A Microsoft na E3 - Um olhar para o passado

Tentando adivinhar o futuro.

Estamos a sensivelmente a uma semana da E3 2015 e antes mesmo do evento começar, as principais companhias desta indústria vão apresentar as principais novidades para o resto do ano. Tradicionalmente é a Microsoft que dá início aos procedimentos e resolvemos então começar por olhar primeiro para o que a gigante Norte Americana poderá ter para oferecer aos seus fãs. Mas antes mesmo de olhar para o futuro, decidimos olhar para o passado e rever os principais momentos da Microsoft nas suas conferências E3 ao longo dos anos. Grandes momentos foram presenciados em Los Angeles e a marca Xbox foi crescendo a olhos vistos até se tornar referência para toda uma dedicada comunidade de jogadores.

E3 2001 - Apresentação da Xbox original:

Anunciada na GDC 2000 por Bill Gates e mais tarde apresentada no CES em Las Vegas, por Bill Gates e The Rock (Dwayne Johnson), a E3 2001 foi a primeira da marca Xbox e foi aqui que ficamos a saber o preço e data de lançamento. Há muito que o evento é visto como um palco adequado para este tipo de informações e apesar de não ter sido a estreia de Halo: Combat Evolved, o mesmo voltou a surpreender no evento quando acompanhou a chuva de informações Xbox.

Oddworld: Munch's Oddysee, Enclave, Jet Set Radio Future, Amped: Freestyle Snowboarding, Mad Dash, Project Gotham Racing, Project Ego, Medal of Honor: Allied Assault, Dead or Alive 3 e Gunvalkyrie juntaram-se ao título da Bungie como os grandes destaques da companhia para o lançamento da primeira Xbox e mostram bem porque decidimos começar por 2001 para a Microsoft. Previamente a companhia não havia assumido uma posição tão importante: estava a entrar no mercado das consolas de onde a SEGA estava a sair para deixar a Nintendo e Sony a lutarem entre si.

1
A Microsoft apresentou a sua entrada nas consolas caseiras.

E3 2002 - Apresentação do Xbox Live:

Saiu a SEGA e entrou a Microsoft. A companhia de Bill Gates estava empenhada em criar os alicerces firmes que o seu produto exigia e assim o procurou fazer. Blinx: The Time Sweeper, Tom Clancy's Splinter Cell, Dead to Rights, Unreal Championship, Panzer Dragoon Orta e Ninja Gaiden foram alguns dos sensacionais títulos anunciados naquele ano e a agora tradição de combinar anúncios de jogos com anúncios de serviços ou produtos começava a conquistar terreno.

Isto porque foi na E3 2002 que a Microsoft apresentou ao mundo o Xbox Live. Além de procurar oferecer jogos exclusivos que mais nenhuma outra plataforma tinha, a Xbox também convidou os jogadores PC para a sala de estar e colocou neste novo serviço uma parte altamente importante da sua estratégia: a vertente online.

Depois da assistência à SEGA com a Dreamcast, a Microsoft fez tudo para a Xbox triunfar onde a Dreamcast falhou. Foi uma das principais filosofias no desenho da plataforma e como sabemos agora, o serviço revolucionou a forma como consumimos os nossos produtos e nada mais foi igual. A ideia de jogarmos contra outros jogadores, jogar ao lado deles (mesmo tão distantes), de comparar pontuações. A Microsoft deu vários passos no sentido certo em 2002.

E3 2003 - Halo 2:

A Microsoft havia estabelecido as fundações da Xbox nos dois anos anteriores e neste ano foi a vez de Halo 2 se destacar. Aqui a Microsoft continuava a sua filosofia para a sua primeira consola. Por um lado dava-nos a primeira sequela de um espectacular título de lançamento, estabelecendo a sua primeira série de videojogos para uma consola, e por outro voltava a dar ao mundo mais um poderoso jogo online que iria viciar jogadores de todo o mundo. Os videojogos deixaram de ser um produto unicamente a solo cujas impressões eram trocadas na escola com amigos ou quando eles vinham cá a casa, agora havia interacção online.

KOTOR e Fable foram dois dos principais trunfos da Microsoft para a Xbox. Continuando a tradição de produtos exclusivos ausentes de outras plataformas (mesmo do PC em alguns casos) e com foco na criação de uma comunidade, a Microsoft criou com a ajuda de outras companhias e estúdios duas séries que ficaram para sempre na memória de quem entrou em contacto com elas.

É inegável que em apenas três anos a Microsoft já havia estabelecido nomes de respeito.

E3 2004 - Xbox Live Arcade:

Call of Duty: Finest Hour, Forza Motorsport, Half Life 2, KOTOR 2, Prince of Persia 2, Splinter Cell 3 e Unreal Championship 2. Foram estes os grandes jogos que a Microsoft promoveu em 2004. Todos eles são espectaculares títulos que provavelmente deram grandes recordações a todos vocês. Exclusivos, sequelas, títulos desenvolvidos com acordos com outras editoras, exclusivos temporários e jogos com forte componente online, a Microsoft estava a usar todas as táticas e todos os argumentos possíveis para tornar a sua consola cada vez mais sólida para o mercado Europeu e Norte Americano.

No entanto, e por mais incrível que possa parecer, com tantos nomes imponentes, a estrela do ano para a Microsoft não foi nenhum deles. Foi o Xbox Live Arcade. Mais uma vez a Microsoft dava um gigantesco passo em direção ao futuro e deixava a Nintendo e a Sony para trás graças à sua postura diferente, focada em avanços que rompiam com as tradições.

A Microsoft introduziu o conceito de jogos vendidos em formato digital, que podiam ser comprados sem sair de casa e apresentou o modelo de forma apelativa às massas. Agora é um conceito banal e até os principais AAA são lançados com direito a versão digital no primeiro ano. Na altura o conceito passava por produtos exclusivos, de menor porte mas também muito mais baratos.

E3 2005 - A Xbox 360:

Numa altura em que a E3 começava a assumir contornos mediáticos sem precedentes (cobertura televisiva ou via internet para todo o mundo em directo) a Microsoft preparou a apresentação da Xbox 360 à imprensa especializada e divulgou todos os principais detalhes. A integração ainda maior do Xbox Live na plataforma e na forma como eram desenhados os jogos foi também outro dos destaques aos quais a companhia dedicou tempo e atenção.

Gears of War, Half Life 2, Kameo, King Kong e Perfect Dark Zero foram alguns dos destaques e podemos constatar que a Microsoft adequada a sua postura aos novos tempos: foram apresentadas várias novas propriedades intelectuais exclusivas de peso e foram anunciados acordos com estúdios e editoras externas.

2
A segunda geração Xbox e uma das consolas mais aclamadas dos últimos tempos.

E3 2006 - Gears of War:

A Xbox 360 tinha meros meses de vida quando regressou à E3 e em 2006 foi mesmo Gears of War que tomou conta da indústria. Série da Epic Games que viria a ser uma das maiores faces das consolas Microsoft, partilhou as atenções com uma outra série que nasceu de uma relação íntima com a Microsoft: BioShock.

Bioshock, Brothers in Arms, Fable 2, Forza 2, Gears of War, Grand Theft Auto IV, Mass Effect e Shadowrun foram alguns dos estrondosos momentos daquele ano e actualmente conhecemos bem o impacto que tiveram no sucesso da consola naquele ano. A Microsoft assegurou diversos exclusivos de alta importância e mostrava novamente uma forte relação com os estúdios externos.

E3 2007 - Um dos melhores anos da marca Xbox:

Bioshock, Call of Duty 4: Modern Warfare, Fallout 3, Halo 3, Halo Wars, Lost Odyssey, Mass Effect, Resident Evil 5 e Rock Band foram os principais destaques da Microsoft para o evento daquele ano. Apesar do Xbox Live Arcade ter sido alvo de grande foco, foi o crescente sucesso e lucro gerado pela marca Xbox que deixou a Microsoft simplesmente sorridente e numa posição confortável.

No ano em que a febre Call of Duty se instalou, a Bungie ajudou a Microsoft a vender milhões de consolas com o terceiro jogo Halo e Halo Wars também ajudou o universo a se expandir. A Microsoft mostrava novamente que havia estabelecido fortes ligações com estúdios de todo o mundo (assegurando um segundo exclusivo de Hironobu Sakaguchi) e deslumbrava todos com Mass Effect.

E3 2008 - Final Fantasy XIII:

Numa fase em que a E3 havia passado para um formato mais pequeno, longe do espectáculo mediático em que se havia tornado, as fabricantes de consolas e editoras externas iam mostrando os frutos das suas parcerias. Gears of War 2, Fable 2, Fallout 3, Modern Warfare 2, Portal: Still Alive e Resident Evil 5 partilharam o palco da conferência Microsoft na E3 2008.

Gears of War 2 e Fable 2 eram os jogos apoiados pelos Microsoft Game Studios enquanto Modern Warfare 2 mostrava uma parceria singular entre a Microsoft e a Activision, que dura até aos dias de hoje. No entanto, foi mesmo Final Fantasy XIII que se tornou no centro das atenções. A série da Square Enix era considerada como exclusiva Sony e impensável na altura que fosse lançada numa consola não Japonesa. A parceria com a Square Enix ditou que o jogo seria lançado na Xbox 360 e desde esse ano que a Sony e a Microsoft têm partilhado a grande maioria dos jogos Final Fantasy.

E3 2009 - Project Natal:

Hideo Kojima, Paul McCartney, Ringo Starr, Tony Hawk, Yoshinori Kitase, Cliff Bleszinski e Steven Spielberg. Todos estes grandes nomes passaram pela conferência da Microsoft e todos eles com grandes anúncios que reflectiram a postura da companhia numa altura em que a Xbox 360 estava a caminho do seu quarto aniversário. Alan Wake, Assassin's Creed 2, Crackdown 2, Forza Motorsport 3, Halo: ODST, Halo: Reach , Left 4 Dead 2, Mass Effect 2, Metal Gear Solid Rising, Shadow Complex e Splinter Cell: Conviction foram os principais jogos no evento.

É muito bom jogo para um ano só mas ainda assim o destaque foi para o Project Natal e para a demo Milo. Numa fase da indústria em que os controlos por movimento se tornaram na sensação, patrocinado pelo sucesso da Nintendo Wii, a Microsoft decidiu apresentar a sua visão para esse sector. Mais tarde, Project Natal tornou-se no Kinect e todos sabemos o que lhe aconteceu (enorme campanha de marketing e um fraco apoio dos estúdios) mas naquele ano uma grande parte dos jogadores sonharam com as possíveis experiências que poderiam vir a acontecer.

E3 2010 - O Kinect:

Call of Duty: Black Ops, Crysis 2, Dance Central, Dead Space 2, Fable 3, Halo: Reach, Metal Gear Solid Rising e Mortal Kombat foram alguns dos jogos aos quais a Microsoft prestou o mais do que merecido apoio na sua conferência. Numa altura em que a Microsoft havia cimentado a sua posição e estava confortável para falar da Xbox 360, a parceria com editoras e estúdios externos dava origem a anos de grandes colheitas.

Focada na apresentação de sequelas em séries de renome capazes de vender consolas e cativar jogadores, a Microsoft aproveitou o evento de 2010 para dar a conhecer o Kinect e os jogos de lançamento. Agora sabemos o que aconteceu ao Kinect e como se tornou num dispendioso acessório para o qual não são feito jogos mas ainda assim, foi a forma que a Microsoft encontrou para "atacar" os casuais.

3
Steven Spielberg e Project Natal na conferência E3 da Microsoft.

E3 2011 - As sequelas anuais e as parcerias:

O ano de 2011 foi um pouco ingrato para os jogadores. Isto porque muitos já estavam a pensar quando a Microsoft iria anunciar a sucessora da Xbox 360, na altura já a caminho dos 6 anos de idade, e as sequelas anuais não iam obtendo a mesma reação dos jogos nas mesmas em anos anteriores. Por outro lado, o efeito Kinect não se estava a materializar como previsto e o equipamento estava a ser ignorado pelos jogadores dedicados.

Dance Central 2, Halo 4, Forza 4, Gears of War 3, Mass Effect 3, Modern Warfare 3 e Tomb Raider foram dos momentos mais espectaculares que foram promovidos pela companhia Norte Americana. Olhando para estes nomes, constatamos que praticamente todos ostentam um número à frente do nome e o ritmo de sequelas anuais ia sendo assegurado. Por outro lado, o reboot de Tomb Raider surpreendia os jogadores de todo o mundo e a Microsoft mostrava todo o seu apoio ao jogo.

E3 2012 - O foco no entretenimento multimédia na Xbox:

Xbox: Entertainment Evolved. Foi este o lema da conferência da Microsoft naquele ano e provavelmente foi dos anos mais fracos para a companhia de Bill Gates. Call of Duty: Black Ops 2, Dance Central 3, Forza Horizons, Halo 4, Splinter Cell: Blacklist, Tomb Raider e Watch Dogs são nomes que temos que respeitar mas ainda assim, somente dois se referem a propriedades intelectuais verdadeiramente inéditas e focadas na oferta de experiências diferentes. Mesmo com moldes familiares.

A integração com a televisão e as funcionalidades multimédia da Xbox 360 foram dos principais focos de uma conferência que teve ainda em Black Ops 2 e Resident Evil 6 dois dos pontos mais altos. Depois da grande confiança demonstrada nos anos anteriores, a Microsoft parecia estar simplesmente a marcar calendário e a promover os últimos fôlegos de uma plataforma que se aproximava dos seus 7 anos de vida.

E3 2013 - A Mais Controversa Conferência da E3:

Foi finalmente em 2013 que a Microsoft apresentou a Xbox One, a sucessora da Xbox 360 que seria lançada em Novembro com um preço de €499 mas apenas num número muito reduzido de países. Apesar da apresentação de títulos fantásticos como Halo for Xbox One Titanfall, Killer Instinct, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Project Spark, Dead Rising 3 e Below, grande parte deles exclusivos da Xbox One, os focos dos jogadores ficaram concentrados nas políticas e filosofias da companhia para a nova consola.

Foi um dos piores anos para qualquer jornalista da indústria, um dos piores anos para qualquer adepto da marca Xbox e para qualquer um que tenha este meio de entretenimento como o seu favorito. Uma visão arrojada, arriscada que quebrava com vários conceitos estabelecidos na indústria (o fim dos jogos usados, a obrigatoriedade da consola estar constantemente ligada à internet, DRM, entre outras) deixaram perplexos os jogadores que ficaram com receios e alguma confusão sobre a visão da Microsoft.

A consola era vista como cara, a presença do Kinect não era compreendida, e todas as restrições e limitações pareciam querer amarrar os jogadores às vontades de uma companhia. Os jogadores sentiram que não estavam a ser respeitados, que não estavam a ser acarinhados pela companhia que tanto lhes havia dado nos anos anteriores. Ainda assim, Ryse, Killer Instinct e Sunset Overdrive foram momentos estrondosos.

No entanto, para a história ficou a palavra "TV", "Live", e provavelmente "Sports". "Games" é que não.

E3 2014 - Voltou o foco aos jogos:

No ano passado a Microsoft deu a volta e focou-se unicamente nos videojogos. Sunset Overdrive, Crackdown, Killer Instinct 2, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Battlefield Hardline, Call of Duty: Advanced Warfare, Halo Master Chief Collection, Forza Horizon 2, Ori and the Blind Forest, Scalebound e Rise of the Tomb Raider mostraram a Microsoft de outrora a procurar oferecer aquela postura que tanto adoramos ao longo dos anos.

Parcerias com estúdios externos para financiar exclusivos, como Scalebound do Platinum Games, Advanced Warfare e Hardline a mostrar as equipas mais populares do género mais popular a funcionar na nova consola Xbox One e ainda exclusivos temporários como Rise of the Tomb Raider a mostrar que a Microsoft ainda sabe caminhar nesta indústria.

Sunset Overdrive é dos mais divertidos jogos que podem encontrar nesta geração, Crackdown é adorado pela comunidade Xbox mas ainda não foi lançado, Forza Horizon 2 é um portento apesar de ter sido lançado na Xbox 360 e Ori é um lançamento digital que cativou a imaginação dos jogadores de todo o mundo.

A Microsoft voltou aos videojogos.

E3 2015 - Continuamos focados nos jogos:

Para esta E3 2015, que começa daqui a menos de uma semana, a Microsoft deverá continuar com a postura que lhe valeu tantos aplausos ao longo dos anos de ouro da era Xbox 360. Além do anúncio de produtos exclusivos que podem apenas encontrar na Xbox One, a companhia deverá dar-nos os mais recentes frutos da sua arte de lidar com as outras editoras. Black Ops 3 deverá ser uma presença mais do que certa, Rise of the Tomb Raider está garantido e Scalebound terá que aparecer.

Fica o desejo do Insomniac Games apresentar algo novo após o sensacional Sunset Overdrive, Halo 5 deverá ser um dos grandes momentos, tal como Forza 6, e será mais do que bem-vindo um carinho especial para o estúdio Rare. Adicionalmente, a Microsoft deverá continuar a promover os seus esforços para a sua loja digital e ainda os habituais avanços nos serviços à disposição.

A integração do Windows 10 e a interacção com outros dispositivos terá o seu espaço mas a companhia vai a todo o custo procurar evitar os momentos de embaraço de outros anos. Acreditamos que tudo se vai focar nos videojogos e na visão da Microsoft para a Xbox One no resto de 2015 e início de 2016. A companhia é criticada por comprar exclusivos e não os desenvolver internamente mas a verdade é que essa arma lhe tem dados imensos frutos.

A Microsoft já não está na posição de liderança que lhe permitia destilar confiança mas poderá na mesma continuar a seguir como uma companhia com um produto de grande qualidade que mesmo com todos os seus defeitos não se esquece da dura lição de 2013: tudo se resume aos videojogos.

Salta para os comentários (39)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (39)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários