A Electronic Arts tem muito a provar em 2019 e as vendas mais fracas de FIFA 19, perante os anos anteriores, estão a deixar os analistas preocupados com a performance da editora.

Timothy O'Shea da Jefferies é a voz dessa preocupação perante a incerteza sobre a prestação da EA para os próximos 12 meses.

Segundo avançado pela CNBC, a reacção imeditada foi baixar o valor das acções da editora e a recomendação aos potenciais investidores de aguardarem a sua intenção de compra, enquanto não são reveladas novidades para 2019.

"É precisamente na área dos jogos não desporto que a EA mais precisa melhorar."

"Excluindo os jogos de desporto, a EA lançou uma série de falhanços. Mass Effect Andromeda obteve um Metacritic de 71. Need for Speed teve uma avaliação de 62 no Metacritic. Star Wars Battlefront 2 foi alvo de uma gigantesca onda de críticas dos fãs," disse o analista.

FIFA e o seu modo Ultimate Team é a galinha dos ovos de ouro da Electronic Arts, mas as micro-transacções e caixas de loot ainda permanecem um assunto controverso quando associado especialmente a esta editora.

O'Shea relembra o que aconteceu no lançamento de Star Wars Battlefront 2 e como as críticas negativas às caixas de loot forçaram a EA a removê-las do jogo, algo que poderia afectar FIFA e o modo Ultimate Team.

Agora, os investidores são recomendados a esperar pelo lançamento de Anthem e pelo anúncio de novidades para 2019 antes de investirem na companhia, que em anos anteriores era vista como um investimento garantido.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão