Batman: Arkham City Lockdown - Análise

Infinity Bat.

Depois do sucesso conquistado nas plataformas caseiras e PC com a premiada e aclamada série Arkham, a Warner Bros. decidiu que estava na hora de também as plataformas iOS terem um jogo Batman que lhe faça justiça. Sendo assim temos este Arkham City Lockdown que vai buscar inspiração a Arkham City, o mais recente jogo na série, e os combina com elementos tornados célebres em Infinity Blade.

Quer isto dizer que temos um jogo de combate um contra um no qual executamos os golpes e movimentos do personagem frente a um único opositor. Para tornar tudo ainda mais apetitoso e para atestar que este não é um produto feito de ânimo leve, para procurar dinheiro fácil só pelo uso de um nome sonante, a Warner Bros. entregou a responsabilidade ao aclamado estúdio NetherRealm, responsáveis pela mais recente versão de Mortal Kombat.

Os estúdios NetherRealm sabem muito bem como fazer um bom jogo de combate e pegando na essência na jogabilidade de Infinity Blade, juntou-lhe um estilo Arkham City e criou este novo jogo iOS. Lockdown coloca o jogador na caverna de Batman a partir de onde pode escolher no seu computador os locais de Arkham City que quer visitar. A cidade está dividida por quatro zonas, cada uma com três desafios e um boss, inicialmente bloqueado. Ao entrar num dos desafios, o jogador vai ter que controlar os movimentos de Batman num combate ao estilo do jogo da Chair, ou seja, o personagem fixo no local e o jogador controla os seus golpes de ataque e defesa.

Entramos então num jogo de ritmo cuja intensidade e velocidade cresce consoante a progressão. Batman pode executar combos quando o jogador "varre" o ecrã de um lado para outro e deslizar o dedo para baixo permite-lhe aplicar defletir o golpe do adversário deixando-o tonto e aberto a ataques. Saber ler os movimentos do personagem e calcular bem o timing faz com que tudo se torne um jogo de ritmo e tal como em Arkham City, é importante estar atento aos adversários. Ocasionalmente os adversários vão entrar em modo fúria e aplicar uma série de golpes que não podem ser contrariados. Aqui o jogador tem que pressionar em qualquer ponto do ecrã para que Batman se desvie o que deixa o oponente tonto e pronto para levar porrada.

Em cada "sala" existem entre 3 a 4 inimigos para derrotar em sequência e após varrerem as três salas de cada zona tem acesso ao boss e aqui as coisas variam com agradável interesse. Cada confronto com um boss envolve primeiro lutar contra dois ou três dos seus rufias e após isso, estamos livres para enfrentar Two-Face, Solomon Grundy, Deathstroke e Joker. Cada envolve situações diferentes e específicas relacionadas com as suas personagens: Two-Face usar as suas pistolas que nos forçam a enviar um Batrang que controlamos através do giroscópio para o impedir de nos acertar e Solomon Grundy força o jogador a evitar os seus ataques enquanto este o persegue pelos esgotos, isto para mencionar duas situações.

Nos entretantos, com a experiência reunida nos combates, podemos aceder à caverna e adquirir melhorias para Batman, que lhe permitem tornar-se mais forte, mais rápido e mais resistente assim como adquirir novos gadgets. Limpas as quatro zonas somos convidados a voltar a enfrentar cada uma novamente mas agora numa dificuldade superior. Isto permite adquirir mais experiência, comprar novas melhorias e mais gadgets enquanto somos colocados novamente à prova. Os reflexos que entretanto se foram aprimorando, são novamente testados mas como entretanto já nos habituamos, o jogo perde um pouco da sua graça.

Batman: Arkham City Lockdown iOS trailer

É isto que impede Lockdown de ser um título definitivo nos iOS e apenas lhe permite ser um bom jogo. Mais zonas, mais inimigos com habilidades diversas, mais bosses, e quem sabe uma qualquer ponta de história e este teria sido um título altamente recomendável. A presença de vários extras, como banda desenhada que nos relata eventos da história que envolve o jogo de consolas, é um grande atrativo mas a médio prazo Lockdown perde o gás. Até os visuais que começam como impressionantes, especialmente devido ao uso do Unreal Engine 3, vão aos poucos perdendo fulgor quando notamos que cada zona, mesmo divida por quatro salas, nos leva sempre para o mesmo cenário.

Os personagens são o grande destaque mas não temos qualquer opção de personalização de Batman, apenas fatos diferentes pagos, e a ausência de personagens alternativas é uma grande perda. Seria fantástico jogar com outros personagens como Robin e até Catwoman. É algo que podemos sempre sonhar ver em atualizações no futuro.

Batman: Arkham City Lockdown é um jogo de grande qualidade mas que podia ser muito mais. Apesar de merecer envergar o nome Batman com todo o mérito, não tem a profundidade de Infinity Blade e não vai agarrar o jogador por tanto tempo. Caso o preço fosse mais baixo e houvessem mais possibilidades de personalização que não forçassem o jogador a investir mais dinheiro, Lockdown poderia vir a ser um jogo a terem no vosso iOS por muito tempo.

7 / 10

Lê o nosso Sistema de Pontuação Batman: Arkham City Lockdown - Análise Bruno Galvão Infinity Bat. 2011-12-10T16:21:00+00:00 7 10

Comentários (3)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!