Uma das sequelas mais faladas dos últimos anos e que nunca se materializou é, sem dúvida, Alan Wake 2.

O primeiro Alan Wake, lançado para a Xbox 360 e mais tarde para PC, rapidamente se tornou num clássico na Xbox 360. Todavia, apesar do interesse numa sequela demonstrado pela Remedy, nunca chegou a acontecer.

O motivo é simples. Tanto Alan Wake como Quantum Break, uma nova propriedade intelectual que se estreou na Xbox One, pertencem à Microsoft. É a Microsoft que tem os direitos de ambas as propriedades intelectuais e, como tal, é quem decide ultimamente se há sequelas ou não. Obviamente, isto também exclui a possibilidade dos jogos serem lançados em plataformas rivais.

Tero Virtala, o CEO da Remedy, explicou ao GamesIndustry este detalhe, revelando que ambas as propriedades intelectuais pertencem à Microsoft e que não cabe ao estúdio decidir se haverá sequelas ou não.

"Considerando o nosso historial... Alan Wake foi realmente interessante, mas foi uma colaboração com a Microsoft. Devido a certas razões, nunca teve uma sequela. Em Quantum Break também colocamos um grande esforço em criar o mundo, as personagens, as histórias, mas a PI continua a pertencer à Microsoft. Eles decidiram não levá-la mais longe," disse Virtala.

É por isso que com Control, o novo jogo multiplataformas da Remedy que foi revelado na E3 2018, a Remedy lutou para manter os direitos da propriedade intelectual, de forma a garantir que tem controlo absoluto sobre o jogo e o seu futuro.

Publicidade

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Mais artigos pelo Jorge Loureiro