Kill la Kill: IF - Análise - Excêntrico e simples

A Arc System Works aposta na irreverência.

Um jogo simples, mas com mecânicas suficientes para sentir alguma profundidade. No entanto, poderá cansar rapidamente.

Além de desenvolver aclamados jogos como BlazBlue: Cross Tag Battle, Guilty Gear Xrd -REVELATOR-, BlazBlue: Central Fiction e Dragon Ball FighterZ, a Arc System Works - que se tornou justificadamente na querida dos adeptos dos anime fighting games, também ajuda no lançamento de jogos de outras companhias. Recentemente, a Arc System Works aliou-se à A+ Games para desenvolver Kill la Kill: IF, inspirado na popular anime da Studio Trigger.

Kill la Kill: IF foi desenvolvido em colaboração com os principais responsáveis pela anime e representa uma fatia adicional de narrativa nessa excêntrica e louca animação japonesa. Ryuko Matoi e Satsuki Kiryuin volta a figurar como a tua principal porta de entrada na Academia Honnouji, onde os Uniformes Goku permitem aos seus estudantes adquirir habilidades especiais - através das suas Life Fibers.

IF pretende ser tão excêntrico, bem humorado e louco quanto a anime onde se inspira, mas nesta primeira adaptação da obra da Studio Trigger para videojogo, a aposta num sistema de combate altamente simples nem foi o seu principal problema. Kill la Kill: IF é um jogo de prazer imediato e até enverga alguma profundidade nas suas mecânicas, mas é difícil jogá-lo sem sentir que é um jogo de baixo orçamento, vendido a preço completo e sem argumentos para justificar essa decisão.

Excentricidade anime e um gameplay altamente simples

Quando inicias o jogo, és praticamente forçado a jogar o Story Mode - onde vais desbloquear mais modos. Como seria de esperar num jogo tão fortemente inspirado numa anime, este modo é praticamente uma longa animação com combates pelo meio. Inicialmente, apenas terás acesso ao Capítulo de Satsuki e ao progredir vais desbloquear modos e acesso a mais personagens. No entanto, este modo é penoso e nem sempre divertido.

Poucas arenas de combate (que já de si são muito vazias, pouco detalhadas e sem apelo visual), segmentos repetitivos onde tens de enfrentar diversos inimigos, boss fights horríveis e cheap, e os poucos movimentos por personagem fragilizam o principal modo de Kill la Kill: IF. Após a curiosidade inicial, poderá ser difícil justificar-se como uma proposta a médio prazo.

O sistema de combate consegue ser um dos seus melhores valores, apesar da extrema simplicidade. A A+ Games e a Arc System Works trabalharam em mecânicas que favorecem o dinamismo e fluidez, onde poderás ter momentos electrizantes, dignos da anime. No entanto, rapidamente darás por ti a repetir as mesmas tarefas e sem margem para nuances ou derivações nos teus comportamentos. O mais importante será interpretar os movimentos do adversário e reagir de acordo.

Em Kill la Kill: IF os personagens são controlados com apenas 5 botões (dois deles para proteger e saltar). Ataques físicos, longo alcance e o Guard-Break, que projecta o adversário e o deixa pronto para um dash, são os principais movimentos deste jogo. Isto revela bem a simplicidade deste sistema de combate. O principal valor será reagir rapidamente e saber qual deles usar e o martelar dos botões dificilmente resultará pois terás sempre uma forma de ripostar (nem que seja com um side-step). Deste modo Kill la Kill: IF combinr um gameplay frenético, por muito simples que seja, com uma estética anime para criar um perfil interessante. Mas nada mais consegue do que isso.

"Ostenta a irreverência da Arc System Works, mas não a finesse dos seus jogos."

Apesar das arenas exageradamente simples, os visuais anime combinam muito bem com o gameplay simples e imediato. Kill la Kill: IF apresenta alguns momentos bem entusiasmantes e até consegue divertir... por algum tempo. A ausência de combos ou maior margem para intercalar movimentos e diferenciar as animações que vês constantemente, prejudicam a sua saúde a médio prazo.

Kill la Kill: IF é um jogo com poucos argumentos para justificar o seu preço completo. O gameplay simples e frenético é um dos seus melhores valores e permite alguns bons combates, algo que combina bem com os visuais que tentam recriar uma anime interactiva. No entanto, tudo o resto deixa muito a desejar. Sejam os poucos modos de jogo, os bosses do Story Mode, as arenas vazias e repetitivas ou até a ausência de combos mais profundos fazem com que Kill la Kill: IF seja um jogo demasiado específico e limitado.

Prós: Contras:
  • O sistema de combates acessível permite combos espectaculares e vistosos
  • Longas cutscenes anime repletas de excentricidade
  • Mecânicas de jogo introduzem alguma profundidade
  • O sistema simples poderá tornar-se repetitivo rapidamente
  • Pouca variação nas arenas
  • Poucos modos de jogo
  • Ragyo é uma boss fight extremamente cheap
  • Mais parece uma experiência do que propriamente um jogo a preço completo

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (3)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

RecomendadoDragon Ball FighterZ - Análise

A Arc System Works mostra que sabe cantar o fado!

Marvel vs. Capcom: Infinite - Análise

Dois universos populares voltam a encontrar-se.

RecomendadoARMS - Análise

Ginástica corporal.

Também no site...

Novo olhar a The Witcher da Netflix

Henry Cavill explica o que é um Witcher.

Tekken faz hoje 25 anos

Foi lançado a 9 de Dezembro de 1994 no Japão.

Nova Nintendo Indie World anunciada para amanhã

Vinte minutos com indies Switch.

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários