Se muitos objectos podem brilhar no escuro, os efeitos 3D brilham ainda mais. Apresentado numa perspectiva lateral fixa, que discretamente se aproxima ou se afasta do protagonista, podendo apontar para pontos cimeiros, quando Luigi inclina o tubo do Sugospectro, o efeito 3D fica claramente marcado por uma notável sensação de profundidade. Há momentos específicos que realçam o efeito. Numa subida de piso, Luigi usará uma espécie de balão para o puxar até ao piso superior. Contornando obstáculos pelo meio, só conseguirá atingir a plataforma afastando-se do fundo em direcção ao ecrã. Outro exemplo sucede quando Luigi avança ao longo de um corredor Para se atestar o grau de desenvolvimento dos efeitos basta puxar o slider 3D da posição de desligado até ao máximo para se tornar bem perceptível a profundidade da área.

Em termos visuais a Nintendo fez mais um trabalho notável. Desde a estável frame rate em cenários repletos de objectos que implicam maior renderização, à excelente animação de Luigi, estupendamente caracterizado, aos efeitos de luzes, contraste, são tantas as subtilezas de modo que se torna impossível não ficar satisfeito e conquistado cada vez que se activa um mecanismo ou se completa um puzzle. Depois há aqueles efeitos como a chuva que passa pelas janelas quebradas e forma pequenas poças, os espelhos que mostram dois Luigi, criando uma sensação altamente cartoon, mas realista e sempre num 3D muito seguro e altamente personalizado.

Aos excelentes efeitos visuais, acresce uma sonoridade relevante, repleta de temas marcantes e conhecidos (a música de introdução é o mote perfeito para uma sonoridade única) mas também descobrimos composições adequadas a incrementar a tensão, dando por vezes lugar às sonoridades como as passadas de Luigi. Se usarem o d-pad podem dar voz ao protagonista através de tímidos "Hello?" quando as pernas tremem e Luigi mais parece um pote de pólvora prestes a explodir de tanto medo. Neste alinhamento visual e sonoro a dimensão cómica é outra constante, sendo um dos factores que garante extrema personalidade e exclusividade à obra, especialmente quando Luigi começa a trautear o tema sonoro que passa no momento, talvez para afastar o medo abundante que o invade.

"Em termos visuais a Nintendo fez mais um trabalho notável."

A Torre dos Sustos é a designação dada ao modo reservado para vários jogadores. Até um máximo de quatro, o multiplayer pode ser partilhado através de rede local ou em partidas online. Ao modo local os produtores acrescentaram uma versão limitada da Torre dos Fantasmas, mesmo que estes não tenham o jogo, através de download. Na plenitude das funções locais ou por via online os jogadores podem organizar-se em torno de três modos de jogo: o modo Caça implica que os jogadores tenham de cooperar entre si para capturar todos os fantasmas durante um tempo limitado. O modo fantacães põe à prova a vossa habilidade para usar a luz negra para sugar um canino fantasmagórico, enquanto que no modo Tempo o objectivo é fugir para o piso superior antes que o tempo se esgote. A ligação online permite que se conectem não só com os amigos da vossa lista, mas também com jogadores de todo o mundo.

A solo ou partilhado com amigos, Luigi's Mansion 2 é uma experiência essencial para a portátil da Nintendo. Não só é um dos jogos mais aguardados para a 3DS, como é um dos jogos que a consola mais aguardava. Numa aventura fantasmagórica recheada de desafios, vemos emergir um protagonista inusual que rapidamente nos conquista pela sua postura, tom cómico, mas também pela sua capacidade para resolver puzzles. Sem pontos negativos relevantes, fica mais uma vez patente como a Nintendo é das poucas produtoras que cruza muito bem criatividade com aproveitamento do potencial da consola. Em termos visuais, a sequela de um jogo originário da GameCube pouco ou nada fica a dever ao clássico e ainda se revela mais alargado em termos de conteúdo e modos de jogo. Capturar fantasmas a partir do Sugospectro nunca foi tão divertido. Um must buy.

9 /10

Publicidade

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.