Trine 4: The Nightmare Prince - Análise - Como um conto de fadas

O regresso da magia.

Dez anos após o lançamento de Trine, então como jogo para o PC, os finlandeses da Frozenbyte atingiram o quarto jogo da série. Um título multiplataformas que parece dar a ideia de sedimentar muitas ideias previamente exploradas, mas que na realidade acaba por funcionar bem. Após três edições de altos e baixos - Trine 3 ainda é o menos consistente e o 2 o melhor -, é legítimo pensar numa quarta produção que retome boa parte do legado, a um eventual rompimento de ideias e incursão no escuro por via de novos processos, como aconteceu com Trine 3. A Frozenbyte optou e bem por desenvolver este quarto jogo da série retomando o melhor da série

Desde logo acaba por aprofundar a magia dos cenários e ilustrar a composição medieval na perspectiva 2.5. Um 2D que na verdade possui profundidade mas que funciona como imagem de marca e identidade de Trine enquanto jogo de plataformas. Este é território mais seguro, a base que ditou o sucesso das duas primeiras produções. Enquanto jogo de plataformas, a sua apresentação toca o impecável, revelando-se um jogo cheio de brilho e arte visuais, mais parecendo um desenho animado no qual jogos de luz e cor assumem um papel de primeira ordem.

1
Visualmente irrepreensível.

Trine 4 distingue-se pela beleza dos cenários. O livro de arte, onde estarão os esboços dos designers, será seguramente uma fonte de inspiração para muitos produtores de títulos de plataformas. O formato scroll 2D não é de forma alguma uma limitação. Muitas vezes a passagem para o 3D conduz a uma perda de brilho e beleza. Basta ver como Trine 3 entrou numa deriva de afastamento face aos títulos originais. Mas é também na execução das suas mecânicas e puzzles que Trine 4 sobressai. As plataformas funcionam como trampolim para uma jogabilidade refinada, ao mesmo tempo que retoma as bases.

Pesadelos reais

Os três companheiros e heróis: Amadeus, Pontius e Zoya, reunem-se para prevenir que males maiores aconteçam depois do desaparecimento do príncipe Selius. As trevas habitam os pesadelos deste nobre aprendiz de feiticeiro. O sono sobressaltado é preenchido por graves criaturas medonhas que a dada altura irrompem no seu mundo, nunca menos que reais e majestosas, enclausurando os pobres humanos. O desaparecimento de Selius numa floresta mágica lança os nossos heróis no seu encalço, numa busca que só não é inédita por via da aproximação a Trine 2, o jogo que ainda funciona como maior inspiração e influência deste novo percurso.

É bom constatar que muitos puzzles e mecânicas se mostram familiares ao fim de algum tempo. Uma proximidade e ligação que no entanto não compromete um sentido de redescoberta e desafio proporcionado pelos novos puzzles, porventura mais autónomos mas dotados de uma especial dinâmica, podendo ser solucionados por diferentes formas. Muitas vezes a solução não é óbvia, mas recorrendo à experiência e combinação de poderes dos heróis, a tentativa e erro quase desaparecem, até porque o jogo contempla soluções cooperativas, tanto a nível local como através do sistema online.

2
Puzzles constituem a melhor parte do jogo.

Boa parte do sucesso de Trine 4 começa por se explicar a partir das áreas e construção dos ambientes. É o "design" novamente a funcionar, tendo os restantes elementos a reboque. Tendo em conta a fantasia medieval como elemento estruturante da obra, como se de um conto de fadas se tratasse, iremos atravessar locais de imensa beleza, e construções seculares de grande magnitude. Montanhas geladas e cobertas de neve, frondosas florestas, castelos em ruínas e túmulos assombrados preenchem o espaço desta aventura em jeito de quadro em movimento. Arte em movimento. Em beleza Trine 4 é cativante e uma das melhores entradas no género plataformas dos últimos tempos. A atenção ao detalhe é abissal, com áreas que parecem pintadas e desenhadas à mão, amparadas por uma luminosidade celestial.

Um por todos e todos por um

É neste quadro espantoso, mais saído de um conto de fadas, que emergem os três heróis. O pesado cavaleiro Pontius tem na armadura, escudo e espada os principais atributos de um guerreiro, podendo enfrentar sem parcimónia as mais ousadas e brutais criaturas. Zoya, a mulher do grupo, é hábil no uso do arpão e do arco, ferramentas que lhe permitem chegar a plataformas e activar mecanismos distantes. Amadeus é o velho feiticeiro, capaz de conduzir objectos, uma operação que possibilita a criação de pontes, por exemplo. Em resumo, os poderes são vastos e diversificados. Depressa se tornam mais úteis e relevantes quando chegamos a puzzles mais complexos e profundos, percorrida a fase inicial, que não é mais do que uma recapitulação dos poderes.

Além disso, por via de uma árvore de desenvolvimento de habilidades, as personagens adquirem habilidades (colhendo as gotas) e outros instrumentos, podendo "trabalhar" nos cenários e dentro dos puzzles com mais ligeireza e amplitude. É a combinação destes poderes com os objectos que dita o sucesso na resolução dos puzzles. As hipóteses são grandes e mesmo diante das soluções múltiplas, teremos de operar no cenário até encontrarmos a saída.

3
Partilha da experiência para o multiplayer cooperativo.

Há um equilíbrio salutar na construção dos puzzles. Talvez seja a maior dificuldade com que se depara um designer, encontrar um ponto de dificuldade que não seja frustrante nem demasiado acessível e ao mesmo tempo criativo. Talvez por isso tenhamos após a fase inicial, a exploração em torno de alguma mecânica. Como se em cada nível existisse uma lição. É uma fórmula interessante, que deixa o jogo respirar e tornar preenchida a aventura, reduzindo os espaços monótonos. Aos puzzles acrescem as mais exigentes "boss fights", confrontos onde também se joga imenso do ponto de vista estratégico. Infelizmente, a maior parte dos combates de rotina até aos chefes de nível é a secção menos inspirada, claramente para obstaculizar o progresso do jogador, forçando a repetição e cansaço. Sem dúvida a parte menos conseguida do jogo.

Mas uma vez superado esse obstáculo que teima em nos acompanhar até ao final é impossível não olhar para Trine 4 como um jogo equilibrado e de jogabilidade sólida. Não deixa de sofrer de alguns problemas já mencionados, mas é nos puzzles e ambientes que parecem saídos da pena de um artista, que acaba por triunfar. Talvez haja nas mecânicas uma revisão da matéria dada - se tiveram a oportunidade de jogar Trine 2, como eu, vão sentir uma experiência muito familiar - mas é um jogo encantador, capaz de deixar boa impressão.

Prós: Contras:
  • Qualidade da arte
  • Regresso às plataformas 2.5D
  • Puzzles dinâmicos
  • Boa longevidade
  • Ambiente conto de fadas
  • Os combates tornam-se repetitivos
  • Guião com momentos menos inspirados

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (7)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (7)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários