Eurogamer.pt

Director de Xenogears conta o que aconteceu com o final do jogo

Na altura falava-se que a Square tinha problemas económicos.

Para muitos jogadores Xenogears é um dos melhores RPG da história e embora seja um jogo com estatuto de culto para os fãs, alguns gostariam que tivesse mais reconhecimento como fazendo parte importante de uma época onde, nessa altura a Squaresoft, viu nascer uma grande quantidade de projectos com várias temáticas oferecendo jogos memoráveis.

No entanto não se pode negar que o final do jogo deixou os fãs com muitas dúvidas uma vez que o conteúdo do segundo disco não se encontrava ao nível do primeiro, sobretudo com o final que consta de uma narração sobre o desenlace dos factos. Recentemente Tstsuya Takahashi, director de Xenogears falou sobre o assunto.

Numa entrevista com o Kotaku, Takahasshi foi questionado sobre a situação que deu que falar em relação a Xenogears desde 1998, quando foi lançado na PlayStation. O actual director executivo da Monolith aproveitou para contar toda a verdade sobre o segundo disco do RPG e longe daquilo que se falou na altura, não se tratou de uma questão de orçamental.

A introdução de Xenogears.

Takahashi revelou que em nenhum momento o desenvolvimento de Xenogears ficou sem dinheiro e nunca houve pressão nesta área da parte da companhia, que nessa altura chamava-se Squaresoft. O problema, segundo ele, foi que a equipa de desenvolvimento do RPG recebeu novos talentos e o ritmo de trabalho, bem como o tempo de aprendizagem, assimilação e prática, fez com que houvesse atrasos no calendário, pelo que tiveram que optar por outros caminhos.

"Sinceramente, o que se passou foi que Xenogears foi um projecto que contou com novos membros na equipa, alguns muitos jovens. Eu tinha a cargo a direcção do jogo nessa altura. Todos os projectos estavam encaminhados para 2 anos e esse era o limite para ter tudo pronto. Por isso em vez de nos concentrarmos em desenvolver o jogo tivemos que focar-nos na aprendizagem e crescimento destes novos membros. Coisas como o 3D eram novidade, e isso provocou atrasos e foi-nos impossível ter tudo pronto a tempo".

de notar que o projecto Xenogears não estava pronto antes da data limite, e a Squaresoft sugeriu que o jogo terminasse no final do primeiro disco, ou seja, quando Fei Fong Wong e a sua equipa escapam de Solarias. Tahahashi não quis que isso fosse assim e fez uma contra-proposta.

"Era uma forma muito dura de terminar o jogo e se o tivéssemos feito os jogadores não ficariam nada satisfeitos. por isso fiz-lhes uma proposta, disse-lhes que se nos deixassem terminar o segundo disco, tal como o conhecemos, podíamos terminar a história do jogo no tempo estimado e cumprindo com o planeado enquanto equipa de desenvolvimento e orçamento". Desta forma o final de Xenogears narra os eventos que terminam a história em vez de podermos jogá-los.

Para além de ser considerado um dos melhores RPG da história, Xenogears tinha também uma das melhores bandas sonoras.

Apesar da decisão ter gerado polémica, uma vez que os fãs de Xenogears notaram diferença em relação ao primeiro disco, Takahashi declarou que foi o mais correcto, sobretudo para dar fim à história e não deixar nada no ar ou com um sentimento de dúvida. "Penso que a minha decisão foi a correcta. Se terminássemos tudo no primeiro disco, seria algo negativo".

Publicidade

Comentários (11)

Criar uma nova conta

OU