Viúva Negra é uma merecida homenagem

Um filme de ação com os pés bem assentes no chão.

Hollywood está a tentar regressar à normalidade após a pandemia COVID-19 e a atual realidade permite-te ir ao cinema assistir ao filme "Viúva Negra" ou optar pelo Acesso Premium no Disney Plus. O mais importante é que dois anos depois do anterior filme, Homem-Aranha: Longe de Casa, o Marvel Cinematic Universe está finalmente de volta e com uma autêntica homenagem a Natasha Romanoff. Este é o início da Fase 4 e mostra como uma fantasia de espiões num mundo de criaturas incrivelmente poderosas pode na mesma manter, inesperadamente, os pés na terra. Viúva Negra não é um dos maiores blockbusters da Marvel Studios e acredito que é um dos seus filmes que mais opiniões vai dividir, mas pessoalmente gostei e muito do que vi.

Dez anos após a sua introdução em Homem de Ferro 2, a agente Natasha Romanoff, mais conhecida como a Viúva Negra, interpretada por Scarlet Johansson, teve finalmente direito a um filme com o seu nome no título e focado em si. Acredito que esta homenagem a Natasha peca por tardia, sentimento reforçado pelo posicionamento do filme na linha temporal do MCU (logo após Guerra Civil), mas mais vale tarde do que nunca e para quem cresceu com as bandas desenhadas da Marvel Comics, será fácil ficar entusiasmado e entretido ao longo das 2 horas de duração. Especialmente porque o filme investe no melhor que a personagem deu a este universo ao longo destes 10 anos e vai além da sensualidade, melodias de embalar ou poses bizarras em momentos pré-confrontos.

Ao longo da última década, foram feitos vários esforços na banda desenhada para aprofundar Natasha Romanoff e a essência da Viúva Negra, criando novas camadas além da fachada de uma espiã que luta ao lado de monstros e deuses. Seja na série escrita por Nathan Edmonson que mostra mais das origens e do outro lado "spy-fi" da Viúva Negra, passando pela sensacional série de Mark Waid e Chris Samnee (que inspirou imensas das cenas e conceitos do filme realizado por Cate Shortland), Natasha Romanoff conquistou um espaço só seu na banda desenhada e sinto que até no cinema o conseguiria fazer. Com isto quero dizer que a personagem está num momento muito bom. A mais recente série de Kelly Thompson é candidata a um Prémio Eisner e já nos preparou para um lado mais humano, mais focado na família e nas emoções, que expõe de forma inédita perspetivas sobre quem é Natasha. Vão muito além da unidimensionalidade de uma espiã que agora trabalha para a SHIELD e encontrou nos Vingadores uma família.

A personagem cresceu imenso desde a sua estreia extremamente sexualizada em Homem de Ferro 2 e o papel de Scarlet Johansson na conceção do filme não pode ser menosprezado. As suas palavras de 2012, quando falava da personagem e do porquê se ter esforçado tanto para dar vida a Natasha Romanoff no grande ecrã, fazem agora ainda mais sentido. Segundo comentou na altura, "eu identifico-me com a Viúva Negra. Ela é uma super heroína, mas também é humana," disse Johansson. "Ela é pequena, mas ela é forte. Ela é sombria e enfrentou tantas vezes a morte que tem uma profunda perspetiva do valor da vida. É difícil não a admirar." Esta descrição de Johansson da personagem é incrivelmente certeira e revela precisamente o que foi feito neste filme, o que deixa a pensar que não foi feito porque sim, mas porque já existia todo um conceito e desejo na mente dos responsáveis.

Viúva Negra é muito mais do que um filme de espiões no mundo dos Vingadores, com lutas acrobáticas que desafiam a realidade e ameaças que parecem inultrapassáveis. É um filme sobre pessoas, especialmente mulheres, exploradas desde crianças como instrumentos de morte. É um filme sobre conceitos como família, seguir em frente e quebrar ciclos de dor. Antes do filme começar já esperava ver Johansson a fazer de espiã extremamente perspicaz e a enfrentar situações adversas, especialmente porque é uma fugitiva procurada pelo governo dos Estados Unidos após ter ajudado Steve Rogers a escapar na Alemanha. Tal como Johansson disse, ela é uma super heroína, mas também é humana e toda a dor do passado deu-lhe uma especial perspetiva do valor da vida. Esta é a melhor forma de encarar Viúva Negra, um filme de super heróis, com as explosões e perseguições que isso exige, mas com um inesperado toque humano que me fez ganhar ainda mais respeito por esta personagem.

