YS VIII: Lacrimosa of Dana - Análise - Perdido na ilha

Um Action RPG onde o gameplay é o seu maior valor.

A Falcom criou um Action RPG cujo gameplay é altamente viciante, ao ponto de esqueceres que praticamente tudo o resto deixa a desejar.

Lançado originalmente no Verão de 2016, Ys VIII: Lacrimosa of Dana chegou em 2017 à PlayStation 4. Agora, em 2018, teve direito a uma versão PC e, mais recentemente, a uma versão híbrida na Nintendo Switch, onde finalmente tivemos oportunidade de descobrir a nova aventura de Adol. Vindo de uma companhia Japonesa sem orçamento para produções de grande envergadura, Ys VIII poderá surpreender muitos jogadores pela forma como coloca a Falcom demonstra ter conhecimento do que importa - o gameplay.

Ys VIII: Lacrimosa of Dana é um Action RPG cujo gameplay poderá frequentemente lembrar um hack and slash e apesar de ser fácil ver que graficamente não é tão evoluído quanto outros jogos que chegam ao mercado, os seus méritos brilham muito mais do que os seus muitos defeitos. Existe um lado muito bom e um lado menos bem conseguido em Lacrimosa of Dana, mas com a merecida oportunidade, poderás ficar perante um jogo para longas horas.

Tal como os seus gráficos extremamente humildes, Ys VIII apresenta-te uma história com pouco interesse e um elenco sem grandes destaques. De igual forma, se gostas de ver um bom desenvolvimento de personagens e arcos narrativos fortes, terás de procurar noutro lado. Adol e companhia acabam naufragados na ilha de Seiren, um local que reserva imensos mistérios e criaturas imponentes. Enquanto tentas encontrar uma forma de escapar, terás de explorar a ilha, derrotar monstros para obter recursos, proteger a aldeia com os náufragos que resgatas na exploração e correr freneticamente pelos diversos locais enquanto exploras um argumento sem destaques.

Existem diversos mistérios nesta ilha amaldiçoada e muitos motivos para Adol continuar a correr pelas montanhas acima, mas nenhum deles te deixará verdadeiramente rendido. Apesar de longas cutscenes repletas de embaraço e algum fan-service, Ys VIII: Lacrimosa of Dana brilha nos momentos em que estás a controlar Adol ou um dos vários outros personagens num sistema de combate frenético, acessível e divertido

1
A ilha é enorme e ocasionalmente terás direito a panorâmicas como esta, que impressionam mesmo com os gráficos humildes.

Nos seus melhores momentos, Ys VIII relembra clássicos como Phantasy Star Online e mesmo para quem nunca jogou um anterior jogo da série, não existem quaisquer entraves ou dificuldades no acesso a este novo jogo. Adol e companhia percorrem a enorme ilha de forma incrivelmente fluída, enfrentam monstros sem qualquer ecrã a interromper a acção e executam combos de forma altamente acessível. Também podes usar habilidades especiais e quando preencheres a respectiva barra, poderás desencadear um ataque devastador.

É este gameplay de grande ritmo e altamente acessível que fazem com que Ys VIII se torne surpreendentemente viciante. A facilidade e velocidade com que todos os procedimentos são feitos - desde a defesa da aldeia nas Raids, a exploração da ilha, viagens rápidas, missões secundárias, recolha de itens para a melhoria de equipamento ou armas, encontrar pontos de destaque a enfrentar poderosos bosses, tudo funciona e diverte. A Falcom cumpre no que mais interessa, no gameplay e isso é de grande valor.

Ys VIII é um jogo que vai tomando conta de ti e quando dás por ela, estás agarrado. Mesmo que os visuais não sejam grande coisa, conseguem momentos e paisagens belas que vais gostar de apreciar. Esta é uma sensação que se pode aplicar a quase tudo neste Action RPG, é simples, mas ainda assim as coisas funcionam. Na versão Switch, a resolução salta constantemente quando jogas no modo mobile, para dar primazia à performance, conseguindo uma firmeza que o torna mais divertido. Não é um jogo ambicioso em termos da tecnologia, mas consegue destacar bem os seus encantos.

2
O sistema de combate será a verdadeira razão pela qual jogas Ys 8 e não há problema nenhum nisso.

Este é um jogo no qual facilmente passarás 40 horas e existem diversos incentivos para te manter mais tempo aqui, especialmente porque o gameplay te incentiva a combater inimigos mais ferozes. A Falcom consegue ainda na Switch um benefício extra - é muito fácil pegar no jogo e jogar sessões curtas para treinar personagens em qualquer lugar. Quando chegas a casa podes continuar e enfrentar uma Raid à aldeia ou simplesmente assistir a uma longa cutscene de história.

Ys VIII: Lacrimosa of Dana é um Action RPG extremamente divertido e que consegue agarrar-te após algumas horas. A Nihon Falcom não tem capacidade para criar JRPGs de grande orçamento como outras companhias Japonesas, mas tem o conhecimento e desejo de criar títulos apelativos, capazes de entreter por horas a fio. Lacrimosa of Dana apresenta um gameplay tão divertido que consegue ter mais peso do que outros elementos menos bem conseguidos, como a história e os personagens. Se gostas de um bom Action RPG então não hesites.

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (24)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (24)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários