Resident Evil: Revelations

Passado revela caminho do futuro.

Depois da sua apresentação há mais de um ano, Resident Evil: Revelations para a Nintendo 3DS começou a criar furor por diversos motivos. Entre a comunidade de fãs da série em particular, Revelations mostrou-se como um promissor título com uma história que vem acrescentar mais uma fatia a tudo o que já sabemos e com um tom mais escuro e mais pausado do que os mais recentes. Resident Evil 5 ficou aquém das expectativas dos fãs quando se apresentou mais como um jogo de ação na terceira pessoa a promover o kick-ass do que propriamente o desafio de sobrevivência e a sua vontade em querer desafiar e intimidar o jogador. Numa altura em que cada título é essencial para a sobrevivência de cada série e não existe espaço para "experiências", é muito importante ouvir o que os fãs querem e precisam. Essa parece ter sido a principal preocupação da Capcom para este novo Revelations.

Para todos os outros que não são fãs de Resident Evil, este novo Revelations surgiu imponente e único na sua capacidade de mostrar o potencial gráfico da nova portátil Nintendo 3DS. Certamente que não há maior elogio para esta versão adaptada do motor da Capcom, o MTFramework, e melhor elogio para a máquina que lhe dá vida, que os fãs colocarem em causa o que estão a ver, se é tempo real, pré-renderizado ou até CGI. Certamente que encheu de alegria os membros das duas companhias Japonesas quando ouviram comentários sobre a sua qualidade e certamente animou a Nintendo quando o uso do 3D neste caso em específico foi aclamado como um exemplo do 3D a beneficiar um jogo no seu ambiente e no envolvimento com o mesmo.

1
Jill Valentine regressa e o caminho do futuro é feito em chão familiar.

Depois de vários trailers que impressionaram quanto ao que está a ser preparado e depois da demonstração do primeiro vídeo em 3D na apresentação em Portugal, tivemos a oportunidade na E3 de o jogar. A demonstração em si era curta e menor ainda foi o tempo que tivemos disponível para estar com ela, mas mesmo assim o tempo que tivemos para jogar serviu para dar algumas indicações de como Revelations espera surpreender os fãs e de como recupera o passado onde provavelmente mais conta e como acena a todos os fãs que pediram para não cometer mais erros.

Revelations decorre entre Resident Evil 4 e Resident Evil 5, como explicado pelos membros da Capcom e não após a mais recente entrada na história como inicialmente previsto. Os personagens principais são novamente Chris Redfield e Jill Valentine e neste regresso ao passado em jeito duplo, foi na pele de Jill que tivemos o primeiro contacto jogável com o jogo. Foi a corajosa agente das forças especiais que estava de serviço e foi com ela que conhecemos os argumentos que Revelations vai ganhando consoante deixa o estatuto de demo técnica para jogo em avançado estado de desenvolvimento, para conquistar os fãs.

A primeira coisa que imediatamente percebemos, e nos agradou, foi que jogamos de noite e jogamos num ambiente fechado dentro de uma mansão. Isto pode soar como uma tentativa de emular o primeiro e aí conquistar atenções fáceis, mas em termos de ambiente e atmosfera não há dúvida que isto é Resident Evil. Ambientes escuros e de dimensões reduzidas, que nem sempre nos permitem manobrar com facilidade, luzes que vão dando lugar a formas estranhas e que nos deixam desconfortáveis. Nesta era da alta definição as companhias têm a tendência de à força quererem mostrar um poderoso motor gráfico e dar toda a informação ao jogador, não precisa de pensar ou imaginar, senta-se e assimila. Aqui a Capcom dá a base, dá o ambiente e todo o desconforto daí resultante está intimamente ligado à imaginação do jogador e ao que ele pensa que vai surgir para o atacar.

2
A Capcom parece empenhada num tom cinematográfico.

Sem dúvida que em termos de ambiente estamos perante um clássico na série e até o próprio ritmo da demo era bastante diferente do tom de ação de Resident Evil 5. Os objetivos eram intuitivos mas nem sempre descarados e mesmo num curto espaço de jogo, fomos forçados a pensar e mais do que isso, não estamos perante um caso tão simples quanto seguir em frente. Outra das grandes novidades de interesse é ver como a Capcom está a utilizar as propriedades únicas desta portátil e tendo em conta que estamos perante um jogo de "peso" na série, é importante saber se existe aqui algo que pode vir a afetar o futuro da mesma.

A posição de Jill no ecrã é exatamente igual à de Chris e Sheva em Resident Evil 5, ou seja, está situada na parte esquerda do ecrã. Movimenta-se com grande graciosidade e toda a ação é fluida. Tal como os dois anteriores na série principal também este vai apresentar uma câmara por cima do ombro. Revelations é um daqueles jogos que quer mesmo apresentar um grande argumento a favor do 3D na plataforma Nintendo. Sem o efeito 3D o jogo é belo de ver mas com este efeito ativado todo o ambiente ganha uma carga de profundidade simplesmente incomparável. É uma daqueles jogos que simplesmente não consigo jogar sem o 3D ativado.

Salta para os comentários (8)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (8)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários