Eurogamer.pt

Sony PlayStation 4 Pro - Análise

Um refrescar a meio da geração.

Uma PlayStation digna dos ecrãs da geração 4K?

Seja ao abraçar a VR ou a desafiar o ciclo de consolas, é preciso dar mérito à Sony - esta companhia sabe como arriscar. Não existe maior do que a PlayStation 4 Pro, uma consola que não pede apenas para actualizares a tua consola, mas também o teu ecrã. Construída para as novas TVs 4K Ultra HD, a Pro oferece melhorias na CPU e GPU sobre a actual PS4. No seu melhor, oferece espantosas melhorias visuais sobre os jogos da mesma consola, mas mesmo títulos com modestos ajustes, vemos claras melhorias. Tendo em conta o seu preço, é uma consola muito atractiva.

No entanto, para os que estão familiarizados com a PS4, tudo poderá ser demasiado familiar. A consola usa o mesmo design que a CUH-2000 PS4 Slim, e iniciar a consola ou navegar no menu é similar. Nada indica uma melhoria, excepto a adição de suporte para 2160p no menu de saída de vídeo, juntamente com um novo ecrã informativo que analisa o teu ecrã e te avisa se HDR é suportada, e quais os conteúdos DRM suportados.

A Sony indica claramente que a PS4 e a Pro são da mesma família, mas isto pode confundir. Por exemplo, nada indica se o jogo que vais jogar tem suporte para a PS4 Pro. Nem sequer um pop-up a explicar que existem actualizações Pro para os teus jogos. Pessoalmente, teria maior probabilidade de revisitar os meus jogos se surgisse uma indicação de actualização PS4 Pro. É algo que esperamos que seja corrigido pela Sony.

Análise à PS4 Pro em vídeo. O quão boa é a consola para ecrãs 4K e o que esperar para quem tem uma TV 1080p?

Base PS4 PS4 Pro Melhoria
CPU Oito núcleos Jaguar a 1.6GHz Oito núcleos Jaguar a 2.1GHz 1.3x
GPU 18 unidades computacionais Radeon GCN a 800MHz 36 unidades computacionais Radeon GCN melhoradas a 911MHz 2.3x FLOPs
Memória 8GB GDDR5 a 176GB/s 8GB GDDR5 a 218GB/s 24% mais de largura de banda, 512MB extra de memória utilizável

PlayStation 4 Pro: a performance dos jogos normais

O processo de migração da PS4 para a Pro é muito simples. A nova consola usa o mesmo menu e as mesmas opções - podem passar as vossas coisas para um disco externo e depois restaurá-o na Pro. Alternativamente, liguem ambas as consolas ao router via LAN e todos os conteúdos do disco podem ser enviados para a Pro (mas cuidado, isto pode demorar mais tempo do que a outra opção). De momento não podem pegar no vosso disco antigo e metê-lo na Pro - as drives são encriptadas, cada PS4 tem a sua chave encriptada.

Com todo o nosso conteúdo copiado para a nova consola, decidimos começar os testes ao olhar para a apresentação e performance de jogos existentes. A Xbox One S tem um aumento na GPU sobre a original, resultando num pequeno aumento na performance que, apesar de não ser essencial, é bom ter. Quando falei com Mark Cerny sobre melhor performance da PS4 base na Pro, ele descartou-o rapidamente pois isto é algo que nasce na consola final.

A GPU da Pro desliga metade das unidades computacionais e o resto é reduzido de 911MH para 800MHz como na PS4 normal. Usámos a repetição de Project Cars nas duas para avaliar a performance em condições iguais num jogo que puxa pela CPU e GPU, e vimos resultados idênticos. O objectivo da Sony é manter a compatibilidade, mas gostaríamos de ter a opção de desbloquear uma performance Pro (ou pelo menos os relógios adicionais) nos velhos jogos PS4. Existe um precedente aqui: a PS2 introduziu um filtro de texturas adicional para correr jogos PS1 via retro-compatibilidade - era uma opção, e era avisado que podia ser usada com certos riscos.

Consumo de energia e ruído

O modo base apresenta métricas interessantes no consumo energético - apesar de desligar metada da GPU, a Pro usa mais energia para correr jogos base da PS4 do que a nova PS4 Slim. É muito mais eficiente do que a PS4 de lançamento, e o consumo geral é fascinante. O novo processador da Pro é fabricado com uma tecnologia transístor FinFET, logo a performance por watt é uma grande melhoria sobre a PS4 original.

Em termos gerais, jogar um título compatível com a Pro apenas consome cerca de 10W a mais de energia do que correr um jogo PS4 normal na consola original (isto varia de jogo para jogo - usámos inFAMOUS: First Light no teste), o que explica porque é que o consumo energético aumentou para 310W e porque temos o mesmo cabo usado na PS3 de lançamento. A métrica 310W é quase certamente a capacidade medida do cabo interno - o consumo real deve ser metade disso em gameplay normal em jogos Pro.

Em termos da performance acústica da Pro, tem muito mais em comum com a PS4 normal do que com a Slim. Esperávamos que a consola tivesse uma ventoinha maior - normalmente, quanto maior a ventoinha, mais lento roda para dissipar a mesma quantidade de calor. Ainda não testámos exaustivamente a Pro, mas notámos um pico de 55dB ao jogar inFAMOUS: First Light, mas não é o quão ruidosa é, mas sim o som que faz. A ventoinha gira para cima e para baixo e é claramente audível do outro lado da sala. Os testes iniciais no aquecimento mostram um perfil similar ao da PS4 normal. Teremos mais sobre isto mais tarde, mas de momento podemos dizer que uma bela quantidade de calor é varrida da traseira da unidade, e tal como em qualquer consola da actual geração, não deve ser mantida num espaço fechado.

PlayStation 4 Consumo energético (Watts) PS4 Pro CUH-7000 PS4 Slim CUH-2000
Menu (Online, Instalação de disco) 75 75
Menu (Online, durante Download) 71 71
Modo Descanso (Online, durante Download) 58 46
Project Cars (Modo Base) 104 84
Project Cars (Modo Base) 104 84
InFamous First Light 155 (4K) 80 (1080p)

* Métricas do modelo CUH-1000 de lançamento serão adicionadas brevemente

É a PlayStation 4 Pro mesmo uma consola 4K?

Testámos vários jogos, mas a quantidade de actualizações e novos jogos é tanta que parece que ainda nem fizemos nada, mas já notámos algumas tendências. Quase todos os jogos permitem correr numa resolução superior - resultando em super-sampling num ecrã 1080p, e a capacidade de obter mais detalhe num ecrã 4K.

As imagens 4K da Pro são muito boas. Existem jogos nativos como Mantis Burn Racing e Skyrim Special Edition (com todas as funcionalidades presentes no jogo base da PS4 e até pequenas melhorias), mas a chave para correr jogos modernos a 4K na Pro reside em técnicas de conversão de resolução avançadas, como a checkboard. Este processo torna um bloco pixel 2x2 numa área 4x4 e recorre a uma resolução 1080p x2. Rise of the Tomb Raider é um dos melhores jogos 4K que vimos na Pro - corre por checkboard, mas apenas debaixo de intenso escrutínio vemos que não é 4K nativa. Em movimento é simplesmente lindo.

A checkboard assume várias formas e pode apresentar várias resoluções - os jogos inFAMOUS podem ir até 1080p (e manter um bom aspecto num ecrã 4K) enquanto Deus Ex: Mankind Divided usa um conversor dinâmico e checkboard. No entanto, é igualmente claro que muitos estúdios não usam esta técnica e os resultados variam.

A grande surpresa é que a actualização de Uncharted 4 para a Pro parece usar uma conversão convencional, mas evita a maioria dos habituais artefactos devido à excelente técnica temporal super-sampling anti-aliasing. No entanto, a resolução base está perto de 1440p e apesar de ser na mesma lindo, parece demasiado suave num ecrã 4K.

É o mesmo em Titanfall 2 - mantém o conversor dinâmico do jogo na PS4 normal, mas sobe para 1440p a resolução (e sendo justo, raramente para descer abaixo disto). Mais uma vez, a TSAA ajuda imenso a evitar brilho na conversão de resolução, mas é mais suave do que os resultados via checkboard.

Call of Duty Modern Warfare Remastered? Calculámos que corra a 2880x1620 - com a ajuda de uma apresentação cheia de pós-processamento. É mais suave do que esperamos de uma resolução 4K, mas parece na mesma um belo salto sobre 1080p.

Tom e Rich falam sobre Uncharted 4 em modo de resolução superior - capturámos isto a 4K. Também temos melhorias no multi

Também podemos antever que alguns estúdios usem as suas soluções para converter para 4K - a Insomniac está a usar a sua técnica de injecção temporal em Ratchet and Clank e vale bem a pena ver. Um belo jogo 1080p na PS4 normal fica mais nítido a 4K.

A PS4 Pro é uma consola a 4K? Devemos esperar resultados variáveis nesta fase de lançamento, e baseado no que vimos, é o que temos. No seu melhor, os resultados são espantosos - e não estamos limitados por jogos mais antigos. Rise of the Tomb Raider e Call of Duty Infinite Warfare correm por checkerboard para 2160p com resultados espantosos para uma caixa de poder GPU limitado, comparado com as mais recentes gráficas do PC.

De resto, os resultados parecem um pouco suaves, mas a apresentação de Uncharted 4 ainda é uma melhoria palpável sobre a 1080p vista na PS4 normal. Para uma consola de €399, aceitamos, e vale a pena dizer que os próximos jogos que vimos em vários eventos mostram que as credenciais 4K da Sony são espantosas. Horizon Zero Dawn e Days Gone mostram que jogos de topo podem apresentar uma experiência 4K.

Não resistimos. Jogámos Rise of the Tomb Raider na PS4 Pro e no PC com uma Titan X Pascal. Ambos a 4K.

Uma parte importante do pacote 4K é a HDR - high dynamic range. Do que vimos, apresenta muito mais detalhes nas cenas, indo de melhorias subtis até a diferenças do dia para a noite. A Pro tem um modo HDR no menu mas nada te garante que o jogo suporte a funcionalidade. Na verdade, actualmente, a grande maioria não suporta.

Onde é opção, poderá ser activada no menu do jogo - como visto em InFamous First Light, Deus Ex Mankind Divided e Uncharted 4. Devido a limitações nos meios que temos disponíveis, não conseguimos mostrar as diferenças, mas vale a pena ter em conta que os resultados HDR variam dramaticamente de um ecrã para o outro.

Já vimos, em eventos, jogos demonstrados numa TV ZD9, uma das melhores e mais caras. Revisitar Uncharted 4 na nossa Panasonic DX750, mostra melhorias mais subtis, mais correctas se preferirem. Comprar uma TV HDR para videojogos é uma espécie de campo minado actualmente, e obter uma experiência radicalmente diferente da HDR parece depender da quantidade de dinheiro que podes pagar.

E jogos a 1080p?

A ênfase está nos modos de alta resolução, mas a preocupação é que a Pro não ofereça muito para entusiasmar quem tenha ecrãs 1080p e não querem comprar uma nova TV. É algo justo e apesar de existirem belas e baratas TVs 4K, como a Samsung KU6400, a tecnologia HDR ainda está na sua infância - mas existem boas razões para permanecerem a 1080p. O que oferece a Pro aqui?

A conclusão é que varia de jogo para jogo. Devem esperar super-sampling como o padrão - o processo em que uma imagem de maior resolução é convertida para 1080p. Pode não soar entusiasmante, e a melhoria na qualidade de imagem depende do quão boa a anti-aliasing era no jogo na PS4 normal. Jogos como Uncharted 4 já eram muito limpos, mas em outros a diferença pode ser dramática.

Rise of the Tomb Raider tem problemas com o detalhe sub-pixel, resultando em brilho e pixel-popping que afecta imenso um jogo que de resto é lindo. Na PS4 Pro, a correr por super-sampling, limpa todos os artefactos e fica com um aspecto sensacional. Mais, os jogos que operam com resoluções dinâmicas também recebem claros benefícios - Titanfall 2 é um dos destaques.

A Sony dita que os jogos Pro devem operar no mesmo rácio de fotogramas - ou melhor - do que na actual PS4. É uma grande ambição, tal como vimos em Mantis Burn Racing - que sofre com ocasionais quedas em nativa 4K, enquanto a 1080p permanece suave (a VooFoo Studios diz que estão a corrigir isto). De resto, Uncharted 4 perde fotogramas de forma similar ao jogo na existente PS4 - sem melhorias, mas não pior.

Mas existem melhorias na performance. Call of Duty Modern Warfare Remastered parece manter-se mais perto dos 60fps enquanto mantém a resolução a 2160p - por isso tens mais performance e melhor qualidade de imagem. No entanto, alguns jogos mantêm a 1080p, ao invés de de puxar pela GPU da Pro para bombear mais fotogramas.

Os jogos inFAMOUS da Sucker Punch oferecem esta funcionalidade, e os testes iniciais com First Light mostram o jogo a correr de forma mais suave - o primeiro nível mostra resultados de 50-60fps. Também foi feito muito na versão Pro de Rise of the Tomb Raider no seu modo de rácio de fotogramas desbloqueado. Mais uma vez, passamos pouco tempo com o jogo, mas a melhoria na performance é tangível.

Alguns títulos focam-se apenas nas melhorias visuais a 1080p, Paragon da Epic sobe a resolução de 900p para 1080p e adiciona algumas funcionalidades visuais adicionais. Também nos disseram que Mass Effect Andromeda apresentará modo 1080p checkboard e 1080p melhorado - algo que esperamos ver em outros jogos Frostbite (até agora, FIFA 17 e Battlefield 1 não foram actualizados).

Da nossa perspectiva, ter uma PS4 Pro num ecrã 4K com um jogo optimizado de acordo é mesmo espantoso - mas estamos num ponto de transição na tecnologia dos ecrãs, e quase certamente teremos mais Pros ligadas a ecrãs 1080p do que a ecrãs 4K a curto prazo.

Esperamos ver mais programadores a seguir a rota de Rise of the Tomb Raider, que oferece várias opções, mas como a CPU recebeu apenas um pequeno aumento no poder comparado com o salto na GPU, não podemos esperar que a PS4 Pro seja capaz de 60fps em todos os jogos PS4 base que correm a metade desse rácio de fotogramas.

Sony PlayStation 4 Pro - veredicto Digital Foundry

A PlayStation 4 Pro está à altura do marketing? Sim. No seu melhor, é capaz de produzir resultados apelativos a nativa 4K. Comparem Rise of the Tomb Raider na Pro com um PC de topo em ultra lado a lado e verás que a maioria da claridade 4K está lá, muito do detalhe está lá e o rácio de fotogramas é o grande diferenciador. Mas o facto de uma caixa de €399 conseguir isto, é um feito espantoso.

As tecnologias estão prontas para assegurar que a PS4 Pro funciona lindamente no mundo 4K, mas os jogos de lançamento mostram que a transição não será plenamente suave. Muitos jogos operam perto de 1440p - para nós um melhor par para a consola baseado nas técnicas de renderização estabelecidas. O facto de Uncharted 4 não chegar a 4K ou sequer 1800p não é um bom resultado tendo em conta que a Pro é promovida como a referência para a tecnologia PlayStation 4. No entanto, ainda continua belo - as técnicas de renderização modernas estão a tornar a ligação definitiva entre número de pixeis e qualidade de imagem numa área cinzenta.

Destiny 2: Tudo o que sabemos Destiny 2: Tudo o que sabemos

A implementação Pro deverá melhorar com o tempo, e os jogos da Sony que já vimos (Horizon Zero Dawn, Days Gone) estão sensacionais, mas será preciso tempo para os programadores tirarem total proveito da consola. Pelo outro lado, mesmo actualmente, mesmo com tantas variações de modos de alta resolução, a conclusão é óbvia. Por pouco mais dinheiro, terás muito mais poder.

Se ainda não tens uma consola PlayStation e queres investir, compra a Pro sem dúvidas. Terás o dobro do poder GPU, uma CPU mais rápida, preparada para os futuros ecrãs e streaming de media - e o dobro do espaço no disco. O preço é bom o suficiente que serão precisos belos bundles a preços agressivos para tornar a PS4 normal apelativa.

Se já tens uma PS4, a escolha é complicada. Não existem exclusivos, os jogos são os mesmos, e os actuais apenas correm melhor se forem actualizados. Se tens uma TV 4K ou queres uma, a melhoria vale a pena, mas existe pouco que torne a tua actual consola obsoleta. Perto das 50 milhões de consolas vendidas, é provavelmente algo bom. Mas se lês o Digital Foundry é porque aprecias a qualidade de imagem e performance tanto como nós, por isso é difícil ultrapassar o facto que existe uma consola melhor do que a que tens - e se mais jogos seguirem a abordagem às melhorias como Rise of the Tomb Raider, a PlayStation 4 Pro será essencial.

Publicidade

Comentários (85)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!