MySims Kingdom

Um reino aborrecido.

Coloquemos o óbvio de parte. MySims Kingdom é, sem margem para dúvida, uma tentativa da Electronic Arts de imitar a fórmula de Animal Crossing. Apesar de se tentar encostar à volumosa franquia “Sims”, pouco lhe é relacionada. MySims Kingdom trata da gestão de uma vila e das interacções entre os seus habitantes. No seguimento da história do jogo, a cidade onde habitamos é “destruída”, recaindo sobre nós a responsabilidade de a reorganizar.

É complicado não traçar o paralelo pela negativa, pois a oferta da Nintendo simplesmente funciona melhor, seja pelo charme dos personagens, seja por oferecer muito mais actividades. Graficamente o jogo parece apostar também num estilo similar, bastante simples e limpo. Tendo em conta as limitadas capacidades da Nintendo DS para processar gráficos 3D, a Electronic Arts conseguiu um saudável equilíbrio entre a "direcção artística" e gráficos suficientemente complexos. Mas mesmo neste campo as influências de Animal Crossing - nomeadamente, nas paisagens - é notória.

1
Pobre do cão que foi assassinado para ornamentar a cabeça deste jovem.

A componente sonora mantém-se fiel ao espírito de todo o jogo, com muitos barulhos agudos e músicas simples e calmas. Nada de original, é certo, mas acompanha a acção (ou falta dela) a todo o momento, e é daí que nasce o grande problema, a falta de variedade da banda sonora.

Ainda assim, não existem verdadeiros defeitos a apontar a MySims Kingdom. Tudo passa por repovoar a cidade com várias lojas e locais, que atraem outros participantes e turistas, num crescendo populacional. Isto consegue-se falando com os vários locais e atendendo às suas necessidades (algo que muitas vezes resulta em mini-jogos). Existe um ciclo dia/noite, e a cidade mantém-se sempre activa.

Interagir com os locais baseia-se num sistema de ícones que estão associados a emoções. Na prática isto resume-se a carregar muitas vezes no ícone apropriado para o personagem com que estamos a falar de forma a mantê-lo satisfeito, mais um conceito interessante que se resume a uma implementação preguiçosa. Ainda assim, existem elementos a elogiar, como o mapa que aparece no ecrã de topo e que mostra toda a cidade de forma compreensiva, ou o relógio que nos indica quanto tempo falta para as diferentes actividades.

Apesar de o jogo se apoiar muito neles, os mini-jogos não impressionam (e jogá-los uma segunda ou terceira vez é um suplício). As recompensas em dinheiro são (felizmente) generosas, o que significa que quase todos os objectos estão ao nosso alcance (financeiro) a curto prazo.

Este é o síndrome de todo o jogo. Nada funciona intrinsecamente mal, mas o desafio é quase inexistente e os personagens com que interagimos são banais, o que torna toda a experiência muito leve. A reduzida longevidade do jogo vem apenas intensificar este sentimento.

Claro que para um jogador mais novo - para os quais se dirige este título - esta simplicidade pode até ser encarada como uma vantagem, sendo também de apontar que o jogo está totalmente traduzido para o nosso português (existem algumas traduções menos bem-conseguidas mas nada que prejudique o todo), uma atitude a elogiar da Eletronic Arts.

6 /10

Publicidade

Conteúdos relacionados

Moon Knight e She-Hulk serão séries live action no Disney+

Bruce Banner deixou de ser o único Hulk.

Série The Mandalorian recebe primeiro trailer

Pedro Pascal protagoniza a série de Star Wars.

Dev Kit PS5 renderizado em 3D

Será uma amostra do design da consola.

Também no site...

Comentários (2)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários