Skip to main content

Under the Waves - Alucinações no fundo do oceano.

Azul profundo.

Image credit: Paralell Studio/Quantic Dream
Dilemas pessoais acabam por se sobrepor aos deveres profissionais. Uma aventura vivida em profundidade, com algumas limitações técnicas mas capaz de agarrar o jogador até ao fim.

Fundada por David Cage e produtora de jogos como The Nomad Soul, Fahrenheit, Heavy Rain e Beyond: Two Souls, a francesa Quantic Dream ocupa um espaço primordial no quadro das aventuras e narrativas com destacadas componentes audio e cinematográfica. Para lá deste apartado que visa sobretudo o resfolgar das emoções, são também jogos que procuram aprofundar as relações entre seres humanos, por vezes com o mundo que habitam. Neles confluem sonhos e pesadelos, numa dimensão sobrenatural a querer contar algo mais, mas também há espaço para as rotinas diárias, as operações de um tipo de actividade capaz de acalentar a interacção e manter o jogador ligado a alguma tarefa.

Under the Waves enquadra-se nesses moldes. Produzido pelo francês Paralell Studio e publicado pela Quantic Dreams, bebe muitas das influências da sua editora. O fundo do oceano, dotado de condições mínimas para alojar temporariamente um ser humano entrege à manutenção de aparelhos e cabos de vária ordem, pode ser um local perfeito para desenvolver uma narrativa. Atar ao plano profissional uma dimensão familiar ou um qualquer resquício de trauma ou sentimento a erradicar naquelas profundezas, acaba por lhes dar ainda mais eco, especialmente quando o mundo do sonho e o sobrenatural aparecem no sono e nas tarefas diárias.

Image credit: Quantic Dream

Não é um jogo pródigo em grandes valores. Tecnicamente estamos perante uma produção que deixa identificar facilmente os seus limites, especialmente se jogado numa plataforma recente, como a PlayStation 5. Ocorrem pequenas deficiências ao nível do contacto com as coisas no fundo do mar e quando há um avolumar de objectos a frame rate tende a ressentir-se. Ainda assim há uma produção assinalável de coisas no fundo do mar, com o seu fundo irregular e montanhoso a servir de pequenos esconderijos e locais mais recônditos. Grande parte dos objectos passíveis de interacção são assinalados a curta distância, com uma identificação imediata e o mesmo acontece com as missões ao ponto de colocar um fio condutor e linear no avanço. Enquadradas numa espécie de tarefas de manutenção dos aparelhos ali colocados, as missões regulares somam-se aos imprevistos, ao que acontece à superfície das ondas, como o cargueiro que deixa cair os contentores ao mar.

Exploração em jeito de mundo aberto

O fundo do mar é esse local retratado na literatura de ficção científica, por intermédio de Júlio Verne, e de um punhado de jogos que o exploraram, como Abzu ou Endless Ocean. O tónico em Under the Waves é mesmo a exploração. A acção decorre no Mar do Norte e o jogador veste o fato de um mergulhador chamado Stanley. É uma jornada a solo e solitária, ainda que haja ligação por rádio com a UniTrench, responsável pela exploração do fundo do mar e extracção de petróleo. A actividade do mergulhador insere-se numa série de rotinas. Para tal dispõe de um pequeno submarino chamado Moon, capaz de o transportar a qualquer sítio do fundo sem grandes dificuldades.

A estação onde repousa é subaquática. Dispõe de um quarto e um pequeno espaço de repouso, bem como uma zona onde armazena bens necessários à exploração e uma pequena mesa de construção de objectos. Desde kits de reparação a bombas de ar feitos a partir de plásticos e organismos gerados no fundo do mar, é possível fabricar alguns objectos cruciais para a manutenção da vida naquelas condições. Até uma máquina fotográfica é facultada com o objectivo de tirar fotografias aos monstros e grandes cetáceos que por ali passam.

Image credit: Quantic Dream

Nas tarefas de rotina, Under the Waves opera dentro da normalidade e do que se pode apelidar de padrão de entretenimento. O jogador coloca a pressão ideal de exigénio regulando os cilindros de operação. Promove a limpeza do fundo do oceano ao recolher peças de metal e plástico. Identifica um conjunto de contentores. Tudo missões de rotina. A melhor fase, porém, acontece quando Stanley se afasta das tarefas de manutenção e persegue alguns sinais misterioros, como acontece quando penetra num submarino afundado nas profundezas, corroído, perseguindo a luz ofuscante de uma medusa.

Alucinações, sonhos e pesadelos

Os contactos que Stanley mantém através do exterior, pela empresa que ali opera e também pela sua exposa, inicialmente reportam-se a questões relativamente triviais, tanto a nível empresarial como pessoal. Mas à medida que os dias em profundidade se acumulam e enxertam num só segmento, o mergulhador é afectado cada vez mais por visões, sonhos e pesadelos. O fio narrativo chega a novos contornos, especialmente o drama familiar que atinge o protagonista e como se tentou livrar dele optando por aquele trabalho. Descobre que só serviu para o agudizar.

Por outro lado, o protagonista questiona também os motivos da empresa, quando se apercebe que muitas incursões e boa parte da sua actividade afectam o ecossistema. A aventura não é grande e num conjunto de poucas horas é suficiente para preencher com sucesso alguns intentos a que é candidata, principalmente a sensação de isolamento e solidão do fundo do oceano.

Image credit: Quantic Dream

A banda sonora, da autoria de Nicolas Bredin, é notável. Graças a melodias que ecoam em momentos centrais da narrativa, cimenta ainda mais essa sensação de isolamento, uma total imersão levada pelos acontecimentos invulgares experimentados pelo protagonista. Há fases de algum sufoco e tensão quando o ar rareia nas garrafas de oxigénio e, para lá do cumprimento da missão, está em risco a vida da personagem. Não é que a dificuldade seja elevada. Alguns descuidos são suficientes para perder ali a vida e ter de repetir algumas secções, mas não se pode dizer que haja falta de interesse em prosseguir.

Ver no Youtube

Mesmo não sendo um jogo de grande orçamento, apresente modestos valores e se mencionem alguns reparos nos marcadores e na forma como é apresentado o mapa do fundo do oceano, é um jogo que compele pelo fio condutor da narrativa e por potenciar a dimensão humana e o dilema que habita sobre o protagonista. Pese embora as limitações, há algumas sobreposições de camadas de azul realmente admiráveis. Os movimentos da personagem, a nadar e a operar máquinas e aparelhos são também bastante realistas, denotando uma boa física. Under the Waves consegue, apesar das suas falhas e algum serviço de ocupação rotineiro e previsível, deixar uma óptima impressão quando avança para momentos de exploração que adensam o mistério. Talvez seja ultrapassado por outras narrativas e por diferentes modelos de interacção. Mas boa parte do que propõe é apelativo e também para quem joga proporciona essa sensação de isolamento. Gere sensações e também é isso que se pede a um jogo com uma forte componente narrativa e cinematográfica.

Prós: Contras:
  • Narrativa bem construída
  • Reprodução do fundo do oceano
  • Sensação de isolamento
  • Alucinações do protagonista
  • Gradação de cores
  • Banda sonora
  • Não é uma narrativa longa
  • Algumas dificuldades na detecção dos movimentos
  • Ocasionais quebras de frame rate
  • Alguns erros na gravação automática

Lê também