Phil Spencer diz que o número de consolas vendidas não é o negócio

O número de jogadores que jogam e compram jogos é o mais importante.

Phil Spencer, patrão da divisão Xbox da Microsoft, é uma das principais figuras da indústria dos videojogos, visto pela comunidade Xbox como um dos principais responsáveis por revitalizar a imagem da marca.

Spencer está presente na E3 2019, que decorre actualmente em Los Angeles, nos Estados Unidos da América, onde apresentou diversas novidades na conferência da Xbox - a Project Scarlett, consola de próxima geração foi um dos destaques.

Numa entrevista com o The Verge, Spencer foi questionado precisamente sobre o lançamento da Xbox Project Scarlett no final de 2020 e o que isso implica para a Xbox One X - lançada em Novembro de 2017 e promovida como a "consola mais poderosa de sempre".

Para Spencer, o mais importante neste negócio não é o número de consolas vendidas, mas sim o número de jogadores que estão a jogar os jogos que compram e como os jogam.

"O que eu quero que penses nisto é nos jogadores, não na versão específica da consola que têm. Penso que a questão é, 'Existe um consumidor para a consola com a melhor performance e existem consumidores suficientes onde isso faz sentido?' Se alguém comprou uma Xbox One X ontem, quero que sintam completamente que terão uma experiência fantástica durante anos."

"Também quero ser o mais transparente que consigo com eles sobre o calendário de lançamentos. Se alguém está com uma Xbox One original e estão a pensar na X, podem tomar a sua decisão sobre qual plataforma querem ter."

"Não preciso vender qualquer versão específica da consola para alcançarmos os nossos objectivos de negócio. O negócio não é quantas consolas vendes. O negócio é quantos jogadores estão a jogar os jogos que compram, como jogam. Se alguém comprou uma Xbox One original no dia de lançamento e estão a comprar e a jogar jogos, não tenho de lhes vender uma S. Não tenho de lhes vender uma X."

"Se querem permanecer na Xbox One que têm e permanecer um grande membro da nossa comunidade ou subscrever ao Game Pass, é um bom negócio para nós."

Spencer diz que é fácil julgar o negócio de acordo com o número de consolas vendidas, mas existem factores mais importantes.

"Penso que é fácil, para quem está de fora, julgar a saúde do nosso negócio em torno de quantas consolas qualquer companhia vende. No final, quantos subscritores tens em algo como o Game Pass, quantas pessoas compram, essas métricas são muito melhores para a saúde do negócio."

Salta para os comentários (156)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Atualização para Ghost of Tsushima Director's Cut

Já podes adquirir seda ao mercador no NG+.

Destroy All Humans 2 remake revelado antecipadamente pela Sony

Foi avistado algo curioso antes de desaparecer.

Diretor de Astral Chain trabalha em novo projeto

Mas ainda não está pronto para o revelar.

Marvel's Spider-Man 2 estava a correr em tempo real na PS5

Confirmado por Bryanna Lindsey da Insomniac Games.

Também no site...

Comentários (156)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários