Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Ronda de Análises iOS

Asphalt 6 e Get Outta My Galaxy.

Como os mais atentos já devem ter percebido, a equipa Eurogamer Portugal tem prestado crescente atenção ao mercado dos videojogos para as plataformas móveis, mais precisamente da Apple e após várias análises, como Tiny Wings, Wave: Against Every Beat ou Real Racing 2 e Infinity Blade, continuamos a analisar os novos jogos para os sistemas portáteis da Apple e a recuperar alguns dos mais badalados lançamentos que surgiram num período recente.

Neste artigo são apresentadas as análises ao recente Get Outta My Galaxy e também a Asphalt 6: Adrenaline. Esperamos continuar a apresentar mais análises a ritmo constante e esperamos que o crescimento do mercado portátil da Apple possa ser acompanhado por nós com tanto gosto quanto tem sido até agora.

Asphalt 6: Adrenaline:

Asphalt 6: Adrenaline é o mais recente capítulo na série de corridas arcade da já veterana neste mercado, a Gameloft, e apresentou-se como uma agradável experiência que veio relembrar-me porque sou tão fã do género. Completamente inspirado em séries como Ridge Racer ou Burnout, Asphalt 6 coloca-nos em corridas a alta velocidade com uns visuais para lá de espantosos, uma parceria que rapidamente se assume como se fosse uma espécie de personalidade de tudo o que aqui é oferecido.

Se o Free Race demasiado simplista e imediato até mesmo para a plataforma portátil na qual jogam, o indicado é começar imediatamente pelo extenso e bem estruturado modo Carreira. Aqui vamos entrar em corridas que nos levam para vários locais no planeta nas quais temos que não só vencer os oponentes como também cumprir com objectivos secundários para amealhar mais estrelas e desbloquear mais rapidamente a opção de comprar novas máquinas (modelos reais), ganhar mais dinheiros para comprar mais facilmente melhorias para os bólides e ainda progredir neste mesmo modo.

Colorido e veloz como nenhum outro.

Os objectivos secundários podem passar por efectuar determinado número de takedowns (algo que "empurra" a experiência mais ao encontro de Burnout do que a jogabilidade de condução base que sugere Ridge Racer). O certo é que esta mistura de alta velocidade patrocinada por uns coloridos e vistosos visuais aliados a uma jogabilidade que recorre ao controlo tilt (no qual movemos o aparelho que usamos) é tão simples, intuitiva e imediata que facilmente nos rendemos ao estilo de Asphalt 6: Adrenaline.

Pelos 3.99€ pedidos, Asphalt 6 oferece ainda um modo multiplayer, local ou online, mas apenas serve como um entretenimento sem grande destaque. A sensação é a de todo um protagonismo ter sido imprimido no modo para um jogador e face à sua estrutura cativante (melhor prestação nas corridas desbloqueia mais eventos e dá acesso a mais carros novos) ao lado de uma jogabilidade imediata fazem com que os amantes das corridas arcade tenham aqui a sua referência máxima.

9/10

Get Outta My Galaxy:

Get Outta My Galaxy é a mais recente proposta da Ookoohko Oy e estreia-se com o preço de 0.79€ e pede aos jogadores que se divirtam de forma simples envolta em tons de humor e sarcasmo. Isto porque neste novo jogo de acção 3D com elementos de puzzle controlamos Waka, um ser estranho que apenas queria sossego e tranquilidade por entre as várias sestas que ia tomando. Quando umas adoráveis e vívidas criaturas chamadas Wikus começam a surgir no seu planeta, Waka sabe que medidas drásticas são necessárias para repor a desejada paz na sua galáxia.

Para libertar a vingança xenófoba de Waka, o jogador vai aceder a quatro sistemas solares onde salta de planeta em planeta (de tamanho pequeno e forma arredondada a lembrar o que se via em Super Mario Galaxy) para repor o sossego. O controlo é todo feito através da movimentação do aparelho na direcção para a qual queremos que Waka se mova e para recolher os power ups ou dar chapadas aos Wikus temos que pressionar o local correcto no ecrã.

Como não páras quieto e não levas uma chapada.

Os power ups englobam chapadas mais poderosas, Wake mover-se como um tornado ou então crescer para ser mais ameaçador. Os Wikus oferecem um desafio variado pois existem vários com características específicas e se uns se escondem outros arrebentam. Temos que limpar o planeta de todos eles para progredir e alguns níveis exigem que o jogador tome determinadas acções para desbloquear caminho para uma área restrita. No entanto são elementos ligeiros que mais parecem existir para não tornar a experiência tão igual e monótona a longo prazo.

Get Outta My Galaxy é um título que oferece uma boa proposta no uso dos controlos disponíveis nos aparelhos móveis iOS e cujos visuais se ficam pelo competente após o efeito dos primeiros minutos, causado pelo colorido e movimentação dos personagens, desaparecer. Percorrer os vários planetas pode não ter a emoção dos instantes iniciais mas usado em doses curtas, o novo título da Ookoohko Oy pode oferecer uma diversão bem singular.

7/10

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Marcado com

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários

More Análises

Artigos mais recentes