O olhar ao passado de Romanoff mostra de forma rápida e eficaz como ela cresceu e foi treinada como uma máquina letal, sem qualquer opção de escolha e ao longo do filme vemos como o passado sombrio ficou bem vincado em tragédia, mesmo quando procurava a luz. A relação com personagens como Yelena Belova (Florence Pugh) e como sentiram em conjunto o mais próximo que podiam chamar de família é um dos pontos nucleares da visão de Shortland para humanizar esta mulher, até agora vista como Vingadora ou super espiã. O toque de humanização a personagens com habilidades fora do normal resulta muito bem e mesmo que alguns momentos mais calmos se prolonguem um pouquinho em demasia, as cenas de ação, luta, perseguição e acrobacias à lá Marvel Studios estão todas lá. Isto é verdadeiramente um "Comic book movie" e isso vai agradar a todos os que adoram as bandas desenhadas. Além disso, sendo um filme de espiões, não podia faltar a passagem por uma cidade da Europa de leste, para capturar a essência dos filmes de espionagem dos anos 90.

Misturando claras inspirações nas mais recentes séries BD da Viúva Negra, que já humanizaram imenso a personagem, com diversas liberdades criativas para formar a sua realidade, o filme toma algumas decisões que vão gerar polémica entre os maiores adeptos das BDs, especialmente no que diz respeito a Taskmaster. Este vilão é um elemento incrível no filme. Quando surge, os efeitos sonoros conseguem mesmo tornar a personagem mais imponente, especialmente na forma como criam sempre a sensação de uma ameaça muito mais poderosa do que Natasha, que está constantemente a superar-se para lhe fazer frente e escapar. Acaba por funcionar como uma astuta forma de evidenciar as capacidades da protagonista enquanto lutadora e espiã. No entanto, a origem e quem é Taskmaster vai facilmente dividir as audiências. Apesar de entender o que foi feito, sinto que é um desnecessário cliché que rouba à personagem a possibilidade de conquistar um maior papel dentro do MCU.

Com atores como David Harbour, Rachel Weisz e Florence Pugh, Scarlet Johansson está muito bem acompanhada e acredito que Pugh é um dos melhores elementos do filme. A irmã de Natasha é uma peça instrumental no filme e juntamente com Harbour, o Guardião Vermelho, ajudam-te a descobrir mais do passado de Romanoff e dos problemas que ainda hoje a afligem. Esta exploração do passado de Romanoff serve para aprofundar a personagem e mostrar como conseguiu seguir em frente, apesar dos eventos de Avengers: Endgame nos mostrarem que o seu futuro está imerso em tragédia. No entanto, dá maior profundidade à personagem nesse seu último filme, na ordem cronológica, juntamente com a necessária profundidade para dar maior valor à sua decisão.

Acredito que Viúva Negra é um filme com um tom próximo de "O Soldado do Inverno", com espionagem e ação, mas com os pés bem assentes na terra, o que os tornam muito próprios e diferentes dentro deste mega cósmico Marvel Cinematic Universe. O inesperado foco em temáticas como a família e humanização destas personagens ajuda imenso nisso. No entanto, sinto que é um filme que conquistará muito mais facilmente quem conhece estas personagens das bandas desenhas e menos quem as conheceu pela primeira vez no grande ecrã. É um filme que adorei ver e que me conquistou com a mistura de cenas características dos filmes de super-heróis, com comédia, ação, estilo e ainda espaço para temáticas mais profundas, como destino, inevitabilidade, ciclos viciosos e legados corrosivos.

Salta para os comentários (13)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (13)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários