NBA Playgrounds - Análise

Falta-lhe resistência.

O gameplay arcade consegue divertir mas algumas mecânicas confusas prejudicam a experiência. Precisa de mais modos de jogo e mais opções.

Enquanto a Electronic Arts mantém as séries NBA Street e NBA JAM adormecidas (o mais recente Street é de 2007 e o mais recente JAM é de 2011), a Saber Interactive decidiu chegar-se à frente e apresentar a sua proposta: NBA Playgrounds. Tal como o nome desde logo evidencia, este é um jogo de basquetebol em que o recinto é um autêntico recreio para os atletas da NBA. É o tipo de jogo com uma postura arcade que significa um gameplay imediato e fácil de pegar, mas suficiente profundidade para assegurar que os mais apaixonados por este desporto conseguem retirar algo daqui a longo prazo. Pelo menos é o que isso significava em aclamadas séries que tentaram algo similar, e algo que tentamos descobrir com esta nova proposta da Saber. Será que Playgrounds está à altura de Street ou JAM na hora de te entusiasmar com o basquetebol acrobático?

Depois de anos sem um jogo arcade de basquetebol, o entusiasmo para este NBA Playgrounds era mais do que muito. Os trailers promocionais deixavam antever uma qualidade gráfica muito apelativa, personagens em estilo caricatura (como não podia deixar de ser) combinados com um gameplay rápido e dinâmico, capaz de espantar o jogador com as suas acrobacias. Após largas horas com o jogo, foi-me possível constatar que grande parte do que é prometido está efectivamente presente em NBA Playgrounds. No entanto, algumas mecânicas interferem com o desfrutar do jogo e os conteúdos são escassos. Mas primeiro vamos por partes.

Assim que começas NBA Playgrounds recebes carteiras de cromos que depois de abertas te oferecem acesso a diferentes atletas. Os atletas que te saem nas carteiras são aqueles que poderás utilizar nos modos de jogo: existem apenas três modos de jogo. Inicialmente tens de jogar uma partida de Exibição para aprender os controlos e as mecânicas do jogo, só depois podes aceder ao modo Torneio. No final de cada partida ganhas XP de jogador e cada os dois atletas que utilizaste ganham XP específica de cada um. Isto é parte da tentativa da Saber em conferir alguma profundidade ao jogo e introduzir um sistema de progressão com incentivos a longo prazo.

Ao subires de nível, com o XP ganho em cada partida ganhas uma carteira de cromos, o que te permite aceder a novos atletas. O sistema aleatório ocasionalmente é favorável e podes sacar uma lenda como Scottie Pippen dos Chicago Bulls (fenomenal para os triplos) ou um ícone como Magic Johnson dos LA Lakers (NBA Playgrounds está repleto de lendas da NBA) mas também podes sacar atletas repetidos. Neste caso, o jogo dá-te 100XP adicional para compensar. Este sistema é interessante pois procura incutir dinâmica na progressão. Apesar de aleatório, sabes que estás a jogar com a possibilidade de obter melhores atletas e aumentar as tuas probabilidades de derrotar as duplas mais temíveis nos torneios do jogo.

Os atletas que utilizas em cada partida também ganham XP no final de cada desfile de acrobacias e existem três níveis: bronze, prata e ouro. Ao chegar ao terceiro nível, esse atleta fica com as estatísticas ligeiramente melhoradas e pode fazer a diferença em momentos mais intensos, quando procuras não perder uma bola ou correr para um afundanço acrobático.

Sendo um jogo no qual podes passar algumas horas seguidas ou apenas alguns minutos, estes dois sistemas de progressão aumentam o incentivo às partidas pois quando olhas para o menu após essa partida de exibição, reparas que apenas existem os já referidos 3 modos de jogo: Exibição, Torneio e Online (este último ainda não disponível na Nintendo Switch). Ao todo existem 6 torneios espalhados em cidades como Nova Iorque, Las Vegas, Tóquio ou Londres e em cada um deles terás de jogar contra 5 duplas para vencer. Cada partida dura entre 2 a 4 minutos (na verdade, a cada novo torneio o tempo máximo aumenta) e dependendo da tua habilidade, passarás cerca de 5 horas até perceber que esgotaste o principal apelo de NBA Playgrounds.

No entanto, os poucos modos de jogo nem conseguem ser o seu elemento mais sensível (a vertente online consegue prolongar a longevidade do jogo além dessas 5 horas). O elemento mais sensível de NBA Playgrounds são mesmo algumas mecânicas apresentadas pela Saber que marcam de forma negativa o que deveria ser um gameplay arcade totalmente energético e viciante. É altamente fácil e simples controlar os acrobáticos jogadores da NBA (inicialmente podes precisar de uma meia hora para te adaptares aos comandos) mas alguns movimentos simples podem começar a tornar a experiência frustrante devido à sua implementação. Sendo um jogo arcade com caricaturas, a experiência é mais rápida e frenética do que a realidade, mas alguns movimentos impedem a experiência de ir mais além e exigem ajustes.

NBA Playgrounds assenta o núcleo do seu gameplay no timing em que pressionas ou largas os botões e isso torna-se altamente sensível na hora de conseguir um triplo ou afundar. A estatística do atleta é altamente importante para o tipo de acção que queres executar mas conseguir um triplo poderá tornar-se numa espécie de tentativa e erro enquanto procuras acertar no timing para largar o botão. No entanto, mesmo que consigas acertas uma ou duas vezes, nada te garante que tenhas dominado o timing e o que parecia aprendido ou memorizado, não resulta. Isto torna a experiência instável e ocasionalmente frustrante. O mesmo é válido para os cestos normais ou os afundanços: se pressionas/largas o botão cedo/tarde demais, falhas vergonhosamente (algo que os cómicos comentadores jamais te deixarão esquecer).

Perante uma experiência tão dinâmica e fluída, com uns visuais coloridos e muito interessantes (as caricaturas dos atletas em particular estão muito fixes) é pena que alguns aspectos tão fundamentais do gameplay não se tornem numa arte a dominar mas sim numa espécie de tentativa e erro do timing. Por outro lado, a IA artificial pode tornar-se implacável e impedir-te por completo de alcançar o cesto. A minha solução foi explorar o que parece ser um erro. Investi nos triplos e quando falhava a IA parecia ficar sem saber o que fazer, dando-me tempo para recuperar a bola e tentar um novo triplo.

NBA Playgrounds é um jogo que reacende a chamada deixada por jogos como NBA Street e NBA JAM, que tantas diversões nos deram. É um jogo com vários aspectos positivos mas que infelizmente coexistem com diversos não tão positivos. A Saber anunciou a chegada de Torneios Online para um futuro próximo, mas de momento não existem modos de jogo ou profundidade suficiente para tornar NBA Playgrounds num título a recomendar. No entanto, quando acertas nos timings e te livras da frustração, consegues ver o jogo que a Saber imaginou e isso deixa-nos com esperanças para actualizações e quem sabe um NBA Playgrounds que resulta em pleno.

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (6)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

A Juventus é exclusiva do PES 2020

Será o único jogo com o nome do clube, o emblema e estádio.

PES 2020 - Demo chegará a 30 de Julho

Arsenal, FC Barcelona, Palmeiras, Flamengo e mais.

FIFA 18 - As melhores promessas e estrelas escondidas

Os jogadores melhores e com mais potencial com menos de 21 anos.

PES 2020 não terá o Liverpool licenciado

O contracto com a Konami terminou.

PES 2020 - Data de lançamento, Gameplay, Trailer - Tudo o que sabemos

O que esperar do novo simulador de futebol da Konami?

Comentários (6)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários