6 coisas que queremos na Nintendo Switch Pro

Há margem para melhorar a consola.

Actualização 25/03/2019: Em resposta ao rumor do Wall Street Journal que aponta para dois novos modelos da Nintendo Switch em 2019, decidimos voltar a partilhar o nosso artigo em que enumeramos a nossa lista de desejos para um modelo Pro da Nintendo Switch.

Artigo Original - 28/11/2018

Uma nova versão da Nintendo Switch parece inevitável. Não dizemos isto apenas porque as fontes do Wall Street Journal apontam que uma nova versão da consola será lançada já em 2019, mas porque historicamente as portáteis da Nintendo receberam sempre novas versões e revisões. Foi assim na Game Boy, na Game Boy Advance, na Nintendo DS e mais recentemente na Nintendo 3DS. A Nintendo Switch é uma consola híbrida, o que significa que também é uma portátil, e a história da companhia sugere que eventualmente haverá uma nova versão com melhorias e novidades.

Com isto em mente, tomámos a liberdade de elaborar uma lista com as novidades e melhorias que gostaríamos de ver numa nova Nintendo Switch. Entre as comunidades online, há quem já tenha baptizado o futuro modelo de Nintendo Switch Pro (seguindo a lógica da PlayStation 4 Pro), se bem que é altamente improvável que o nome oficial do novo modelo seja este. A ideia do nome é que o próximo modelo da Nintendo Switch será mais robusto e completo, levando em conta o feedback dos utilizadores desde o lançamento da consola em Março de 2017.

Não vamos pedir nada que não seja razoável.

Ecrã OLED

Já vimos pessoas a pedirem um ecrã 1080p para a Nintendo Switch, mas é um pedido que não faz sentido por várias razões. A primeira é que a Nintendo Switch não consegue correr todos os jogos a essa resolução, nem mesmo no modo docked, em que o processador está a correr em overclock. Se a consola não consegue correr todos os jogos a 1080p na televisão, também não será capaz de o fazer modo portátil, em que o seu desempenho está um pouco mais limitado. Portanto, a não ser que a Nintendo Switch Pro tenha um aumento de poder considerável no hardware, um ecrã 1080p não faz sentido.

Uma melhor sugestão é um ecrã com a mesma resolução do actual (720p) mas com tecnologia OLED. A PlayStation Vita, a descontinuada portátil da Sony, tinha um ecrã OLED e a apresentação dos jogo era fantástica, isto em 2012 (convém referir que a Sony depois lançou um modelo actualizado com um ecrã LCD, tornando o primeiro modelo numa relíquia). Desde então que a tecnologia continuou a evoluir e hoje está ainda melhor. Ainda existe a questão do preço. Um ecrã OLED é mais caro do que um LCD, e além disto, nenhuma das tecnologias é perfeita, mas os ecrãs OLED têm um contraste muito maior (porque cada pixel tem iluminação individual e podem ser desligados) e maior fidelidade nas cores. A maioria dos smartphones topo de gama usam hoje ecrãs AMOLED, uma variação da tecnologia OLED.

55POS9002_12_IMS_pt_PT
Uma TV OLED da Philips.

Publicidade

Salta para os comentários (52)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Comando da PS5 revelado em nova patente

O Dualshock 5 mostra ligeiras diferenças sobre o 4.

Mudar o design de Sonic para o filme custou $35 milhões

As reacções são incrivelmente positivas, mas o custo foi elevado.

Também no site...

Dead Island 2 continua vivo, assegura editora

O resultado final será o mais importante.

Pokémon Sword e Shield entre os mais populares no Twitch

À frente de FIFA 20, Call of Duty: Modern Warfare e GTA5.

Mudar o design de Sonic para o filme custou $35 milhões

As reacções são incrivelmente positivas, mas o custo foi elevado.

Comentários (52)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários