Eurogamer.pt

Razer BlackWidow Chroma V2 - Análise

Agora com mais conforto.

O BlackWidow Chroma V2 é a versão mais recente desta linha de teclados da Razer. A linha de teclados BlackWidow tem sido, ao longo dos anos, uma das opções favoritas dos jogadores graças ao design funcional e às teclas mecânicas. A nova versão, que está aqui ser analisada, inclui pequenas refinações mas, mais importante, é o primeiro teclado da arma com uma disposição de teclas em português, um marco importante que mostra o investimento da Razer no mercado português. Até agora, os teclados da Razer comercializados em Portugal tinham uma disposição de teclas norte-americana, que podia tornar-se confuso para colocar acentuação nas palavras.

À primeira vista, o BlackWidow Chroma V2 parece praticamente idêntico à versão original que testámos em 2014. Do lado esquerdo temos cinco teclas Macro que podem ser reprogramadas a qualquer momento e efeitos coloridos com 16.8 milhões de cores diferentes, que se tornou padrão nos teclados da série Chroma da Razer. A maior diferença está na superfície almofadada que acompanha o teclado, que visa oferecer mais conforto ao utilizador. A superfície almofada fica agarrada ao teclado por meio de imanes, que são fortes o suficiente para que a almofada não se desloque acidentalmente. Tanto a superfície almofada como o teclado tem borrachas aderentes na parte inferior, o que também ajuda a que fiquem imóveis.

Uma das vantagens do BlackWidow Chroma V2 é permitir aos utilizadores que escolham o tipo de teclas mecânicas do teclado. Existem três opções, mas todas as teclas são proprietárias da Razer, ou seja, não existe opção para as clássicas Cherry MX. A primeira opção são as teclas verdes, barulhentas e com a máxima sensação de "clique" que seria de esperar num teclado destes. As teclas laranja são a segunda opção, que preservam a sensação de "clique" mas são mais silenciosas. Por último temos as teclas amarelas, com menos sensação táctil e silenciosas. Já temos testado vários teclados da Razer e, até agora, todas as teclas continuam a responder extremamente bem. Aliás, a companhia afirma que as teclas são feitas para resistir a 80 milhões de cliques.

O design do BlackWidow Chroma V2 é minimalista. Contrariamente a outros teclados da categoria gaming, que apostam num design vistoso, se bem que por vezes demasiado complicado, a Razer mantém um formato tradicional e apelativo. Os materiais de construção são óptimos. O teclado tem uma capa anti-impressões digitais. A capa é ligeiramente rugosa, mas agradável ao toque. A almofada está acabada em pele, sendo macia e muito confortável para colocar a ligação entre as mãos e os pulsos. Na parte de baixo existem dois suportes se quiserem que o teclado fique ligeiramente inclinado. O design do teclado já tem uma ligeira inclinação, mas se quiserem uma inclinação ainda maior, existe essa opção. Pessoalmente, sinto-me mais confortável na posição normal.

O teclado vem com duas ligações USB e ainda um pass-through jack de 3.5 mm. Isto permite que aproveitem as ligações localizadas no lado direito. Nesta face têm uma ligação USB e um orifício de 3.5 mm, aos quais podem ligar headphones, microfones e outros dispositivos. Não há teclas dedicadas para a reprodução de média, contudo, podem facilmente usar a tecla "FN" e os "Fs" em simultâneo para aumentar e reduzir o volume, avançar e recuar, e fazer play e pausar. Tal como todos os teclados da Razer, existe um modo de Gaming que pode ser activado a qualquer momento para desactivar determinadas teclas (como a do Windows) para impedir acidentes.

"O Blackwidow V2 custa €189.99, um preço proibitivo para alguns"

O espaçamento entre as teclas é ideal. A não ser que esteja a escrever demasiado rápido, é difícil falhar uma tecla enquanto jogo ou escrevo no BlackWidow Chroma V2. A resposta das teclas é rápida e a força de actualização de 50g parece-me ideal, criando uma pequena resistência nas teclas mas que não se torna cansativa. O único ponto negativo é que o revestimento das teclas está a ficar gasto, deixando-as ligeiramente polidas. No caso da unidade que testámos, o desgaste é evidente no espaço e nas teclas correspondentes às vogais portuguesas. Isto não afecta a eficiência do teclado nem prejudica de qualquer forma o seu uso, mas com o reflexo da luz vão reparar que as teclas perderam o revestimento que tinham inicialmente.

Também existe a questão do preço. O Blackwidow V2 custa €189.99, um preço proibitivo para alguns, mas é um teclado de qualidade não restam dúvidas. É muito confortável, as teclas respondem rápido e de forma satisfatória, o design é simples e prático, e podem personalizá-lo de muitas formas com a funcionalidade Chroma. O destaque desta versão V2 está mesmo na peça extra para apoiar as mãos. É um toque agradável e que o distingue do modelo anterior e também da concorrência. Claro que também temos que destacar que este é o primeiro teclado da Razer com layout português. Se estás à procura de um novo teclado para jogos e/ou para escrever, o Blackwidow V2 é um excelente candidato, isto se estiveres disposto a conviver com o preço.

Publicidade

Comentários (10)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!