Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

O combate de Final Fantasy 16 não vai agradar a todos

O produtor sabe disso, mas a equipa seguiu com o seu instinto.

Naoki Yoshida, produtor de Final Fantasy 16, está totalmente ciente que o sistema de combate do seu próximo jogo não vai agradar a todos, mas a equipa decidiu seguir com o seu instinto.

Numa entrevista com o Comic Days, obrigado ao VGC, Yoshida partilhou que está ciente sobre como a mudança para um sistema de combate mais focado na ação poderá incomodar alguns jogadores que desejavam um sistema por turnos, mas tiveram de pensar em vários tipos de jogadores e no mundo atual.

"Queremos que o mundo, especialmente a geração mais nova, jogue o jogo," disse Yoshida que mais uma vez voltou a falar sobre os jogadores com cerca de 20 anos e que nunca jogaram um Final Fantasy, algo que está a preocupar a Square Enix.

"Além disso, atualmente, os jogos mainstream são mais intuitivos onde pressionas um botão e a personagem dispara uma pistola ou usa uma espada, o estilo RPG tradicional de comandos por turnos já não lhes é familiar."

Yoshida diz que as batalhas de Final Fantasy 16 são tão focadas na ação porque atualmente as pessoas estão menos familiarizadas com os RPGs clássicos por turnos e comandos.

"Obviamente, não acredito que seremos capazes de satisfazer as exigências de todos, mas disse a todos na equipa que a primeira coisa que precisamos fazer é criar algo que sentimos ser divertido e assegurar que chega às pessoas que gostam disso."

Yoshida sabe que não é uma questão sobre qual é melhor ou pior, mas a equipa teve de criar algo divertido e ter em conta as preferências de acordo com as idades dos jogadores.

Marcado com

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários