Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Virtua Tennis 2009

Aproximação à rede!

Verdade seja dita que o Ténis tem sido uma das modalidades desportivas com maior visibilidade na lista de jogos para a Wii e que mais despertam a vontade de agarrar um comando da consola da Nintendo para bater umas bolas bem para o fundo do campo na companhia dos amigos ou simplesmente desafiando o indefectível computador camarada. Do ponto de vista do Wii Sports a ideia fundamental é que jogar ténis acaba por ser simples, divertido e sobretudo sem problemas de adaptação para as técnicas e habilidades da modalidade. Para um jogo que pende para a rápida e descomprometida interacção a física desenvolvida nesse mini-jogo, com tempos de reacção e contacto bastante dilatados, acaba por ser a fonte que permite a qualquer pessoa, sem experiência ou não na área, agarrar um comando e desafiar outro adversário de cabeça gigante.

Pois bem, Virtua Tennis 2009 rege-se por outras linhas e acrescenta uma boa porção de peso na balança do lado das experiências mais maduras e exigentes, sem deixar de capitalizar o sentido posicional e de oportunidade motivado pelo Wii Remote, embora e para este ponto em concreto, tenham sido enxertadas algumas “regras” que podem apanhar de surpresa fãs e seguidores da série, habituados às prévias versões domésticas e arcade.

Muito embora sejam indispensáveis alguns ajustamentos, Virtua Tennis 2009 representa uma certa frescura para os jogos Wii. Sendo uma série de grande empatia e permitindo ao jogador embrenhar-se naquele misto de arcade e simulação, nem mesmo a delapidação de boa parte do portento gráfico colhe de monta as mais valias que a recente iteração propicia.

Uma das escolhas mais mediáticas para seleccionar e jogar imediatamente.

Cumpre referir, no entanto, que a crítica que aqui fazemos ao Virtua Tennis 2009 na versão Wii terá por base o sistema de controlo primitivo, ou seja, sem o Wii Motion Plus como acrescento e factor de uma alteração significativa no esquema de jogabilidade. Tal como sucedia no Wii Tennis, o Nunchuk pode ser dispensado, sem que fiquem prejudicados por isso. O controlo do tenista ficará sempre assegurado pelo computador que o posiciona da melhor forma para abordar os lances, quer descendo no campo ou numa aproximação à rede para facilitar um smash. Tomada essa hipótese dedicarão toda a vossa concentração à melhor forma para bater as bolas, calculando o tempo para mover o Wii Remote e desferir a batida.

Contudo, logo que arrancam para uma partida do tipo amigável, jogo rápido ou a partir do modo carreira, a primeira novidade que vão notar é que existe uma pequena barra horizontal, situada a meio do ecrã, com um risco vertical ao meio e que serve para distinguir o campo do adversário do lado direito e da parte esquerda. Este é o ponto de partida que serve para organizar o vosso jogo e que acaba por definir se enviam a bola para o lado direito ou esquerdo do adversário. No entanto e assim que o vosso adversário vos remete a bola terão uma fracção de segundos para escolher a zona do court para onde será atirada a bola. Assim, se a bola é enviada para o vosso lado direito, utilizarão a técnica de “forehand” ao mesmo tempo que um ponteiro percorre essa barra da direita para a esquerda. Dependendo do tempo que demoram a activar o golpe a bola será enviada para a zona em destaque quando o ponteiro pára, o que significa que se parou do lado esquerdo, será enviada para esse lado, o mesmo sucedendo para a outra lateral.

Vai buscar esta Murray!

Embora no plano teórico este sistema mereça aprovação, na prática não fica tão simples extrair o melhor proveito. Desde logo porque executar uma boa forehand, com força, para o lado direito e para o fundo do court (mais difícil de o adversário acautelar) depende de alguns factores, nomeadamente distância do tenista quando descreve o movimento para acertar na bola. Ou seja se ele estiver muito próximo da rede o preenchimento da barrada direita para a esquerda será muito rápido e no momento em que vão acertar na bola, quase sempre a mesma vai para o lado esquerdo. Agora imaginem que o adversário vos enviou a bola da direita dele para a vossa direita e que querem atirá-la para o lado oposto, mas o lapso de tempo é tão rápido que devolvem a bola para o sítio onde está o adversário. Isto traduz um ponto perdido e ao mesmo tempo torna-se num factor irritante que acontece diversas vezes. E o mesmo sucede se tiverem de realizar uma backhand.

Não sobejam situações em que um ponto estaria perfeitamente adquirido, mas seja pelo fraco posicionamento do tenista ou pela margem tão estreita de tempo para devolver a bola, que a mesma acaba por ir parar ao reduto do adversário permitindo-lhe uma recuperação e até conquista do ponto. Na maior parte dos lances a bola quase sempre é enviada para o meio campo do adversário e arriscar uma forehand junto à linha pode significar uma direita em cheio no ar. Daí que, lá está, nalgumas partidas não será má opção desligar o nunchuk e jogar somente com o Wii remote para alcançar a máxima concentração nos movimentos.

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Sobre o Autor

Vítor Alexandre avatar

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Comentários

More Análises

Artigos mais recentes