Skip to main content

Porque Lili passou despercebido?

Falta de amor pelos monstros.

Esta semana o estúdio BitMonster Games anunciou o videojogo Lili, que será lançado em breve nos sistemas iOS.

O jogo está a ser produzido debaixo do motor de jogo Unreal Engine, tendo como equipa de produção seis ex-funcionários da Epic Games, que trabalharam em cargos de liderança em jogos tais como a série completa de Gears of War e o mais recente jogo de nova geração Fortnite, ainda por lançar.

Até aqui são chavões para que o interesse no seu jogo seja logo imediato.

Mas após o lançamento do trailer e imagens do jogo, Lili simplesmente passou despercebido pela comunidade de jogadores.

Longe de ser um artigo sobre o jogo, é algo mais sobre a formatação dos conteúdos principais.

Nas caixas de comentários a nossa comunidade expressa muitas vezes o desejo de algo diferente, queixa-se de sequelas, de géneros gastos e plataformas a precisar de formas novas.

Lili é um jogo a caminho dos sistemas portáteis iOS, o iPad e iPhone. Um híbrido no sentido que junta a aventura e o género RPG.

O primeiro trailer impressiona, quer pelo seu aspeto gráfico, mas principalmente porque traz algo que facilmente se confunde com consolas caseiras.

Na forma de um jogo de aventura, Lili consegue rapidamente cativar o jogador, principalmente pela graciosidade dos movimentos, da riqueza da arte e porque não, é um jogo realmente novo. Uma nova IP de um grupo de artistas que quer mostrar algo diferente dentro do panorama dos sistemas móveis.

O que mais surpreende neste anúncio é que nem mesmo o facto de ter sido referido que era de ex-funcionários da Epic Games trouxe à atenção dos leitores. Sim porque é um estúdio com cartas dadas, não precisa de apresentações.

Com isto depreende-se que a ideia de "jogos para telemóveis" vincado aos jogos ainda parece dispersar o interesse dos jogadores. Talvez muitos pensam "É para os telemóveis, não há interesse". Ou simplesmente ignoram.

"O público muitas vezes apenas vai atrás do que os outros seguem."

Quando falo em "Falta de amor pelos monstros" é porque muitas vezes parece que estes jogos são tratados como tal. E é interessante vermos a evolução de um videojogo desde a sua apresentação e como o público muitas vezes apenas vai atrás do que os outros seguem.

Lili poderá crescer em hype conforme for evoluindo até ao seu lançamento. Mas diferente dos jogos para consolas, PC ou portáteis, os jogos para os sistemas como o iPhone e iPad apenas parecem ganhar protagonismo após o seu lançamento, isto mesmo que os meios de comunicação falem deles meses antes.

Dito isto, o repto é que deem atenção a Lili, a menina precisa de amigos, tal como os monstros. (esta foi roubada).

E já agora, não deixem de dar a vossa opinião sobre este assunto.

Lê também