Eurogamer.pt

Super Mario Run - Análise

O primeiro jogo da Nintendo para smartphones.

Super Mario Run é o primeiro jogo mobile da Nintendo. Depois de uma relutância a estas plataformas que durou anos, a Nintendo apercebeu-se finalmente que não pode continuar a ignorar esta plataforma e a sua audiência gigantesca. Super Mario Run é o primeiro fruto desta nova aposta da Nintendo e um grande passo para o futuro da companhia. Nunca ninguém duvidou da capacidade da Nintendo para criar bons jogos, mas houve decisões questionáveis nos últimos anos que a colocaram numa posição menos favorável. A Wii U é a prova disso. É uma consola que chega ao ao final do seu ciclo com um catálogo de jogos respeitável, mas é também a consola menos vendida em toda a história da Nintendo. Ao lançar o seu primeiro jogo para Mobile (anteriormente lançou a aplicação Miitomo, mas não é propriamente um jogo) a Nintendo mostra que está disposta a abraçar o futuro e as novas tendências, em vez de lutar contra a maré.

Poucos minutos depois de começarmos a jogar Super Mario Run, a questão que surge é: por que razão a Nintendo não lançou um jogo como este mais cedo? A combinação é perfeita. Embora a tradição seja jogar os títulos Super Mario numa consola com botões, a adaptação à jogabilidade táctil do mobile está bem conseguida. Mario corre sozinho e a única preocupação que o jogador tem é saltar. Existem outras acções automáticas, como passar automaticamente por cima de pequenos obstáculos e inimigos, mas não pensem que o desafio é nulo. No total Super Mario Run oferece 24 níveis (seis mundos compostos por quatro níveis) e não vão demorar muito tempo a concluir todos os níveis (duas horas deve ser suficiente para o jogador comum), mas o objectivo adicional de apanhar as moedas coloridas aumenta a dificuldade e a longevidade.

Cada nível de Super Mario Run desafia-vos a apanhar três conjuntos de cinco moedas. Depois de apanharem todas as moedas do primeiro conjunto, têm que repetir o nível para a apanhar o segundo conjunto e em seguida o terceiro. O desafio de apanhar estas moedas vem da impossibilidade de voltar atrás em Super Mario Run. A personagem está sempre a correr em frente (se bem que podemos usar as paredes para dar um salto para trás) e temos que fazer tudo bem para apanhar todas as moedas, caso contrário mais vale recomeçar o nível. Se quiserem apanhar todas as moedas em todos os níveis, a longevidade de Super Mario Run aumenta consideravelmente.

A apresentação e qualidade visual de Super Mario Run são duas coisas que ficam desde cedo patentes. É um título que exprime a qualidade à qual a Nintendo nos habituou, o que é importante, sabendo que este título servirá para solidificar a posição da Nintendo no mobile. Apesar de ser um título acessível, a jogabilidade tem pormenores que não são imediatamente perceptíveis. Mario pode saltar mais alto se ficarmos mais tempo a carregar no ecrã, e se carregarmos outra vez, faz uma animação que lhe permite ficar um pouco mais no ar. Se saltarmos em simultâneo quando caímos sobre a cabeça de um inimigo, podemos usá-lo como catapulta para saltar mais alto, uma mecânica útil em alguns níveis para alcançar as já referidas moedas coloridas.

a

Super Mario Run mantém acessibilidade da série, mas também tem momentos desafiantes. Os níveis continuam apelativos.

Os níveis de Super Mario Run mantém por inteiro o carisma que os restantes jogos da personagem para as consolas da Nintendo. Apesar de saltar para uma nova plataforma que não é sua, algo que a Nintendo temeu durante tanto tempo, este novo jogo de Mario não perdeu a sua personalidade. É entusiasmante a ideia de ter um jogo do Mario disponível sempre que retiramos o nosso smartphone do bolso. Sempre existiram jogos do Mario para as consolas portáteis da Nintendo, mas hoje em dia usamos o smartphone para tudo, pelo que andar com um segundo dispositivo atrás de nós não é cómodo, já para não falar que qualquer smartphone actual é muito mais fino e fácil de transportar do que uma Nintendo 3DS.

Para além dos 24 níveis, Super Mario Run tem um modo adicional de corridas. Neste modo vão competir contra as pontuações de outros jogadores, portanto, não é um modo de competição directa. Ao ganharem estas corridas vão ganhar Toads, os vossos fãs que torcem por vocês enquanto competem. Os Toads e as moedas ganhas podem ser depois usadas para comprar decorações típicas do universo de Super Mario para enfeitar o vosso reino. Este é mais um modo que aumenta a longevidade de Super Mario Run. Existem muitos objectos de enfeite para desbloquear e que requerem que acumulem muitos fãs. De certa forma, os enfeites do vosso reino vão ditar o quão bons são a jogar Super Mario Run. Se perderem uma corrida, também perdem parcialmente os fãs que acumularam, pelo que se perderem muitas vezes seguidas, podem ficar sem nenhum fã.

Super Mario Run não é um jogo gratuito. O download da aplicação é gratuito e têm acesso aos primeiros três níveis, mas se quiserem jogar o resto, precisam de pagar 9.99 euros. É um preço justo, isto se quiserem aproveitar tudo o que o jogo tem para oferecer. Se estão apenas interessados em terminar os níveis, é um jogo que acaba rápido (como disse antes, não é difícil chegar ao fim em duas horas). Não é um jogo inovador, principalmente se olharmos para o que a Ubisoft já fez anteriormente com Rayman: Jungle Run e os restantes jogos que lhe seguiram, mas é inegável que Super Mario Run é um jogo bem conseguido e uma boa estreia da Nintendo nesta plataforma. A chegada de Super Mario Run significa que já não é preciso ter uma consola da Nintendo para desfrutar de uma das suas principais séries, se bem que este é um título com um formato um pouco diferente..

Super Mario Run - Análise Jorge Loureiro O primeiro jogo da Nintendo para smartphones. 2016-12-15T18:00:00+00:00 4 5
Publicidade

Comentários (24)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!