energético da Series X é muito similar ao da PS3 no lançamento, mas a solução térmica está noutro nível.

A outra boa notícia? O processador central da PlayStation 5 é mais pequeno, mas com um relógio superior, mas também existe um enorme arrefecimento aqui e é difícil imaginar que uma fonte de alimentação de 350W passe por esforços presumindo que as arquiteturas similares correm com o mesmo processo de fabrico. Finalmente, a eficiência do RDNA 2 em si é promissora, o que deve tornar a chegada das gráficas Navi PC de segunda geração muito mais competitivas com as impressionantes ofertas RTX 3000 da Nvidia. A competição é boa para a indústria e espantosa para os jogadores e os sinais são promissores. A próxima geração está a caminho e sejas jogador de consola ou PC, os produtos prometem ser muito especiais.

Salta para os comentários (120)

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry  |  digitalfoundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (120)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários