Dragon Quest é uma das mais antigas franquias do género role play. No Japão, é elevada ao estatuto de potência nuclear, capaz de desviar muitas pessoas de um dia normal de trabalho para se enfiarem numa fila de um retalhista a tempo de garantirem a nova jornada. Dragon Quest cresceu sobretudo nas consolas da Nintendo, embora tenha logrado significativas ligações a outros sistemas, como a PlayStation 2. No entanto, foi com alguma surpresa que assistimos em 2016 ao lançamento de Dragon Quest Builders para a PS3, PS4 e VITA, primeiro no Japão no mês de Janeiro e no final do ano no ocidente. Assim permaneceu até Agosto do ano passado, quando a Square Enix comunicou o lançamento de uma versão Switch para Fevereiro de 2018, lançamento esse mundial.

Para os conhecedores da série, Dragon Quest é especial fruto das suas personagens carismáticas e da componente artística, muito ligada ao lápis inconfundível de Akira Toriyama, artista que se notabilizou em Dragon Ball, Chrono Trigger e Blue Dragon, entre muitos outros. Certo é que quer em 2D, na feição dos clássicos, quer em 3D, Dragon Quest sempre projectou boas histórias, servindo-se de personagens inesquecíveis. Essa fasquia continua bem presente nas mais recentes iterações, mesmo que a série conheça derivações como Builders ou Heroes, integrados em géneros diferentes.

Aquando o lançamento da versão PS4, tivemos a oportunidade de a analisar. Vale a pena seguirem por aqui para a análise e veredicto que então traçamos. Muito do que então dissemos se mantém e permanece válido, não obstante a passagem de dois anos e a entrada de uma nova plataforma da Nintendo que em pouco mais de um ano ofuscou por completo a sua predecessora. Não só mas é também por isso que encontramos Dragon Quest Builders na consola híbrida da Nintendo, uma razão justificada para o sucesso da franquia.

1
Há uma opção que permite defrontar monstros numa arena; a Terra Gladiatoria.

É importante verificar, num primeiro plano, os termos da conversão à consola da Nintendo. Neste quadro o desempenho é assinalável. Não que Builders fosse particularmente exigente (o jogo corre perfeitamente na VITA que é uma consola de especificações um pouco mais modestas em comparação com a Switch), mas há sempre pequenos ajustes a efectuar em função da tecnologia e nisso parece que a produtora que usou o PhyreEngine não teve grandes dificuldades em adaptá-lo à Switch. O jogo mantém a mesma fluidez e fulgor gráfico da versão original, sendo como cópias perfeitas. Quanto ao conceito, sobre isso já devem saber que estamos perante um "sand box" do tipo Minecraft. Basicamente é um jogo que deriva, nas influências e execução, do trabalho da Mojang (Minecraft), mas assente num processo de aprendizagem mais facilitado, plenamente integrado no universo Dragon Quest. Neste regresso a Alefgard, o objectivo passa por reconstruir, passo a passo, o mundo destruído pelo malvado Dragonlord.

Embora seja um jogo onde passamos grande parte do tempo a construir coisas como casas, vilas e fortalezas, também terão muitos combates, contra minions e diferentes espécies que fazem a vida negra aos habitantes. Alguns confrontos resultam como obstáculos às missões, outros encontros são o resultado do périplo que terão que realizar pelo mundo à procura dos objectos necessários para fabricar armas, poções e outras coisas. A primeira fase do jogo é bastante simples e as missões cumprem-se com alguma facilidade, antes de crescer de âmbito e acelerar os processos de criação. Se perderem a vida são penalizados através da perda de alguns "itens", o que pode ser custoso.

2
A opção de construção livre chama-se Terra Incognita e funciona como um intervalo nas missões regulares.

O processo de construção torna-se rotina a partir de certa fase, sendo interessante observar os efeitos da nossa actividade e esforço, premiada em pequenos pontos de resistência e avanço, recuperando cada vez mais terreno ao antagonista, mesmo que possa ser mais difícil a obtenção dos recursos necessários para a realização das missões. A componente role play, não sendo tão enfática ou recorrente, nem por isso está ausente. Haverá oportunidade para equipar as personagens com as armaduras e armas mais poderosas, mas também nisso terão que alojar recursos.

A opção Terra Incógnita, acessível depois de concluído o primeiro capítulo, é uma opção para a criação livre e espontânea, à margem da história e das missões. É uma oportunidade consistente para aprendermos a lidar um pouco mais com as ferramentas à disposição. Mesmo depois de passarmos o original, em 2016, Builders e Alefgard continuam a surpreender, transmitindo uma sensação de familiaridade e ao mesmo tempo uma renovação do conceito, baseado faz tu mesmo. É um "spin of" mais acessível e sólido na execução. Criado com esmero, consegue vincular-nos à sua estrutura de criação sem grandes dificuldades ou entraves, sem nos deixar desorientados ou perdidos. É esse um dos maiores méritos, embora seja difícil ver em Builders um substituto de uma entrada regular da série e a ausência de conteúdo novo realmente palpável face à obra original faz-se sentir caso tenham jogado o original. Todavia, o formato portátil pode motivar os utilizadores interessados que se furtaram ao lançamento em 2016.

Publicidade

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Mais artigos pelo Vítor Alexandre

Comentários (0)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Dragon Quest Builders terá demo na Switch

Será lançado a baixo preço.

Dragon Quest Builders a correr na Switch

Primeiro gameplay desta versão.

Fumito Ueda elogia Dragon Quest Builders

Criadores escolhem os seus jogos favoritos do ano.

Dragon Quest Builders II confirmado?

Square Enix assim o sugere.