Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

O guia do Digital Foundry para a compra de melhor gráfica de baixo custo

Quanta performance pode ser extraída de gráficas de 90-160 euros? E existem pechinchas em segunda mão?

Passaram seis meses desde que analisámos a Radeon HD 6870 da AMD, nos 120 euros na altura, e ficámos chocados por ver que não precisas de assaltar um banco para ter os desejados 1080p60 na maioria dos jogos. Amarrados por designs de jogos baseados nas capacidades das atuais consolas, descobrimos que é possível melhorar radicalmente sobre a experiência de jogo Xbox 360 e PlayStation 3 com um equipamento gráfico PC relativamente barato. Então a questão é, com uma nova vaga de gráficas de baixo custo a chegar, o que podemos esperar delas em termos de preço vs. performance, e como se aguentam estas gráficas contra as mais populares da mais recente geração de gráficas?

Para os que querem uma atualização barata, não há melhor altura que esta. Existe agora um leque de viáveis opções na casa dos 120 euros que podem correr os pesos pesados de outrora - de Battlefield 3 a Crysis 2 - em definições mais perto das nossas expetativas da próxima geração do que da atual. Para resumir, as melhores ofertas na altura da escrita, pensamos testar a Nvidia GTX 650 e a Radeon HD 7770 da AMD para ver como se compara a performance para os que têm um orçamento na casa dos 100-120 euros. Para jogadores com um orçamento ligeiramente mais generoso, também olhamos para as ofertas de topo de cada companhia, com a GTX 650 i e a HD 7850 na casa dos 120-160 euros.

Claro, as gráficas mais baratas são tradicionalmente onde a AMD domina assim que a performance por euro é avaliada e até promoções recentes mostram que estas gráficas não podem ir acima de 80 euros se conseguires encontrar uma boa promoção, mas o nível de poder disponível por menos de 160 euros é bem fenomenal - como vamos ver mais tarde. Independente, com uma inferioridade gradual nas gráficas Kepler da Nvidia ao longo de 2012, a questão eterna permanece: quais as gráficas que oferecem a melhor combinação entre peço e performance?

"A espantosa realidade é que hoje gráficas de 90 euros oferecem performance a 30FPS nos mais exigentes jogos PC, nos níveis máximos - e a 1080p."

Mas existe mais numa gráfica do que o aspeto puramente técnico. No que diz respeito à emissão de calor, consumo, e presença física, a GTX 650 Ti bate a maioria das gráficas. Os contrastes com as anteriores gerações baseadas em 40nm é especialmente espantoso. Registamos um TDP de 10W enquanto parados num PC com a placa, que dispara para 95 no pico de ação durante testes gráficos em 3DMark 11. A GTX 460 mais velha, envia 20W e 160W nestes respetivos testes, enquanto a 6870 dá-nos 15W parada e um máximo de 155W durante o primeiro teste. Isto também se reflectiu no envio de calor da GTX 650 Ti, que registamos apenas a 24 graus Celsius ao navegar na net, e não mais de 55 graus sob carga extensiva.

Inevitavelmente, as leituras das nossas placas de entrada provam ser mais impressionantes do ponto de vista da eficiência no consumo. Na contagem mais alta no teste, registamos 85W da 7770, e 65W da nossa GTX 650. O tamanho conta aqui, a segunda placa tem menos transistores - aproximadamente 1300 milhões - num espaço minúsculo de 118mm2. Independente, o prémio para placa mais pequena ainda vai para a versão Ti na sua forma de referência, que se compreende de apenas 15.5 centímetros, e apenas ocupa uma entrada quando instalada no PC.

Análise à performance: testes sintéticos

Com o aspeto técnico coberto, podemos passar para os testes. Os novos lançamentos debaixo da lupa são a GTX 650, GTX 650 Ti, HD 7770, e HD 7850 - mas para colocar o seu progresso em perspetiva também adicionamos placas de geração mais tardias, incluindo a HD 6770, HD 6870 and GTX 460.

Vamos começar com o leque mais baixo de 80-120 euros, e é surpreendente ver a falta de colossal melhoria na 7770 sobre a sua predecessora espiritual, a 6770. Estranhamente, o aumento da placa Pitcairn no relógio interno serve de pouco no teste de Metro 2033, que corremos nas definições muito altas no modo DirectX 11, 1080p, tecelagem e DOF ativados. As melhorias são nada mais que 1FPS em média durante três passagens por caves, nas quais temos luz dinâmica, múltiplos NPCs, e propriedades de físicas de destroços em explosão e tecido em movimento.

Também incluímos as favoritas do passado dos entusiastas nesta comparação - a GeForce GTX 460 e a Radeon HD 6870. Como podem ver, a velha 460 apenas oferece modestas melhorias sobre a nova 650, mas tal como achamos a 6870 como um espantoso valor em novo de 120 euros, no seu atual preço usado perto dos 90 euros, representa um aumento significativo sobre as alternativas novas.

Nestes testes de qualidade vemos Metro 2033 a correr o teste Frontline no DX11 a 1080p na qualidade very high, com 4x multi-sampling anti-aliasing e 4x filtro anisotrópico, enquanto as nossas métricas de Batman são baseadas na nossa ferramenta de teste de qualidade a correr a 1080p no modo DX11 com 8x MSAA, alta tecelagem, detalhe muito alto e todas as outras definições ativas - excepto pela PhysX.

HD 5770/6770 HD 7770 GTX 650 GTX 460 HD 6870
Metro 2033: média de FPS 9.39 10.73 12.67 16.75 18.67
Batman AC média de FPS 31.00 28.00 31.00 35.00 48.00
Avaliação 3DMark 11 X889/P2904 X893/P2908 X1021/P3151 X1179/P3667 X1393/P4441
Gráficos 3D Mark 11 793/2619 794/2611 908/2097 1045/3340 1244/4133

Testar o Unreal Engine 3, através da ferramenta de teste de qualidade interna de Batman Arkham City, dá-nos resultados muito piores ao jogar nas definições altas, 1080p, com 8x MSAA. Ainda assim, chegar perto dos 30FPS durante esforços DX11 tão intensivos é um feito recomendável para placas deste preço.

Os resultados provam ser na maioria mistos no que diz respeito aos testes 3DMark 11, nos quais as duas placas AMD são praticamente iguais nas notas gráficas gerais tanto para os testes extremos de performance e completos 1080p. Com uma vantagem de 13 por cento na avaliação gráfica aqui, isto posiciona a GTX 650 como uma líder clara e consistente - o único sinal de fraqueza é a igualdade na média de FPS nos testes de Batman com a 6770.

Passando para as mais caras na ordem dos 120-160 euros, encontramos a 7850 a dizimar a competição, com uma vantagem de 17 por cento sobre a avaliação gráfica extrema da GTX 650 Ti no 3DMark. Também chega em média aos 59FPS durante o nosso teste Arkham City, sem v-sync ativa, sugerindo que um bloqueio no refrescamento a 60Hz típico dos monitores pode ser eficaz para jogos suaves nestas definições. Dado que ambas as placas podem ser compradas por cerca de 150 euros atualmente, é claro que a AMD ainda tem domínio no mercado de gráficas baixas-médias no que diz respeito à performance.

Vemos aumentos úteis tanto nas novas placas sobre as favoritas dos entusiastas da geração anterior, particularmente em termos da ultrapassada GTX 460. No entanto, a velha 6870 bate a oferta da Nvidia por uma margem de 11FPS em Arkham City, provavelmente devido à sua alta taxa de preenchimento de 134.4Gbps, apesar de tal ficar longe do padrão nos testes sintéticos de qualidade.

GTX 460 HD 6870 GTX 650 Ti HD 7850 1GB
Metro 2033 média de FPSS 16.75 18.67 15.33 23.78
Batman AC média de FPS 35.00 48.00 37.00 59.00
Avaliação 3DMark 11 X1179/P3667 X1393/P4441 X1451/P4568 X1751/P5794
Avaliação 3D Mark 11 1045/3340 1244/4133 1310/4379 1566/5496

Análise em jogos: testes de vídeo

Passando para os testes práticos, temos cada placa a correr shooters DX11 tais como Battlefield 3 e Crysis 2, e o expansivo RPG DX9, The Elder Scrolls: Skyrim. Ao invés de apresentar cada uma destas análises em vídeos separados como habitual, preferimos compilar os momentos mais exigentes de cada jogo num. Isto dá-nos a oportunidade de comparar as três gráficas de entrada - a GTX 650, HD 6770 e HD 7770 - todas num só sem precisar de passar por mais nada. Cada teste aqui corre no nosso equipamento de teste, equipado com um Intel i5-2500k com o relógio aumentado para 4.2GHz, e 8GB de 1600MHz G-Skill RAM. O objetivo é providenciar poder de processamento e memória suficientes para não afunilarmos as capacidades da gráfica. Para manter as coisas consistentes, cada jogo corre a 1080p com v-sync, e no caso de Crysis 2, temos instalado o pacote de texturas de alta resolução.

A tecelagem prova ser demasiado para a performance nestas placas, baixando o rácio de fotogramas para 20FPS ocasionalmente, e portanto desligamos o pacote DX11 em Crysis 2. Curiosamente, isto não é um problema sequer em Battlefield 3, onde chegamos aos 30FPS e acima na GTX 650 - principalmente devido ao seu uso do vários núcleos para tarefas de shading diferenciado no processador. No geral, a diferença entre as placas de entrada são pequenas durante jogos FPS, mas a 7770 tende a ficar 5-8FPS abaixo em cenários lado a lado. O nível Operation Swordbreaker de Battlefield 3 é um perfeito exemplo disto, onde uma caminhada lenta pelo campo militar mostra a placa Nvidia mais perto da linha 30FPS, enquanto a da AMD fica abaixo disso em toda a duração.

"Cada uma das nossas gráficas abaixo dos 120 euros oferece uma performance aproximada estando a GTX 650 centímetros à frente - talvez devido ao nosso aumento de relógio neste particularmente modelo de fábrica."

Uma comparação das placas de entrada de 80-120 euros. Aqui temos a GTX 650, à esquerda no vídeo, a manter-se consistentemente acima da HD 7770 e da HD 6770, que alternam à direita. Para cada gráfica, corremos Battlefield 3 nas definições altas, Crysis 2 nas muito altas, e Skyrim em ultra.

Quanto a comparações entre a 7770 e a 6770, alternar entre as duas placas AMD revela ganhos quase imperceptíveis. Ambas correm Crysis 2 a 40FPS durante secções de tiroteio sem sincronização, cada uma dá-nos mais do que carga suficiente para os que estão dispostos a fixar o jogo nos 30FPS. Entretanto, Skyrim fica-se nos 30FPS em todas as placas durante a cavalgada até a aldeia de Helgen - impressionante considerando a 8x MSAA ativa nas definições ultra, e cada placa tem apenas cerca de 80Gbps de memória de largura de banda à disposição.

Jogar estes jogos nas mesmas definições também prova ser um bom exercício para as gráficas de topo. Para avaliar o conjunto de gráficas nos 120-160 euros, a única mudança nas definições necessária é o uso da atualização DX11 para Crysis 2, que ativa a tecelagem. De resto, Battlefield 3 mantém-se em alta, Crysis 2 em muito alta, e Skyrim em ultra, todos os testes a correr a 1080p.

Pelo outro lado, a GTX 650 Ti é melhor que a GTX 460 da própria Nvidia em jogos como Battlefield 3, onde duplicar a contagem de núcleos de shader de 336 para 768 trabalhou a seu favor durante a cena final do terramoto, permitindo uma vantagem de 8FPS aqui. Em Crysis 2, no entanto, vemos esta revisão Ti a não acompanhar nem a 6870 nem a GTX 460 durante a cena da inundação no submarino, ficando frequentemente atrás da competição por 5FPS enquanto se nada debaixo de água para as luzes.

"No leque de 120-160 euros vemos a performance a abir e também vemos a mais velha GTX 460 e a Radeon HD 6870 serem facilmente batidas pela HD 7850 da AMD."

Gráficas de 120-160 euros em destaque. Neste teste colocamos a suprema HD 7850 à esquerda, enquanto à direita alternamos entre a GTX 650 Ti, HD 6870, e GTX 460. Novamente os resultados são conclusivos nesta categoria, com um forte favorecimento para a 7850 em todos os jogos- talvez não surpreenda pois é a mais cara em oferta. Ao contrário dos testes anteriores, onde os 30FPS são um alvo necessário, podemos facilmente obter refrescamento completo a 60FPS nestes testes - desde que estejam armados com uma potência Pitcairn da AMD. A GTX 650 Ti porta-se admiravelmente, considerando que é uma placa mais pequena com menos poder e precisa de ventilação mínima. No entanto, durante jogos como Skyrim bate a leitura da 6870 da anterior geração ao puxar entre 40-50FPS.

Gráficas de baixo preço: o melhor do resto

Com todas as sete placas a correr os jogos mais exigentes do momento, ficamos satisfeitos que a 7850 é a escolha para o leque superior, enquanto a GTX 650 vence por uma unha dentro da seleção mais barata. Tudo o que resta ver é como estas placas se portam com jogos que devem correr facilmente na maioria das configurações. Neste caso, jogamos cada a 1080p no máximo, sem v-sync, e 2x MSSA onde possível.

A vantagem da GTX 650 é bem mais perceptível ao ver os resultados nestes jogos DX9, e tem uma clara vantagem de 10FPS ou mais em jogos como StarCraft 2, Portal 2 e Diablo 3. A única excepção à regra é Dirt 3 da Codemasters, um jogo desenvolvido com uma aparente preferência pelo suporte de drivers da AMD, que oferece uma vantagem mínima na 6770 e 7770 ao correr o American Cross Rally. Os maiores ganhos estão em Diablo 3, que testamos ao lutar na cidade de New Tristram até ao primeiro ponto em Old Ruins. Mesmo a correr em high, sombras suavizadas, conseguimos na mesma sustentar em excesso os 60FPS na placa Nvidia, que significa que baixar para 30FPS é menos frequente assim que a v-sync está ativada.

Nas de topo, a edição Ti da GTX 650 fica mais perto de ultrapassar a liderança da 7850 durante StarCraft 2, para o qual corremos uma repetição 2v2 em Kula's Ravine via motor do jogo. São apenas 5FPS de diferença, enquanto a GTX 460 fica ainda mais perto a 73.5FPS. Em todos os outros testes a 7850 permanece intocável, e no caso de Dirt 3, até consegue um aumento de 50 por cento na performance sobre ambas as gráficas Nvidia.

"Os testes confirmam que a HD 6870 oferece um valor espantoso em segunda mão, enquanto a GTX 650 tem as honras nos preços abaixo de 120 euros. Por um pouco mais, a 7850 1GB é uma pechincha espantosa."

HD 5770/6770 HD 7770 GTX 650 GTX 460 HD 6870 GTX 650 Ti HD 7850
Call of Duty: Modern Warfare 3 82.2 75.5 83.8 116.4 117.5 121.7 140.6
Diablo 3 53.5 47.1 68.7 71.2 90.4 84.0 101.8
DiRT 3 50.0 52.0 48.7 66.3 74.4 66.2 96.8
Portal 2 106.8 100.1 114.0 146.0 167.6 159.6 198.4
Saints Row: The Third 21.3 19.2 25.8 32.7 34.8 31.9 41.5
StarCraft 2 48.8 47.0 58.2 73.5 69.2 70.9 75.4

Atualização em gráficas de baixo custo: o veridito Digital Foundry

As definições mais altas na maioria dos jogos PC podem ser alcançadas usando qualquer uma destas placas, mas dependendo da linha de preço que procuram, as expetativas tem que ser medidas de acordo para a performance. As placas de entrada, tais como a Radeon HD 7770 ou GTX 650, são particularmente desenhadas para jogos a 30FPS a correr jogos DX11 no máximo, enquanto placas acima dos 120 euros tais como a Radeon HD 7850, podem convincentemente fixar-se nos 60FPS em circunstâncias similares. Acima disto, todas as placas GDDR5 1GB em contenção aqui estão bem preparadas para resoluções até 1920x1080, apesar de quebras na parede surgirem assim que puxam acima disso, ou adicionem definições maiores de anti-aliasing, como demonstrado nos testes de Arkham City a 8x MSAA. Para utilizadores com vários monitores que querem ascender acima disto, vão ter que elevar o orçamento para modelos de 2GB.

Mas, da seleção aqui, qual a que reina suprema? Na categoria 80-120 euros existe pouco a distinguir as três placas durante cenas exigentes em Battlefield 3. Em tudo, a GTX 650 é a melhor aqui, particularmente quando pesamos jogos universalmente mais jogáveis como StarCraft 2 e Diablo 3, enquanto a 7770 tem dificuldades em subir a parada significativamente sobre o anterior modelo 6770, que por sua vez é virtualmente idêntico ao seu anterior, a Radeon HD 5770.

Quanto à vitoriosa no leque de ponta entre os 120-160 euros, é claro que a HD 7850 1GB tem tudo para satisfazer as exigências da maioria dos jogos PC de atual geração, com leituras 60FPS quase perfeitas no decorrer dos testes very high em Crysis 2 e Skyrim. Conseguimos este nível de performance apenas em porções específicas de Battlefield 3, apesar disto estar tradicionalmente 8FPS melhor em média que a GTX 650 Ti. De um ângulo de preço-performance, esta edição até ultrapassa a variante 7850 2GB mais cara que testamos anteriormente, com a avaliação 3DMark 11 extrema na placa 1GB a liderar 1751 para os 1657 da mais recente - apesar disto poder dever-se a melhorias na optimização das drivers entre artigos.

A proposta de valor oferecida pela HD 7850 1GB fica muito bem comparado com a GTX 650 Ti de preço similar, cujas vantagens na poupança de energia e eficácia no espaço não fazem muito para compensar o relativo grande défice em performance na maioria dos jogos. Tendo em conta que as 7850 HD 2GB custavam 220 euros, é claro que tens um negócio fenomenal aqui, e a 1080p ou menos, a inferiorização para 1GB não parece oferecer muita - se é que oferece - queda na performance.

É promissor no geral: olhar para placas que custa pouco mais de 120 euros para ilustrar as enormes melhorias feitas sobre gerações anteriores - a mais barulhenta, esfomeada GTX 460 e a HD 6870 custam tanto quanto 220 euros no dia de lançamento, e não chegam mesmo assim perto do sinal suave da 7850 com o seu preço mais baixo. Talvez seja r que os avanços nas gráficas de entrada sejam mais direcionados para o seu peso ecológico, ao invés de melhorar a sua performance. No entanto, a GTX 650 pelo menos quebra a tendência do domínio da AMD neste campo ao introduzir o chipset Kepler numa placa melhor equipada no geral do que a 7770.

Descobre como realizamos as nossas análises, lendo a nossa política de análises.

Marcado com

Sobre o Autor

Thomas Morgan avatar

Thomas Morgan

Senior Staff Writer, Digital Foundry

32-bit era nostalgic and gadget enthusiast Tom has been writing for Eurogamer and Digital Foundry since 2011. His favourite games include Gitaroo Man, F-Zero GX and StarCraft 2.

Comentários