Sonic the Hedgehog 4: Episode 1

O bom filho a casa retorna.

A Sega foi muito clara nas intenções quando lançou Sonic the Hedgehog, o ouriço azul super sónico que ficou para sempre cravado na memória colectiva de legiões de jogadores e simpatizantes. Sonic não era apenas um competidor no género das plataformas, vingava na conjugação de plataformas com velocidade ritmo e fluidez, essencialmente sobre como atravessar do ponto A ao ponto B com estilo. Dos movimentos mais entronizados como saltos para plataformas, ataques sobre criaturas robóticas, mas também mecanismos que catapultavam Sonic e tornavam o processo de progressão em cada nível como se de uma prova de 100 metros obstáculos se tratasse, Sonic era único, pelo menos a Sega assim o deixou estar durante algum tempo, e com sucesso, a tal ponto que a personagem chegou a colorir o Williams F1 em 1993.

Antes da passagem para as três dimensões cada exercício de remodelação do original cumpria as expectativas, mas a marcha triunfante cedeu a corda na passagem para o 3D. Perdeu-se a noção de equilíbrio, saiu de cena o ambiente adequado à personagem e reinventaram a jogabilidade, o que significou um avolumar de problemas. A personagem integrava um ambiente que não lhe dava margem de progressão, pelo menos como tínhamos conhecido. O estilo e a execução simples perderam-se.

1
Splash Zone, refrescante.

Muitos anos passaram e todas as tentativas para reciclar a série só conseguiram despertar ainda mais a contestação dos fãs. Dando sinais de impotência para a evolução da série – pelo menos da forma desejada -, a Sega optou, desta vez, por simplificar a tarefa, voltando às origens, aos típicos e coloridos ambientes em 2D, com uma apresentação arrojada fruto do HD, ao mesmo tempo que retocaram o ouriço, mostrando firmeza na recuperação.

Com isto cumpre apurar se ainda faz sentido voltar ao passado da série Sonic e replicar um conceito seguro, mas que encerra algum anacronismo e se ao voltar atrás desta forma o faz cumprindo as metas? No que respeita à última questão, será dada ao longo desta crítica. Quanto à primeira, faz todo o sentido voltar a jogar Sonic num esplendoroso 2D. Não deixa de ser um Sonic revivalista, dirigido para um objectivo muito específico, recuperar a carga emocional e nostálgica.

As plataformas dos jogos curtos e a baixo preço não vive confinada apenas pelas criações originais e recuperações de clássicos em grosso modo, é ainda uma boa base para dar continuidade aos clássicos, uma ponte de ligação a outras gerações como fez a Capcom com Mega Man 9 e 10. É com agrado que vemos rebentar Sonic 4. Com ele despertam lembranças e ergue-se um novo desafio. Vendo bem, Sonic joga-se tão bem, como há quinze ou vinte anos.

De um modo geral, Sonic 4 não introduz grandes alterações à fórmula original. Bastante atractivo visualmente (realçado pela alta definição), a primeira impressão que assume algum destaque mas também estranheza é proporcionada pela jogabilidade. O primeiro contacto revela um Sonic um pouco mais pesado e preso antes de desatar a correr como o conhecemos.

2
Nem Aladino conseguiu um tapete de cartas.

É verdade que perdeu alguma da agilidade imediata, porém esta percepção figura apenas dentro dos primeiros instantes de contacto. O tempo sucessivo que lhe é destinado acaba por eclipsar essa sensação, retomando uma sensação de extrema fluidez e simplicidade, porventura até mais facilitada no trampolim operado pelas molas e roldanas de velocidade. Dantes era necessário cair sobre as molas para obter uma projecção, agora é suficiente ir de encontro à mola para ser catapultado no ar ou pelo chão a toda a velocidade.

Em boa medida a inclusão do "home attack" facilita a fluidez e ritmo de jogo, sendo uma implementação que vem dar nota da boa construção dos níveis. Isto não quer dizer que o jogo decorra de forma automática ou on-rails (os primeiros níveis da Splash Zone permitem esssa ideia). Secções mais avançadas oferecem desafios enérgicos, ainda que seja um prazer arriscar e manter a velocidade mesmo quando é exigida prudência.

De um modo geral os níveis apresentam-se como autênticas montanhas russas. É fantástico entrar com rapidez para recolher o máximo possível de moedas, enfrentar o contra-relógio e procurar mais pontos (podem completar os níveis usando o modo contra-relógio ou pela pontuação máxima para registar o tempo/pontuação nas tabelas on-line).

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (12)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (12)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários