Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Vendas da realidade virtual em 2016 foram decepcionantes

Analistas dizem que nem o PS VR escapou.

A SuperData revelou ao GamesIndustry os dados decepcionantes das vendas da realidade virtual em termos gerais, tecnologia que consideram ser a grande perdedora de 2016.

Segundo revela a agência de análise de mercado, as vendas da realidade virtual não tiveram momentos de grande afluência de compras, como na passada Black Friday. De facto a agência viu-se obrigada a diminuir os números de vendas e as expectativas em torno do PlayStation VR, que embora tivesse mais sucesso que os concorrentes HTC Vive e Oculus, não conseguiram bater os 2.6 milhões de unidades previstas para até ao final do ano. As previsões são agora de 750 mil unidades.

E o PlayStation VR não é o único dispositivo que viu as suas previsões a serem revistas em baixa. Desde o Google Daydream (de 450 mil para 261 mil unidades), o HTC Vive, Oculus Rift e Gear VR, todos os dispositivos de realidade virtual foram afectados, tanto pela falta de stock como por más campanhas de marketing.

"Parte da culpa do PS VR não ter o sucesso esperado estão nas inconsistências da Sony em questões de stock e a um mau marketing," comentou a companhia de análise, que destaca a confusão entre modelos da consola e a falta de promoções como motivo para a descida na previsão de unidades. No entanto não descartam uma boa campanha de Natal que poderá fazer com que haja uma recuperação.

"A Sony fez questão de dizer que o PS VR é melhor numa PS4 Pro do que nas PS4 normais ou slim, por isso a mensagem que passaram para o consumidor foi: comprem uma Pro primeiro, e depois um PS VR. Isso fez com que o seu dispositivo não conseguisse quebrar a barreira do milhão de unidades até que termine o ano," acrescentou Stephanie Llamas da SuperData.

Sobre o Autor
Luís Alves avatar

Luís Alves

Contributor

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Comentários