Skip to main content
Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

O que estamos a jogar | 18 de Março

Confessem os vossos pecados!

Olá, estamos de regresso com a nossa rúbrica semanal, na qual falamos de alguns dos jogos que temos jogado nas últimas semanas ou que ainda estamos a jogar.

Estes são os jogos que nos entusiasmam e que não conseguimos resistir a jogar, vendo as horas passar a voar.

Há sempre aquele jogo especial que não conseguimos largar, especialmente numa era de jogos que recebem conteúdos e atualizações meses ou anos depois do lançamento.

Há sempre aquele clássico que queremos repetir ou até mesmo descobrir pela primeira vez, um guilty pleasure que nos captura sem explicação ou uma ramificação de uma série popular para um novo género que queremos investigar.

Seja numa consola, PC ou até no mobile, há sempre algo que desperta a nossa empolgação e estamos constantemente à procura da próxima grande experiência que nos vai deslumbrar.

E tu, o que tens andado a jogar nestes últimos tempos? Nós queremos saber.


Destiny 2: Lightfall

Um dos problemas de voltar a jogar Destiny é que se torna tão viciante que acaba por consumir todo o tempo livre que tens. Tem acontecido um pouco isso comigo. Não completamente, mas sinto o bichinho a crescer. Se calhar, é porque já não jogava há tanto tempo. Quando deixei de jogar há cerca de três anos, estava exausto do ciclo que se repetia a cada expansão. Agora, aqui estou novamente, a desfrutar desse ciclo.

Jorge


Resident Evil 2 e Resident Evil 3

Ver no Youtube

Estive esta semana à espera da chegada de Resident Evil 4 remake para a nossa análise, que chegou às minhas mãos no final da mesma. Até à sua chegada, revisitei os dois remakes anteriores, Resident Evil 2 e Resident Evil 3. Estas atualizações levadas a cabo pela Capcom ressuscitaram a série, que tem vivido tempos de enorme positividade desde o lançamento de Resident Evil 7, sem esquecer obviamente Village. É então com enorme entusiasmo que se volta a receber mais um trabalho com a finalidade de trazer até à atualidade um dos grandes nomes da indústria. A nossa análise a Resident Evil 4 remake está quase a chegar, estejam atentos.

Adolfo


Super Mario 64

Decidi voltar a pegar na Super Mario 3D All-Stars para a Nintendo Switch e desfrutar da diversão imediata que estes jogos oferecem. Os gráficos coloridos e o design visual que permite a pessoas de qualquer idade se afeiçoarem rapidamente ao que vêm no ecrã é digno de todos os elogios e devia ser objeto de estudo. O plano era jogar Super Mario Galaxy, mas acabei por jogar Super Mario 64 e fiquei rendido. Aquela diversão casual e instantânea é irresistível e quando dás por ela, queres jogar mais 5 minutos. Além disso, colocar um jogo do Super Mario a correr conquista a atenção até de quem não joga, seja pela sonoridade ou pela boa energia que transmitem.

Bruno


Gran Turismo 7

Quando meti a primeira velocidade em Gran Turismo 7 estava a contar subir as marchas e não descê-las, até porque é uma das minhas séries favoritas de sempre, mas o melhor é quando um dos jogos favoritos nos surpreende pela qualidade e desempenho. Ainda não estou a jogar com volante, apenas com o comando, mas a sensibilidade à travagem, aceleração, tem servido de aperitivo. Agrada-me que a Polyphony Digital tenha criado uma experiência por camadas, iniciando o jogador em carros menos potentes antes de lhe entregar os desportivos de competição e aquelas gemas que custam milhões. O salto qualitativo na série é assinalável não apenas nos visuais. A simulação de uma corrida no asfalto (e na terra) obedece a uma mais rigorosa fidelização da física. E depois há os circuitos, mais profundos, detalhados e bonitos, onde é apreciável notar as transições no tempo, bem como o clima. Depois de ligar este motor, não dá para desligar.

Vítor

Lê também