Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

O verdadeiro preço da PS5 é muito mais do que 549 euros

As lojas oficiais estão a comportar-se como scalpers.

Quem tentou comprar ou comprou uma PlayStation 5 no último ano conhece bem esta situação. Como se a escassez da consola não fosse impedimento suficiente para a sua aquisição, os consumidores ainda têm que lidar com tácticas predatórias das lojas. Apesar do PVP recomendado de 549 euros ou de 449 euros (depende se o modelo tem leitor de discos ou não), é praticamente impossível neste momento encontrar uma PS5 à venda por esses preços.

O que parecia uma situação temporária devido à crise de componentes, tornou-se num padrão. A táctica das lojas é simples: em vez de venderem a PS5 separada, como seria normal, fazem um bundle com um, dois, ou três jogos, e em alguns casos, também com acessórios como um comando extra. Estes pacotes, ainda que por vezes o valor final seja inferior se somarmos o preço de tudo o que está incluído, obrigam o consumidor a gastar muito mais do que seria suposto.

Assim sendo, em termos práticos, o verdadeiro preço da PS5 não são 549 ou 449 euros. O preço da consola no mercado é bem mais elevado. Uma rápida procura num motor de busca mostra que há várias lojas com stock da PS5 em Portugal, porém, o preço de venda está cada vez mais próximo de ser o dobro do PVP recomendado, mesmo sem adição de itens extra. Vejam, por exemplo, os preços do recente bundle da PS5 com God of War Ragnarok, que supostamente deveria custar 549 euros.

O que diz a DECO?

Perante esta situação que já se prolonga há demasiado tempo, decidimos contactar a DECO, que nos colocou em contacto com a sua equipa jurídica para averiguar a situação. De acordo com a DECO, legalmente as lojas têm o direito para estabelecer o preço de um produto e de fazer diferentes pacotes depois de o adquirirem ao fornecedor. Ou seja, apesar da situação ser desfavorável para o consumidor, as lojas não estão a ir contra a lei.

Também perguntámos se o consumidor tinha algum poder ou direito que lhe permita exigir às lojas que lhe vendam a PS5 isolada, ou seja, sem os jogos e/ou acessórios que aumentam o preço final. A resposta é, infelizmente, negativa. A DECO disse-nos que não existe legislação em Portugal que permita ao consumidor exigir que a venda da PS5 (ou de qualquer produto) seja feita isoladamente.

Qual o papel da PlayStation?

A PlayStation é o fornecedor de consolas PS5 às diferentes superfícies. É a única identidade que, potencialmente, teria algum poder para estabilizar a situação, mas novamente, as lojas não estão a fazer nada de ilegal, de acordo com a lei portuguesa. Uma "salvação" para o consumidor seria que a loja online PlayStation Direct estivesse disponível em Portugal. É loja oficial da PlayStation e em países estrangeiros é possível adquirir consolas PS5 ao preço normal, fintando as táticas desagradáveis das outras lojas.

O que podem fazer os consumidores?

Estamos perante uma situação em que os consumidores estão quase de mãos atadas. A DECO disse que o único poder que o consumidor tem é não comprar em lojas com estas tácticas. O problema é que todas as lojas estão a fazer o mesmo. Encontrar uma PS5 à venda pelo PVP recomendado é como encontrar o Santo Graal. No entanto, se as lojas estão a praticar estes preços, é porque ainda há pessoas que compram a consola por estes preços, caso contrário, os preços estariam em sentido descendente (o que não é caso).

A todos os que estão a ler este artigo e compraram uma PS5, fica a questão: quanto pagaste pela tua consola?

Marcado com
Sobre o Autor
Jorge Loureiro avatar

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Comentários