DualSense da PS5 eleva FIFA 21 para uma liga superior

Feedback dinâmico é muito mais do que uma gimmick.

Enquanto esperava pela atualização de FIFA 21 para a nova geração de consolas, jamais esperaria dar por mim rendido à forma como usa as funcionalidades do DualSense, o comando da PlayStation 5. Acreditava que falaria dos gráficos, dos loadings (mais especificamente a ausência deles) ou até do cabelo de Messi, mas jamais esperava ver o DualSense como um destaques do futebol virtual de nova geração. Na verdade, nem sequer imaginava que seria a EA Sports uma das principais third-party a dinamizar essas potencialidades que nos foram promovidas pela Sony ao longo dos últimos meses.

Os gráficos de FIFA 21 na nova geração estão sensacionais, a EA Sports conseguiu um nível de detalhe impressionante, desde os tecidos nos equipamentos aos cabelos e expressões faciais. É um encanto ver o quão reais estão jogadores como Cristiano Ronaldo, João Félix, Neymar Jr. ou Kylian Mbappé, mas até jogadores nas equipas nacionais estão com uma qualidade impressionante. Até nas bancadas e espectadores podes ver esforços para engrandecer o efeito gráfico, mas é quando surgem as aproximações nos momentos de reação a jogadas ou nos festejos de golo que a imersão chega a novos níveis, onde até o suor e fios de cabelo consegues ver.

Os loadings também são praticamente inexistentes, cerca de quatro segundos a passar da confirmação de equipamentos ao gameplay, o que é impressionante por si, engrandecendo os esforços que foram feitos ao longo da anterior geração para tornar a experiência mais dinâmica. Tudo isto é, no sentido da palavra, bonito, mas não consigo escapar à sensação que foi o DualSense que me deixou rendido à experiência de jogar FIFA 21 na PlayStation 5 e que jamais conseguirei voltar a jogar FIFA sem o que considero como maximizador de imersão e ferramenta gameplay.

Uma novo nível de sensação

Quando a EA Sports anunciou que FIFA 21 receberia a atualização de nova geração, os gráficos e loadings mereceram destaque, mas Sam Rivera, produtor de FIFA, comentou algo sobre o DualSense que me deixou imediatamente intrigado. Numa altura em que ainda não tinha tido o primeiro contato com a PS5 e o seu comando, fiquei curioso, mas somente a jogar é que tive uma realização plena do que Rivera queria dizer com "sentir o jogo com as mãos". As suas palavras completas foram "posso dizer-te que esta funcionalidade permite-te sentir o ritmo do jogo nas tuas mãos" e posso assegurar que isto não se trata de uma frase bela e vazia, tem todo o sentido.

Por mais controversa que seja a EA Sports, FIFA 21 na PS5 apresenta um excelente uso das capacidades do DualSense e merece elogios. Seja com o feedback háptico para sentir a diferentes níveis os contactos que acontecem nos relvados ou com o pertinente uso dos gatilhos dinâmicos para adicionar uma inesperada resistência ao ritmo dos jogadores, a EA Sports conseguiu aumentar a imersão de FIFA 21, fornecer feedback instantâneo não visual que se torna quase numa ferramenta de jogo e ao mesmo tempo enaltecer todo o potencial do Dualsense para o futuro.

"Antes do jogador receber a bola, o DualSense já te informa se ele está pronto para acelerar através da resistência dinâmica do gatilho".

Sim, a "maléfica" EA fez algo elogiável e os jogadores de FIFA 21 na PlayStation 5 podem-se preparar para sentir o futebol virtual como não é possível noutra plataforma. Além das melhorias preparadas para as versões de nova geração, o DualSense permitiu à EA Sports introduzir no gameplay conceitos relacionados com o feedback nas tuas mãos e isso não é gimmick, torna-se numa ferramenta gameplay. Mesmo antes de experienciares visualmente alguns lances, já o comando te está a indicar o que vai acontecer, uma espécie de feedback invisível que sentes ao invés de ver.

Uma ferramenta gameplay

Quando digo que o DualSense é uma espécie de ferramenta gameplay falo dos momentos em que consegues sentir elementos com as tuas mãos capazes de influenciar o teu comportamento e abordagem ao fluir do jogo. Isto é resultado tanto do feedback háptico, essa vibração de nível superior e multidirecional que torna totalmente banal a vibração uniforme presente nas outras consolas, como os gatilhos dinâmicos.

Ao jogar FIFA 21 com um DualSense nas mãos, descobri que o comando vibra somente do lado direito quando um jogador remata com o pé direito, por exemplo, senti a vibração em diferentes pontos do DualSense em entradas de carrinho ou em colisões com outro jogador e senti ainda a vibração começar num ponto para espalhar-se por todo o comando em momentos como iniciar um dribble até ser pressionado e perder a bola. Isto sem esquecer a diferenciação nos passes. Passes rápidos ao primeiro toque originam uma vibração mais intensa e rápida do que passes controlados e profundidos, sem esquecer que é nos potentes remates que mais vibração sentirás em todo o DualSense.

"A vibração dinâmica deixa-te sentir de formas diferentes os diversos tipos de passe ou remate".

Quanto aos gatilhos dinâmicos, tornaram-se numa das mais surpreendentes facetas ao jogar FIFA na PS5. Isto porque a EA Sports aproveitou esta funcionalidade do comando para dinamizar o gameplay ao relacionar diretamente o cansaço e até a velocidade de cada jogar com o seu funcionamento. A implementação leva-te para um novo nível de imersão pois ainda antes da bola chegar ao jogador para quem executaste um passe em profundidade de desmarcação, já o gatilho te está a dar diferentes níveis de resistência de acordo com a sua condição física.

A EA Sports prometeu que irias sentir o quão desgastados estão os jogadores através do gatilho (R2) do DualSense, sem necessidade de olhar para a barra no HUD e consegui confirmar isto ao longo dos jogos em FIFA 21. No entanto, a funcionalidade aplica-se a outros parâmetros e não apenas ao cansaço. Quando o jogador está cansado ou nem sequer tem grande capacidade de corrida, o R2 do DualSense oferece-te uma incrível resistência e tens de pressioná-lo com muita força para a contrariar, mas se o jogador estiver numa posição menos propícia para "disparar" pelo relvado, também sentirás essa pressão. O uso da profundidade do R2 também te permite pressionar levemente para um leve trote e pressionar a fundo para um sprint.

Uma nova era de imersão e interatividade

Poderá parecer exagerado para quem não teve a oportunidade de jogar com o DualSense e confesso que jamais esperaria ver a EA Sports a destacar-se no uso do DualSense no início de vida do comando, mas aqui estamos. Durante muito tempo, a Sony prometeu que as funcionalidades do seu novo comando trariam novas sensações e níveis de imersão para os videojogos na PlayStation 5. Depois de estrear a nova geração com Astro's Playroom e ficar rendido a todas as subtilezas do DualSense, desfrutei de uma boa implementação em Spider-Man: Miles Morales e jamais imaginaria que seria FIFA 21 a reforçar o potencial dos gatilhos dinâmicos e feedback háptico no arranque desta nova geração.

Salta para os comentários (33)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Apex Legends Switch mostrado num novo trailer

30 níveis gratuitos e duplo XP nas primeiras duas semanas.

Epic Games compra os produtores de Fall Guys

Nada mudará no futuro da franquia.

Razer anuncia a Razer DevCon, um evento para produtores de videojogos

Quer encorajar a integração do seu ecossistema em software e hardware.

Yakuza: Like a Dragon chegou finalmente à PS5

Quem tem a versão PS4 tem direito a upgrade gratuito.

Comentários (33)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários