A Gamescom 2017 apresentou algumas histórias entusiasmante para o Digital Foundry, mas a estreia em formato jogável de Skyrim na Switch no espaço da Nintendo foi uma surpresa genuína - a boa notícia é que esta versão está muito boa.

A Nintendo demonstrou o jogo em modo portátil e os visitantes da Gamescom tinham 15 minutos para o jogar e a oportunidade de explorar qualquer local dentro desse limite de tempo. Jogámos numa das três unidades portáteis e mesmo em modo mobile, Skyrim oferece gameplay muito polido.

No ecrã portátil, o jogo parecia correr a nativa 720p, e apesar das comparações gráficas não serem viáveis no evento - especialmente em ecrãs mobile - a versão Switch de Skyrim apresenta uma experiência mobile bem conseguida. É a performance consistente que realmente impressiona, especialmente comparada com as versões de anterior geração do jogo. Os rácios de fotogramas inconsistentes com soluços ao percorrer os locais e nos combates simplesmente não é problema na Switch: os 30fps parecem estar fixos.

Apesar da GPU da Switch - especialmente o seu relógio modesto em modo mobile - não ser rival para as mais recentes consolas, o sistema tem o benefício de apresentar mais memória que as consolas de anterior geração. Além disso, o acesso instantâneo aos bens via memória flash ao invés de discos rígidos mecânicos (ou DVDs) deve beneficiar os sistemas de streaming.

A grande surpresa do primeiro dia da Gamescom - a primeira oportunidade para jogar Skyrim na Switch.

Até que ponto a Bethesda apresenta todas as funcionalidades da Special Edition na Switch ainda é incerto, mas a consistência na performance está idêntica às versões PS4 e Xbox One de 2016. Além disso, a Bethesda integrou controlos por movimento para quem quiser. Mantivemos os nossos Joy-Cons na unidade, onde o gameplay e navegação de menus é basicamente igual às versões existentes do jogo nas consolas. A versão Switch apresenta a portabilidade como o seu aspecto único, a função de modo descanso permite-te entrar e sair da acção quando quiseres.

Tudo muito impressionante, mas existem alguns senãos. Primeiro, a unidade portátil parecia uma Switch de retalho, mas estava ligada por um cabo grosso a uma caixa fechada, e alguns programadores Switch disseram-nos que as unidades debug podem correr com velocidades GPU completas no que de resto parece ser o modo portátil. Também temos de ter em conta que o ecrã pequeno pode suavizar possíveis compromissos - não vimos o jogo na dock.

Mas se o que jogamos for indicativo de como o jogo final será a correr em modo portátil, a versão Switch de Skyrim valerá a pena. Tentamos jogar o jogo num tablet Intel Atom com uma gráfica integrada e a experiência não é tão boa quanto esta - se queres Skyrim portátil, precisas de um portátil para jogos capaz de oferecer o leque de funcionalidades visuais e performance que a versão Switch oferece. Os 15 minutos que passamos com o jogo não nos dizem tudo - especialmente num jogo tão vasto quanto Skyrim - mas do que vimos, aguenta-se muito bem, e ficamos ansiosos por passar mais tempo com ele na versão final.

Sobre o Autor

Richard Leadbetter

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Mais artigos pelo Richard Leadbetter

Comentários (10)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Skyrim ainda é jogado por milhões todos os meses

Fallout 4 é o jogo mais jogado da Bethesda.

The Elder Scrolls 6 não está em desenvolvimento

Existem dois grandes jogos que serão feitos primeiro que esse.

Skyrim ocupará 14GB na Switch

Se quiseres optar pelo formato digital.