Diretor de Castlevania: LoS 2 diz que críticas da imprensa foram pouco profissionais

E afirma estar orgulhoso da sequela.

Enric Álvarez, diretor de Castlevania: Lords of Shadow 2 e co-fundador do Mercury Steam, concedeu uma entrevista com o Eurogamer.es onde exprimiu abertamente a sua opinião sobre a recepção ao jogo por parte do público e sobre o futuro da produtora.

Depois de confessar que no Mercury Steam "estamos contentes e orgulhosos do trabalho feito," em relação aos 7 anos empregues na série Lords of Shadow, cujo último jogo trabalharam mais de 100 pessoas, Álvarez assinalou que Lords of Shadow 2 é o capítulo sombrio da série, "onde já não pretendemos apresentar um mundo, mas sim um capítulo fundamentalmente focado no personagem e no seu conflito," e aproveitou para defender o final do jogo, uma vez que, "o jogo teve de acabar assim. Não queríamos oferecer uma conclusão definitiva a nível moral, queríamos que a própria moralidade do jogador fosse quem decidisse como o jogo acaba."

Álvarez comparou o argumento do jogo ao filme Desafio Total.

"Nos videojogos tende-se a fazer tudo muito óbvio com medo de que as pessoas não entendam. Por vezes as pessoas não entendem e tende-se a classificar algo como mau, que não vale a pena, etc. Por isso, talvez houvesse um certo risco com uma história complexa que, de facto, não é assim tão complexa, se veres bem é uma história muito semelhante ao filme 'Desafio Total', trata-se de um personagem que tem um plano e que não é consciente dele até um determinado ponto da história. No caso de 'Desafio Total', o personagem só descobre a verdade a meio do filme, enquanto que no nosso jogo não, no nosso jogo esperamos até ao fim."

Em relação às análises que a imprensa fez ao jogo, Álvarez afirmou que houve "falta de profissionalismo para julgar as coisas por aquilo que são e não por aquilo que uns queriam que fosse." Para ele, "há muitas pessoas que analisam videojogos e que não estão à altura do jogo que analisam. Isso é um problema porque depois vai influenciar na decisão de compra das pessoas, e depois também tem uma influência a nível de oportunidades dos produtores. Não me interpretem mal, há pessoas muito boas a escrever sobre videojogos, qualquer que seja a sua opinião. Falo de pessoas muito boas que, por exemplo, destruíram o primeiro LOS. Não se trata de terem razão ou não, trata-se de uma questão de falar o que tens de falar. Quando dizes numa review que as texturas ou o motor de um jogo não estão à altura, ou que a jogabilidade não está à altura tens de saber o que dizes. Não se pode dizer simplesmente 'não gostei, e como não gostei é mau', isso é de uma grande arrogância."

Segundo Álvares, o que se passou com Lords of Shadow 2 é que se trata de uma sequela com muitas diferenças em relação ao primeiro jogo, e que por isso não agradou a muita gente que esperava mais do mesmo, apesar de considerar que "a maior parte das pessoas estão a gostar, e apesar do jogo ter os seus defeitos, não são defeitos que possam mascarar o resto do trabalho bem feito e todas as sensações que ele oferece."

Por fim foi dito que Lords of Shadow 2 não vai ser lançado nas consolas da nova geração e ficou esclarecido que as relações com a Konami continuam a ser boas.

Salta para os comentários (23)

Sobre o Autor

Luís Alves

Luís Alves

Colaborador

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Conteúdos relacionados

Jogadora brasileira de Call of Duty Mobile assassinada

SOL foi assassinada por outro jogador que conheceu no jogo.

Days Gone - Eis os requisitos PC

Ecrãs ultra panorâmicos e SSD recomendado.

Sony subestimou o interesse pela PS5

A procura foi superior à oferta.

Também no site...

Comentários (23)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários