Naruto Shippuuden: Ultimate Ninja Storm 2

Um furacão de paixão.

Se com o primeiro Ultimate Ninja Storm a CyberConnect 2 mostrou que as consolas de alta definição lhes podiam proporcionar a entrega de uma maior qualidade na realização dos seus jogos inspirados na aclamada obra de Mashashi Kishimoto, com a sequela a CyberConnect 2 atesta com todo um estrondoso vigor que a sua paixão por Naruto é tão grande quanto a de qualquer outro fã. São estas as primeiras linhas e indicações que surgem logo no primeiro momento e se prolongam até ao último. Assim que se pega em Naruto: Ultimate Ninja Storm 2 é mais do que agradável ver que o estúdio não se deixou acomodar com as aclamações feitas ao original e procurou melhorar não só enquanto meio de expressar o universo no qual se baseia mas também enquanto videojogo em si. Sem a momento algum revelar medo de experimentar coisas diferentes, sempre de forma ponderada e sóbria.

Ultimate Ninja Storm 2 está para o primeiro exactamente como a série Shippuuden (que pode ser traduzido como As Crónicas do Furacão) está para a primeira série. Shippuden oferece aos fãs algo ainda mais envolvente, um personagem mais maduro e crescido envolvido em combates de tom épico e com uma exposição e desenvolvimento de personagens extraordinário. Uma animação cheia de intensidade e personalidade. O mesmo pode ser dito do jogo que o representa na sua totalidade, pelo menos nos eventos de história central vindos directamente da banda desenhada para a televisão, e tem algo altamente completo para oferecer a todos os que procuram renovar as suas aventuras videojogáveis Naruto.

1
O ninja mais gabarolas de todos os tempos conquista força à altura.

Todas as bases que serviram como fundação à mais do que agradável experiência original foram recuperadas e enquanto umas regressam praticamente iguais, outras mostram várias alterações e novidades. Acima de tudo, há que salientar que as peças chave estão todas de regresso: o modo aventura, o fantástico aparato visual, a jogabilidade fácil e intuitiva e uma enorme quantidade de fan service. A isto temos como principal e mais importante novidade a chegada do modo online que definitivamente marca a diferença e mostra que a CyberConnect 2 e o seu jogo souberam crescer e acompanhar os ritmos da indústria neste espaço de dois anos.

Ultimate Ninja Storm 2 começa precisamente tal como a série na qual se baseia, isto é, imediatamente após o primeiro. Depois de partir com Jiraya para o seu treino, Naruto regressa à Aldeia Escondida nas Folhas passados três anos e tem a maior ameaça da sua vida à sua espera: a organização Akatsuki (cujas intenções podem ser retiradas do seu próprio nome, o alvorecer de uma nova era sob seu controlo). Desde o salvamento do novo Kazekage até à estrondosa luta pela sobrevivência do mundo ninja sob as ruínas da sua amada terra natal frente a Pain, os momentos e batalhas mais icónicas da série Shippuuden são aqui representadas com uma dinâmica que consegue o triunfo de surpreender mesmo aqueles que não pensavam poder ser surpreendidos depois do que viram no original.

Assim que iniciamos o modo aventura ficamos perante a maior alteração que a CyberConnect 2 implementou e uma que nos conquistou imediatamente. A nova abordagem não só o remete para tons que transformam o jogo ainda mais parecido com uma série animada como também evita quaisquer artificialidades para prolongar a experiência com a possível consequência de aborrecer o jogador. Já não estamos restritos à aldeia natal de Naruto, como no primeiro, e vamos passear por várias aldeias e locais do mundo de Naruto assim como percorrer os espaços que as ligam, abrindo o acesso a cenários que nos lembram e aproximam mais da animação. Este completo libertar de restrições faz no entanto que o modo perca o esquema de mundo aberto do original no sentido de um único espaço totalmente acessível que nos dava acesso a toda a aldeia. Agora opta por nos colocar no controlo da personagem ao longo de cenários desenhados à mão com uma perspectiva fixa e que se vão sucedendo entre si consoante progredimos.

2
Desenho animado ou videojogo?

Com isto Ultimate Ninja Storm 2 perde a liberdade do primeiro em prol de um tom mais ao encontro de uma série animada e não tanto jogo, algo que nos agradou e muito. Além do mais, livra-se das artificialidades que serviam para prolongar a longevidade e que se tornavam aborrecidas. Falo claro dos processos que éramos forçados a repetir até à exaustão, tanto para ganhar scrolls como para ganhar dinheiro, e ainda das estranhas e aborrecidas missões secundárias. Agora tudo é mais coeso e com melhor estrutura, estando a todos os momentos envolto num maior tom "animesco" devido à combinação de cenários fixos desenhados à mão como pelo uso de câmaras fixas em pontos de cada respectiva nova secção.

As missões secundárias estão de volta mas já não temos o efeito do primeiro, no qual Naruto parecia estar a contar as suas memórias, forçando o jogador a aceder a um menu próprio para eleger as missões e depois ter que se dirigir ao ponto na aldeia para as activar. Aqui tudo está estruturado de forma similar aos comuns jogos de aventura consoante a história da animação, vamos-nos descolando ao longo do mundo para avançar na história. Ao encontrar personagens espalhadas pelo mundo de jogo podemos aceder a missões secundárias e muitas delas relembram momentos da série e vários elementos como a recolha de itens e consequente criação de objectos ou receitas surge com melhor enquadramento face ao material fonte e mais intuitivo.

Ao viajar pelo mundo vamos poder recolher objectos dos mais variados pontos dos cenários e com esses objectos (que podem ser sementes ou ingredientes, por exemplo) podemos ir a uma loja e criar novos itens para mais tarde comprar e que nos vão ajudar nas batalhas. Os restaurantes estão de volta, ajudando a restituir a barra de energia, e também de volta está a loja na qual compramos os vídeos e as músicas para assistir. Agora com uma acessibilidade muito mais rápida e intuitiva, e a qualquer momento.

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (39)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (39)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários