Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

O que está no interior do protótipo Piston?

O Digital Foundry sobre o que esperar da máquina financiada pela Valve.

A Steam Box é real, a Valve pretende criar um PC de sala de estar baseado em x86 e os protótipos estavam presentes no CES 2013. Baseado na arquitetura PC e a correr com o Linux, o conceito Piston da Xi3 é um cubo metálico ultra pequeno que tem um impressionante leque de entrada e saídas PC e que supostamente gasta apenas 40 watts - metade de uma Xbox 360. É sabido que a Valve me si investiu na Xi3 para produzir este equipamento e que o kit está presente - juntamente com outros designs - no seu espaço no CES.

"Hoje fica marcado por um novo início de uma nova pera para a Xi3," dizo CEO da Xi3, Jason A. Sullivan .

"Este novo produto em fase de desenvolvimento vai permitir aos utilizadores tirarem total partido da sua enorme HDTV para uma fantástica experiência de jogo de computador. Como resultado, este novo sistema pode providenciar acesso a centenas de jogos através de um sistema integrado que excede as capacidades das consolas de jogos líder, mas que cabe na tua mão."

Se isto vai ser mesmo produzido ainda não sabemos, e notamos o cuidadoso uso de "pode providenciar" ao invés de "providencia" ou "providenciará" na frase de Sullivan.

Essencialmente, estamos a olhar para tecnologia portátil sem ecrã e teclado, retrabalhado para uma muito pequena, modular, atualizável peça. Dentro do exterior do cubo encontramos uma abordagem bem inovadora ao design PC pois a motherboard está dividida em três secções distintas arranjas numa forma U. No fundo encontramos o quadro de circuitos de controlo do processador que alberga o APU e RAM, flanqueados por duas placas IO. A beleza do design é que todas estas três placas podem ser trocadas por outras opções, ou melhoradas. O contra é que as três placas principais diferentes provavelmente custam significativamente mais de criar do que um único produto.

O protótipo Piston é baseado no Xi3 X7A, apresentado aqui na imagem. Com três saídas de vídeo, oito portas USB e quatro portas eSATA esperamos que qualquer unidade de venda seja um pouco inferior, a menos que o Xi3 tenha como destino um nicho da audiência.

É a placa em si do processador que é o elemento mais interessante. Imagens do interior mostraram anteriormente o que parece ser um espantoso processador AMD de portátil no seu centro, mas as especificações da performance do modelo X7A nas quais o Piston é baseado são completamente iguais em todos os aspetos para o APU Trinity móvel lançado nos portáteis este ano, e analisado por Tom Morgan do Digital Foundry. Os APUs da AMD são essencialmente processadores multi-core eficientes no poder apoiados por núcleos gráficos integrados que oferecem o mesmo tipo de performance que encontram numa gráfica de entrada. Anteriormente vistos como uma piada, os IGPs estão agora a ser levados a sério pela Intel e AMD, com a primeira a criar quantidades significantes com a sua HD4000, apesar das ofertas da AMD estarem bem à frente a respeito da performance.

Então com núcleos shader 384 e um processador quad-core com 3.2GHz, estamos essencialmente a olhar para o AMD A10-4600M, uma peça de tecnologia que testamos nos jogos mais exigentes. Ao longo deste artigo vão ver como lida com jogos como Battlefield 3, Crysis 2 e Skyrim, mas a conclusão é que não existe performance de "nova geração" aqui - a 720p, vemos melhorias no clássico DICE comparado com a 360 e PS3, enquanto os resultados com os épicos Crytek e Bethesda são inconclusivos. Também precisamos ter em conta que BF3 e Crysis 2 correm nas definições baixas, apesar de podermos invocar um perfil alto em Skyrim e ainda conseguir performance aceitável. No entanto, em todos os casos, estamos a ver 720p30 aproximados e portanto estamos firmemente em território das consolas atuais.

Num ano que vai ser definido pelas ofertas de nova geração da Sony e Microsoft, isto coloca Piston numa situação estranha - representa a "consolidação" de uma plataforma que está tradicionalmente associada a enormes ganhos na performance sobre máquinas dedicadas a jogos, mas está a parecer decididamente abaixo comparado com o equipamento que está para chegar.

Battlefield 3 a correr no APU Fusion da AMD quase certamente dentro do aparelho X7A da Xi3 do qual o protótipo Piston é baseado. O chip corre o jogo nas definições baixas perto dos 720p30 com v-sync ativa.

No entanto, apesar de interessante do aspeto da performance, estamos a olhar para uma performance Windows, e a Valve vai correr o Linux. Timothy Lottes da NVIDIA ( criador da FXAA e TXAA) faz argumentos interessantes no seu blogue sobre as vantagens que o SO aberto e OpenGL tem sobre o Windows, e é bem sabido que a Valve tem uma boa equipa a olhar para as otimizações de jogos para a plataforma enquanto desenvolve ferramentas de desenvolvimento e condutas de trabalho para transportar jogos mais fáceis e simples do que agora. Um ponto que se destaca nos comentários de Lottes é o facto de quando o jogo corre no Linux, tem acesso às capacidades de toda a máquina sem processos de fundo a comer a performance.

Apesar de muitos não ficarem muito impressionados com a proposta de equipamento que oferece pouco em termos de um salto de geração em visuais de jogos sobre uma 360 com 7 anos, um facto que precisa ser apontado é que o equipamento X7A do qual o Piston é baseado é mesmo um sistema modular que podem ser atualizado - e que o novo equipamento não tem especificações definitivas acertadas. A plataforma portátil Trinity da AMD (essencialmente idêntica à versão notebook, mas com velocidades de relógio maiores) é baseado numa entra de processador que foi desenhada para resistir durante anos, e não nos iria surpreender que o mesmo fosse verdade no equivalente móvel. Sendo esse o caso, pode muito bem ser que a produção do Piston use a revisão futura do APU Fusion, que deve ter núcleos de processador redesenhados e mais eficientes a funcionar em sintonia com uma melhoria na gráfica derivada de uma arquitetura GCN bem sucedida que dá poder a todas as gráficas 7xxx da AMD. Também haverá espaço de memória partilhado pelos elementos de processamento e gráfica do processador.

Resumindo, podemos esperar um aumento significativo na performance sobre o APU Trinity, mas pesando o pequeno fator forma da unidade e o baixo consumo inerente no design, é provável que fique longe do que podemos esperar ver nas consolas de nova geração da Sony e Microsoft que devem beber energia em comparação.

Mesmo nas definições mais baixas, tivemos dificuldades em correr Crysis 2 suavemente no portátil AMD Trinity e precisamos correr a 1024x600 para ter algo perto de 30FPS fixos.

No entanto, a direção seguida com o conceito Piston atraiu fortes críticas de jogadores dedicados, talvez à espera de uma Steam Box mais nas linhas do Alienware X51, que atualmente apresenta os processadores Ivy Bridge mais recentes combinados com a Nvidia GTX 660, providenciando uma experiência de jogo consideravelmente além das atuais consolas. O que não ajuda é o facto do preço do Xi3 rondar uns preocupantes 999$ - perto do valor do X51. No entanto, o preço não nos preocupa neste caso. Volume baixo de silicone é notoriamente caro de produzir, parece como um design relativamente simples que pode ser construído barato - a real questão para determinar o custo é quanto a AMD vai cobrar pelo APU: o preço de venda do chip Trinity para portáteis está perto dos 110 euros enquanto portáteis completos construídos em redor do A10-4600 também não são baratos. Qualquer potencial construtor da Steam Box vai enfrentar os mesmos problemas - em termos relativos, silicone não é barato.

Claro, o facto de a Xi3 ter recebido fundos da Valve e de o Piston ser um elemento da companhia no seu espaço CES não significa necessariamente que esta é a Steam Box, pode simplesmente ser um de um número de modelos - e pode nunca chegar ao mercado sequer. A Valve disse publicamente que não se quer tornar numa vendedora de equipamento, apenas que procura os parceiros certos para fazer o trabalho. Com o poder da marca Steam a apoiar, podemos dizer que a companhia sem dúvida tem muitos interessados, e toda a ideia de abraçar o Linux é para criar a plataforma aberta que a Valve acredita estar em perigo com a chegada do Windows 8.

Talvez não surpreenda que Doug Lombardi da Valve tenha procurado conter a história do Piston. Apesar de não negar a ligação da Valve, o protótipo não tem sequer uma menção.

"A Valve vai estar no CES para se encontrar com criadores de equipamentos e conteúdos no seu espaço," disse Lombardi ao Polygon. "Vamos levar múltiplos protótipos de equipamento personalizados assim como PCs de venda para as nossas reuniões no CES."

Lombardi clarificou esses designs, descrevendo-os como designs de alta performance "de baixo custo" para a sala de estar que são bons candidatos para o Steam e Big Picture ".

Skyrim podia correr a 720p no máximo no APU Trinity da AMD com FXAA ativada, mas o rácio de fotogramas passa por dificuldades em alguns pontos.

Sobre o Autor

Richard Leadbetter avatar

Richard Leadbetter

Technology Editor, Digital Foundry

Rich has been a games journalist since the days of 16-bit and specialises in technical analysis. He's commonly known around Eurogamer as the Blacksmith of the Future.

Comentários